A POLITIZAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

Com a nomeação do novo executivo por parte do Presidente da República ficou evidente que continuamos (ainda) com a politização da administração pública ou simplesmente DEMOCRACIA PARTIDÁRIA, entendida como gestão pública (negócios) a partir dos interesses “particulares” dos partidos políticos. Se a principal empresa do país, que é o Estado, não funcionar e também for politizada, nenhuma empresa do país terá sucesso, e o próprio país não progredirá como poderia. Assim teremos sempre desempregados e pobreza. Por Adão Xirimbimbi AGX Jurista e Investigador A Administração Pública angolana é ineficiente devido…

Leia mais

OS DESAFIOS DO NOVO GOVERNO

Logo após a sua investidura, vimos o Presidente da República, João Lourenço, reeleito nas últimas eleições de 24 de Agosto, a empossar os novos membros do Executivo. Por Octaviano Lucas Francisco Sociólogo e político Este novo Executivo evidência um alto nível de “acertividade” – embora possa se ter como uma questão muito subjectiva – mas que custou ao Presidente da República sempre uma atenção clínica “com quem contaria” entre os camaradas para conduzir os destinos desse país, aquando eleito, pela primeira vez, Presidente da República, e com os quais travou…

Leia mais

MEMÓRIAS DA (DESPED)IDA

Nova Lisboa (Huambo). Antes de me despedir, eu gostaria de ter ido à festa da Queima da Raposa, dos finalistas do Colégio Alexandre Herculano, incinerar algumas memórias das negas que abandonei, vivas e tristes, a pairarem, como espíritos malignos, no ar do Cambiote, na anhara junto à casa do Tio Franklin, e que por vezes me visitam. Por José Filipe Rodrigues Os amores adolescentes com a Helena, a loira do Liceu (Nacional General Norton de Matos), que de tão perfeita e desejada até parecia oxigenada, a que foi com os…

Leia mais

AS NOSSAS OPÇÕES/ESCOLHAS DE VIDA…

Há momentos em que a vida leva-nos a proceder à escolhas estratégicas que podem definir o sentido da nossa vida. Esses momentos, na história do indivíduo ou das comunidades, são muitas vezes determinados por concurso de circunstâncias de vária índole. Por Lukamba Gato No longínquo 1974, num contexto internacional e geoestratégico dominado pela Guerra-Fria, e a guerra colonial no plano interno, ocorreram três acontecimentos históricos, todos eles com clara relação causa e efeito, a saber: a) Um golpe de Estado em Portugal, protagonizado por capitães das Forças Armadas aos 25…

Leia mais

O VAZIO TOMOU POSSE…

Sim, o vazio tomou posse, e a covardia de um Tribunal Constitucional sob as ordens do regime decidiu confiar o país ao cidadão João Lourenço que nunca conseguiu ser o presidente de todos os angolanos, aquele que nunca tentou ficar e subir acima a confusão partidária, através de um golpe constitucional cujo culminar do que espera o povo angolano nos foi oferecido hoje por este discurso vazio. Por Osvaldo Franque Buela (*) Este vazio que nos foi servido pelo chefe impostor não deve surpreender ninguém, porque apesar de roubar a…

Leia mais

O ROSTO DA IMPOSTURA

Já se sabe não só em Angola e África mas sobretudo em todo o mundo que o senhor que se escondia atrás das “ordens superiores” tem agora o rosto e nome reconhecidos pelos registos civis do país. Por Osvaldo Franque Buela (*) Verdadeiro impostor, para não dizer criminoso a sério, mais parece do ponto de vista dos comportamentos e das formas pouco elegantes com que governou o país durante cinco anos, mais pelo assalto que orquestrou e que prepara-se para roubar o voto dos angolanos que votaram pela alternância de…

Leia mais

ELEIÇÕES FORAM UMA LIÇÃO PARA MUITOS

Há vitórias que cheiram a derrotas, por muito grosso que os pretensos vencedores se manifestem no pós-escrutínio. As eleições angolanas do passado dia 24 de Agosto foram uma lição para muitos. Em primeiro lugar para o MPLA. Por Carlos Pinho (*) É por demais evidente que a constituição de uma Comissão Nacional Eleitoral (CNE) à maneira, deixa ficar todos com um pé atrás quanto à veracidade dos resultados eleitorais. Embora o líder da UNITA já tenha, em certa medida e fazendo fé no que li em alguns meios de comunicação,…

Leia mais

ANGOLA E O PÓS-VOTO, MAS NÃO O PÓS-ELEIÇÕES

O acto eleitoral do passado dia 24 de Agosto, mostrou 3 factos importantes: 1 – uma eleição calma, descontraída, soberana e sem makas; 2 – uma elevada abstenção; e 3 – um forte indício de mudança. Por Eugénio Costa Almeida (*) No primeiro caso, a forma cívica como os eleitores se apresentaram ao acto eleitoral mostrou que os Angolanos já não recebem lições de terceiros como devem votar, como se comportar durante e após o acto de colocação do voto nas urnas. Só um facto, uma organização continua anómala: os…

Leia mais

LUTA DE LOURENÇO CONTRA A CORRUPÇÃO FOI UM LOGRO, UM EMBUSTE

Em Angola, 2017 foi um ano de esperança. João Lourenço tomava posse. Sucedia na presidência a Eduardo dos Santos, prometia refrescar a sociedade angolana e combater militantemente a corrupção. Volvidos cinco anos, a decepção é total e absoluta! Por Paulo de Morais Presidente da Frente Cívica O combate de João Lourenço à corrupção foi um combate fingido. O Presidente deu sinais de abertura no início de mandato, nomeadamente até parecendo tolerar alguns opositores políticos, como Rafael Marques ou Luaty Beirão. Chamou à esfera da Administração personalidades respeitadas, como Lopo do…

Leia mais

EMANCIPAÇÃO DE CABINDA COMEÇARÁ COM A DERROTA DO MPLA

Gostaria de começar as minhas observações escrevendo que a verdadeira emancipação do povo de Cabinda começará com a vitória eleitoral da Frente Patriótica Unida, encarnada pelo líder da UNITA, mas preferi falar da derrota do MPLA porque é do que se trata, e isso nos foi confirmado pelo quão violentos discursos do líder do quarteto dos caranguejos, herdeiro da seita dos marimbondos, o regime sob o qual construiu sua incompetência política. Por Osvaldo Franque Buela (*) Normalmente em período eleitoral, aquele que deveria encarnar a unidade nacional, e prestar contas…

Leia mais