A frustração da primavera Lourencista

Quando, em 2017, João Lourenço tomou posse como Presidente de Angola, gerou-se uma enorme expectativa. Com o fim do consulado de Eduardo dos Santos, vinha uma nova equipa que prometia progresso, combate à corrupção endémica, desenvolvimento, maior qualidade de vida. Por Paulo de Morais (*) É certo que Lourenço e o seu vice-presidente, Bornito de Sousa, pertenciam à nomenclatura que, com Dos Santos, tinha governado o país de forma corrupta e tinha afastado os angolanos dos caminhos do desenvolvimento. Mas, mais do que expectativa, foi a esperança que se instalou.…

Leia mais

Filhos da fome nunca serão livres

A cidade de Ondjiva, província do Cunene, acolhe hoje um encontro para debater os conteúdos das mensagens de voz do projecto saúde móvel “Nascer Livre para Brilhar”, um compromisso assinado com o Gabinete da Primeira-Dama da República. A iniciativa implementada pela Unitel e a Organização Não-Governamental People in Need, pretende contribuir para a diminuição das taxas de transmissão de VIH-Sida de mãe para filho em Angola. O certame reúne dirigentes, supervisores e técnicos da saúde, além de representantes de organizações da sociedade civil que actuam no sector, indica uma nota…

Leia mais

“Um atentado ao Estado democrático de direito”

O professor Fernando Macedo, da Universidade Lusíada de Angola, criticou hoje o Presidente angolano, João Lourenço, considerando que a revisão da Constituição é “um atentado ao Estado Democrático de Direito”. Tem razão. Mas como Angola não é (ainda) um Estado Democrático de Direito, o líder do partido (MPLA) que governa o país há 45 anos não está a cometer um a “atentado”… Na sua participação no seminário virtual “Recuperação de Activos da Corrupção em Angola e implicações para Moçambique”, organizado pelo Fórum de Monitoria do Orçamento (FMO), Fernando Macedo, professor…

Leia mais

Vender esta CPLP era a solução. Mas… ninguém dá nada por ela

O secretário-executivo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), Francisco Ribeiro Telles, disse hoje que a comissão temática de Promoção e Difusão da Língua Portuguesa, com a participação da sociedade civil, é um exemplo “inspirador” para novas formas de actuação da organização. Será que será “inspirador”, para os milhões de angolanos que se alentam nos caixotes de lixo, ou para os moçambicanos que foram assassinados (alguns degolados) em Cabo Delgado? “Com a criação da comissão temática de Promoção da Língua Portuguesa, em 2013, a CPLP viu concretizar-se o desiderato…

Leia mais

Primeiro mata-se e depois logo se verá…

A Friends of Angola (FoA) exige que as autoridades angolanas abram um inquérito para levar à justiça os responsáveis pela violação dos direitos humanos e liberdade de expressão, de manifestantes na província da Lunda Norte. Em causa está a morte de um número ainda não determinado de manifestantes, que no sábado terão – segundo a versão oficial -tentado invadir uma esquadra policial em Cafunfo, município do Cuango, resultando, segundo números oficiais, em pelo menos seis mortos do autodenominado movimento do Protectorado Português Lunda Tchokwe e cinco feridos, entre os quais…

Leia mais

Se os porcos comem farelo e não morrem…

O Governo do MPLA, o único que Angola conheceu desde a independência, em 1975, assinala os 45 anos de independência a partir de terça-feira, com homenagens e inaugurações, entre as quais a do Hotel Intercontinental, nacionalizado no mês passado. No dia 11, quarta-feira, data em que se celebram os 45 anos da “Dipanda”, as cerimónias começam às 07h00 com o içar da bandeira no Museu Central das Forças Armadas Angolanas, seguindo-se às 09h00, a deposição de uma coroa de flores no memorial António Agostinho Neto, primeiro presidente de Angola, o…

Leia mais

Tal como o PCP planeara

O general Pezarat Correia, um dos portugueses envolvidos nas negociações para o Acordo de Alvor, assinado entre o governo português e os principais movimentos de libertação de Angola, em 1975, considera que a componente militar do documento “falhou terrivelmente”. Nada disso. O objectivo dos comunistas portugueses era entregar Angola ao MPLA e tiverem um êxito total. “H avia uma componente fundamental, e foi aqui onde o Acordo do Alvor falhou terrivelmente e depois deu lugar a toda a tragédia que se passou, que foi a parte militar”, porque não se…

Leia mais

Alto Kauango, a mãe dos Acordos de Bicesse

O general Sachipengo Nunda, na altura dos Acordos do Alto Kauango era chefe operacional na Região Centro e acompanhou todo processo, na distância geográfica e proximidade das comunicações militares. Instado a pronunciar-se pelo Folha 8 fê-lo começando por uma máxima sublime, para os que fazem a história: “Diante de um facto há sempre a minha história, a tua história e a história”. Esta resulta de factos, tendo como fontes primárias: Os protagonistas, os documentos e as fontes secundárias: obras escritas por outras pessoas. Na tropa também sabemos que “a vitória…

Leia mais

Angola é (claro!) Luanda
– O resto? Um dia se verá…

Este deverá ser, pelo menos é isso que está estabelecido, ano de eleições em Angola. Assim, mais uma vez, os ministros e restantes membros do governo mostram que é altura de ter ideias, de vender promessas, de explicar que são capazes de fazer, agora, o que não fizerem em 41 anos de independência e em 15 de paz total. Hoje o ministro das Finanças de Angola tirou da cartola mais um anúncio. Anunciou um novo modelo de arrecadação de receitas para a capital, Luanda, que vai permitir – diz ele…

Leia mais