Governo impotável e inimputável

A Empresa Pública de Águas de Luanda (EPAL) vai instalar, provisoriamente, pontos colectivos de água para os moradores do bairro São João, após a divulgação da escassez de água naquela zona do município do Cazenga. Em Angola, com excepção do Governo do MPLA (lixeiras, malária, fome, pobres, desemprego, corrupção), tudo é provisório… até mesmo os angolanos. Em nota de esclarecimento, datada de 25 de Junho, a empresa diz que tomou conhecimento pela comunicação social (não afecta a marimbondos e caranguejos) da matéria sobre a situação daqueles moradores a “retirarem água…

Leia mais

Falta água, sobram lixeiras

Crianças, jovens e adultos, em Luanda, “lutam”, numa tubagem pública, por eles “danificada”, à berma da estrada, para conseguir uma bacia ou balde de água que, há semanas, não jorra naquela circunscrição do município do Cazenga. Num país rico que em vez de produzi riquezas produziu apenas ricos, é um dos melhores cartões de visita de quem nos governa, o MPLA, há 45 anos. Mais fácil é obter comida. O acesso às lixeiras é… livre! Vários bairros, distritos e municípios de Luanda enfrentam a escassez de água potável e a…

Leia mais

Que ao povo nunca falte o lixo!

O Programa Alimentar Mundial (PAM) indica que entre 65% a 80% dos agregados familiares angolanos estão a consumir cereais e tubérculos que não são de produção própria devido à seca e que muitos dependem de ajuda para se alimentarem. Será só devido à seca? Ou tem muito (muito mesmo) a ver com a incompetência de um Governo que existe para se servir a não para servir? Num relatório, de Fevereiro deste ano, denominado “Monitorização da Época Chuvosa 2020-2021 em Angola”, refere que desde Outubro de 2020 que o PAM está…

Leia mais

Compromissos assinam-se. Quanto a cumpri-los…

Angola tem assumido, segundo a secretária de Estado para os Direitos Humanos e Cidadania, Ana Celeste Cardoso Januário, o compromisso de garantir o acesso aos mais elementares serviços públicos, nomeadamente a água potável, saneamento, energia eléctrica, saúde, educação e habitação, cumprindo assim as recomendações dos direitos humanos em Angola. Se em vez de assumir o compromisso de garantir… garantisse mesmo, tudo seria diferente. Essa afirmação foi feita pela secretária de Estado para os Direitos Humanos e Cidadania, Ana Celeste Cardoso Januário, na abertura do debate público sobre as Recomendações do…

Leia mais

Torneira sem água

O sector das águas executou apenas, nos últimos cinco anos, 18 por cento dos projectos que submeteu a concurso no país, sendo que a maioria destes sistemas de abastecimento de água à população foram suportados por linhas de financiamentos externas, afirma o secretário de Estado das Águas, Lucrécio Costa. E assim vai o reino. Apesar de o país ter disponibilidade hídrica, a fraca capacidade de investimento por falta de financiamento, constitui o maior constrangimento para a execução dos concursos e empreitadas no país, justificou o Lucrécio Costa no espaço a…

Leia mais

O farelo, os cães e o MPLA

As medidas de higienização são prioritárias no combate à Covid-19, mas em Angola (país que desde há 45 anos é governado ininterruptamente pelo mesmo partido, o MPLA) só três em cada 10 cidadãos têm água canalizada na residência, enquanto metade não tem acesso a ligação eléctrica da rede pública, segundo revelou o Afrobarómetro. Realizado pela Afrobarómetro, uma rede de pesquisa pan-africana e não partidária que fornece dados quantitativos sobre a vivência e avaliação dos africanos da democracia, da governação e da qualidade de vida, o inquérito indicou que as dificuldades…

Leia mais

Cabo Verde aposta nos chafarizes amovíveis

Cabo Verde vai investir 400 mil euros no reforço do abastecimento de água na ilha de Santiago face à seca prolongada, recorrendo a chafarizes amovíveis e autotanques, no âmbito das medidas contra a pandemia da Covid-19. O investimento, aprovado em resolução de Conselho de Ministros, é justificado pela necessidade de “medidas extraordinários e urgentes de reforço da distribuição de água fora da rede nas zonas rurais da ilha de Santiago”, que concentra mais de metade (56%) da população do país. “De forma a colmatar a penúria de água potável por…

Leia mais

“Vamos comer o quê?”

Mais de 330 pessoas foram detidas em Angola nas últimas 24 horas, incluindo 10 pastores, com o porta-voz do Ministério do Interior (MININT) a lamentar que se mantenha a desobediência de muitos cidadãos ao estado de emergência. Registe-se que também há muitos angolanos a chocar com as balas da Polícia ou dos militares… Por sua vez a UNITA pede que o Governo “não deixe a população morrer à fome”. Valdemar José, o sipaio do general Eugénio Laborinho, que fazia um balanço operacional das últimas 24 horas, em Luanda, salientou que…

Leia mais

Se não há água, a Covid-19 agradece o apoio do MPLA

A presidente da parceria da ONU “Água e Saneamento para Todos”, Catarina de Albuquerque, considera que a Covid-19 só será estancada quando todos tiverem acesso a água para lavar as mãos, “um luxo” para 40% da população mundial, um superluxo para 80% dos angolanos. Em declarações à agência Lusa, a jurista portuguesa sublinhou a importância das medidas preventivas contra a infecção pelo novo coronavírus, mas recordou que nem todos têm acesso ao mais essencial dos bens: a água. Refira-se que em Angola (antes da entrada em vigor do estado de…

Leia mais

Já não bastava a fome!

A Covid-19 já entrou no vocabulário dos musseques de Luanda, onde os habitantes (que, ao contrário do que o MPLA pensa, também são angolanos) sabem como se proteger, mas temem os efeitos do estado de emergência que os proíbe de biscates e pequenas vendas que lhes garantem a sobrevivência diária. Temem, por isso, que não vão conseguir aprender a viver sem… comer. Nos bairros de autoconstrução e ruas apertadas, esburacadas e poeirentas amontoam-se milhões de luandenses (que, repetimos, ao contrário do que o MPLA pensa, também são angolanos), informados sobre…

Leia mais