Porrada se refilarmos!

A liberdade de expressão global está “em declínio”, encontrando-se no nível mais baixo numa década, alerta o Article 19, que avalia o estado actual deste direito no mundo, que coloca Portugal em 11.º lugar no ranking e Angola no 104.º lugar. Esta informação consta no relatório “The Global Expression Report 2019/2020: The state of freedom of expression around the world”, divulgado pela organização internacional Article 19, numa análise a 25 indicadores em 161 países para elaborar um marcador geral com que pontua a liberdade de expressão numa escala de 1…

Leia mais

Vejam como era em 1973 e… façam o favor de aprender

O ministro da Agricultura e Florestas, António de Assis, procedeu no município do Mungo (Huambo), ao lançamento do Programa de Revitalização da Cultura do Café Arábica no sector familiar, com o objectivo de contribuir para as estratégias de combate à pobreza e, ao mesmo tempo, garantir a segurança e a qualidade alimentar. Por outras palavras, a pobreza na barriga do povo e os luxos na casa dos donos do reino. Simples. Decorrido na aldeia de Beteleme, a 157 quilómetros da cidade do Huambo, o acto, testemunhado pela governadora do planalto…

Leia mais

Ora digam lá, quem é o mais forte cá do reino, quem é??

O Presidente angolano (não nominalmente eleito), também Presidente do MPLA (partido no poder desde 1975) e Titular do Poder Executivo, João Lourenço, o economista guineense Carlos Lopes e a gestora luso-sul-africana Maria Ramos integram a lista dos 100 africanos mais influentes de 2019 ao lado de nomes como Elon Musk ou Idris Elba. Também lá está Carlos Saturnino. A lista, elaborada pela África Report, do grupo de comunicação Jeaune Afrique, foi publicada na edição do segundo trimestre deste ano (Abril, Maio e Junho) da revista e inclui ainda outro lusófono,…

Leia mais

Regime autoritário? Claro!

A posição de Moçambique no Índice de Democracia elaborado anualmente pelo The Economist deteriorou-se em 2018, sendo agora classificado como “regime autoritário”, numa avaliação em que a generalidade dos países lusófonos manteve as pontuações. Angola, na 123ª posição (entre 167 países analisados) continua com a sua “honrosa” classificação de… “regime autoritário”. Moçambique, que em 2017 ocupava a 115.ª posição em 167 países avaliados e era considerado um “regime híbrido”, caiu, em 2018, para a 116.ª posição, passando a ser classificado como “regime autoritário”. O país obteve uma pontuação global de…

Leia mais

Hong Kong retira a Luanda título de cidade mais cara

Hong Kong superou Luanda na classificação das cidades mais caras do mundo, revela um estudo anual com mais de 375 cidades, comparadas em mais de 200 itens, incluindo alojamento, transporte, alimentação, vestuário e entretenimento. A capital angolana foi a cidade mais cara do mundo no Estudo Global da Mercer em 2017, mas Hong Kong, região administrativa especial da China, assumiu o primeiro lugar do ranking na avaliação deste ano, realizado em Março, com Luanda a ser relegada para a 6ª posição. Hong Kong, a segunda cidade com o segundo maior…

Leia mais

Lusófonos amam (e de que maneira!) a corrupção

Moçambique é um dos países que lidera a maior queda no ranking anual da Transparência Internacional sobre corrupção, tendo perdido 30 pontos no último ano e está agora na parte mais baixa da escala, em 142.º lugar. Mesmo assim, continua acima de Angola, que se encontra em 164º, apesar de apenas ter perdido um ponto no último ano. Ao contrário, Cabo Verde ganhou dois pontos e fica em 38.º lugar, muito perto de Espanha (41.º), que perdeu cinco pontos em 2016. O Brasil continua a acentuar a queda, com menos…

Leia mais

Negócios com Angola? Fujam!

Angola está na 182ª posição do ranking “Doing Business”, que avaliou 190 países. O último desta classificação é a Somália. O melhor é a Nova Zelândia, Portugal ocupa o 25º lugar. Angola está, portanto, entre os dez países onde é mais difícil fazer negócios, segundo o ranking “Doing Business” do Banco Mundial, no qual apenas um terço dos países lusófonos melhoraram o seu ambiente de negócios. No relatório do Grupo Banco Mundial (BM) “Doing Business 2017- Igualdade de Oportunidades para Todos”, que avalia 190 países, conclui-se que 137 países realizaram…

Leia mais

Angola no top dos piores

A Guiné Equatorial e, pois claro, Angola são dois dos três países do mundo onde menos de metade da população tem acesso a fontes melhoradas de água potável, diz a Unicef, acrescentando que Angola tem de aumentar mais de cinco vezes o ritmo de redução da mortalidade infantil para alcançar o objectivo de reduzir para 25 o número de mortes de menores de cinco anos em cada mil. Estes dados revelam, mais uma vez, que todo o mundo, mas sobretudo os angolanos, devem dar os parabéns a sua majestade o…

Leia mais

E nós a vê-la fugir

Amanhã comemora-se, uns de forma positiva e outros negativa, o Dia Mundial da Liberdade de Imprensa. Uns festejam o que têm, outros o que gostariam de ter. Do ponto de vista dos donos do poder, sejam eles quem for, todos têm. Angola está na posição 123. No âmbito da Lusofonia, pior de que Angola só a Guiné Equatorial (posição 168). No mundo da Lusofonia, Portugal e Cabo Verde lideram no Índice de Liberdade de Imprensa 2016, elaborado pelos Repórteres Sem Fronteiras (RSF), tendo ambos melhorado as posições em relação a…

Leia mais

Fome de milhões alimenta
a riqueza de uns poucos

A luta contra a fome no mundo registou “progressos significativos” nos últimos 15 anos, com uma redução global de 27% e o Brasil a constituir-se como o que mais diminuiu a subnutrição entre os 128 países analisados num estudo. N o Índex Global sobre Fome (IGF) 2015, elaborado pelo Instituto Internacional de Investigação sobre Políticas Alimentares (IFPRI, na sigla inglesa), só surgem avaliados cinco dos nove membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa – Angola, Brasil, Guiné-Bissau, Moçambique e Timor-Leste. Com Cabo Verde, Guiné-Equatorial, Portugal e São Tomé e…

Leia mais