ANGOLA DE JLO SUPERA UGANDA DE IDI AMIN DADA

A raiva, raivosa de 2017/18, resvalou na raiva boçal, em 2019, para em 2020, na tentativa de salvação da borrada, ter optado por aliar-se, em 2021, ao ódio ao invés da conciliação. E, de ódio em ódio até ao ódio final, as estruturas e órgãos públicos do país vêem sendo assassinadas, violadas e destruídas, para beneficiar um autor e tribo partidocrata. É uma marcação, tal como o pingar (xixi), de um cão quando se desloca para ter noção do caminho. A casta no poder caminha de igual forma, ao transformar…

Leia mais

ECONOMIA NÃO RECUPERA DA PANDEMIA ATÉ 2023

A economista Helena Afonso, do Departamento das Nações Unidas para Assuntos Económicos e Sociais (UNDESA), afirma que “a economia de Angola em 2022 deverá crescer pela primeira vez em seis anos, depois de ter contraído 4% em 2020, a quinta consecutiva e a mais grave em 30 anos, e em 2021 estimamos um crescimento nulo dada a menor produção petrolífera, apesar do aumento dos preços”. Em declarações à Lusa na sequência da divulgação do relatório sobre a Situação e Perspectivas Económicas Mundiais deste ano, na quinta-feira, Helena Afonso afirmou que…

Leia mais

GALO (NEGRO) ESCONDIDO COM CRISTA DE FORA!

O ministro do Interior de Angola, Eugénio Laborinho, informou que estão detidas até agora 102 pessoas suspeitos – segundo o MPLA – da prática de actos de arruaça e vandalismo registado, segunda-feira, na sequência da greve de taxistas na capital do país. Eugénio Laborinho, que falava durante um programa especial de informação realizado pela Televisão Pública do MPLA (TPA) sobre os incidentes ocorridos, segunda-feira, no Benfica, no decorrer de uma greve de taxistas em Luanda, em que se observaram igualmente actos de violência com a destruição de bens públicos e…

Leia mais

MPLA (NÃO) DEIXA O POVO SONHAR!

As forças políticas angolanas da oposição que o MPLA ainda permite e que têm representação parlamentar, manifestaram-se preocupadas com o ambiente político do país, defendendo o regresso do diálogo político como saída da crise. Citando o presidente do MPLA, João Lourenço, o “teatro de operações” está pronto para fazer uso da razão da força. À oposição resta apenas a força da razão. Será suficiente? A posição foi apresentada em conferência de imprensa pelo líder do grupo parlamentar da UNITA, Liberty Chiaka, em representação dos deputados da Convergência Ampla de Salvação…

Leia mais

INTIMIDAÇÃO? PERSEGUIÇÃO? AGRESSÃO? ONDE?

Organizações cívicas angolanas (à revelia das ordens superiores institucionalizadas há 46 anos pelo MPLA) alertam para o “ambiente de intimidação, perseguição e agressão” protagonizados alegadamente pela Polícia Nacional (do MPLA) contra taxistas promotores da greve de segunda-feira e reprovam os actos de vandalismo e a “parcialidade e manipulação” dos órgãos públicos. “Parcialidade”? Quem diria, não é? Taxistas paralisaram os seus serviços na segunda-feira, 10 de Janeiro, em Luanda, para reivindicar direitos sociais e económicos, mas verificaram-se actos de vandalismo, com a destruição de um autocarro público e de um edifício…

Leia mais

OVO DE COLOMBO NACIONAL ALIMENTADO A PETRÓLEO

Angola fechou o ano de 2021 com a inflação nos 27,03%, registando uma subida de 1,93 pontos percentuais face ao valor registado em Dezembro de 2020, com os preços a subirem 2,1% face a Novembro. Mas em 2022 tudo será diferente, diz o Governo que acaba de, com grande originalidade, pedir ajuda ao… petróleo. De facto, explica o órgão oficial do MPLA (o mais do que bem informado Jornal de Angola), o Governo conta com a entrada em operação de novos projectos petrolíferos, este ano, quando se espera que o…

Leia mais

QUANDO O PRESIDENTE É PIRÓMANO E NÃO BOMBEIRO

O investigador angolano-português Eugénio Costa Almeida afirma que a reacção do Presidente angolano aos actos de vandalismo que tiveram lugar em Luanda, na segunda-feira, é “perigosa”, defendendo um discurso “conciliador”, em vez de “quase incendiar” a situação “com acusações veladas”. Eugénio Costa Almeida, que falava após o chefe de Estado angolano, Presidente do MPLA candidato às próximas eleições e Titular do Poder Executivo, classificar os incidentes como “um verdadeiro c de terror” que aponta “para a materialização de um macabro plano de ingovernabilidade” e uma “tentativa da subversão do poder…

Leia mais

O FIM DO PODER SERÁ O FIM DO MPLA

Investigadores do Centro Africano de Estudos Estratégicos norte-americano consideram o mesmo que, há muito, diz o Folha 8. Ou seja, que o MPLA (no poder há 46 anos) está, novamente, a protagonizar um “conjunto de manobras” com o objectivo de “maximizar o seu controlo sobre as estruturas estatais”, em vésperas das eleições presidenciais e legislativas angolanas em Agosto. Aliás, o fim do Poder será o fim do MPLA. “O Movimento Popular para a Libertação de Angola (MPLA), no poder, tem mantido um controlo contínuo sobre a política angolana desde 1975…

Leia mais

DIREITOS HUMANOS? UM DIA… TALVEZ!

A Human Rights Watch (HRW) aplaudiu a entrada em vigor do novo código penal em Angola, que descriminaliza a homossexualidade, mas alerta para a implicação das forças de segurança angolanas em violações graves dos direitos humanos. O relatório da HRW não foi, obviamente, contraditado pelos donos do país, nomeadamente pelo Departamento de Informação e Propaganda do MPLA… No capítulo dedicado a Angola do seu relatório anual, hoje publicado, a organização não-governamental recorda que em 2021 entrou em vigor o novo código penal em Angola, que substituiu uma lei obsoleta, de…

Leia mais

“A REGRA DA NÃO-LEI”

O início do julgamento do empresário luso-angolano Carlos de São Vicente, que – segundo os seus advogados – “se encontra ainda preso em Angola após ultrapassados todos os prazos legais para a sua prisão preventiva”, foi finalmente marcado para o próximo dia 26 de Janeiro, na 3ª Seção Criminal do Tribunal da Comarca de Luanda. Vejamos, na íntegra, a argumentação dos seus advogados, sob o título “O caso de Carlos São Vicente : A Regra da Não-Lei”: «Não há Estado Democrático de Direito sem respeito pelos direitos e garantias fundamentais…

Leia mais