Cubanos enseñan portugués muy bien

A UNITA, que integra a oposição política que o MPLA ainda permite, criticou hoje o que considera de partidarização do ensino em Angola, “com o cunho evidenciado de partido único e comunista”, referindo que as “debilidades” no sistema “colocam em risco a soberania do país”. A malta do “Galo Negro” está a esticar a corda. Se calhar querem que Agostinho Neto (o assassino responsável pelos massacres de 27 de Maio de 1977) deixe de ser o único herói nacional… Para a UNITA, a história de Angola é escrita “numa perspectiva…

Leia mais

Pódio em exclusivo para João Lourenço

“Temos hoje uma democracia pujante que cumpre regularmente os seus ciclos de realização de eleições”. Esta afirmação de João Lourenço (presidente não nominalmente eleito) guindou-o para ganhar a medalha de ouro dos jogos olímpicos da demagogia, podendo até vir a ser galardoado com o Prémio Nobel da desfaçatez (falta de vergonha). Em Acra (Gana), João Lourenço também disse que “a democracia angolana está cada ano que passa mais forte”. Ou seja, quando o MPLA comemorar (como espera) os 100 anos de governação ininterrupta (já só faltam 55 anos), é provável…

Leia mais

Savimbi ontem, hoje e sempre

A UNITA considerou que as gerações mais novas “reconhecem a justeza das lutas de Jonas Savimbi”, líder fundador do maior partido da oposição que o MPLA ainda permite em Angola, que hoje completaria 87 anos. Aliás, quando José Eduardo dos Santos dizia que a democracia foi “imposta” a Angola estava, como continua a estar o MPLA, com uma espinha entalada na garganta. Espinha chamada Savimbi a quem devemos, por  exemplo, o multipartidarismo. Numa mensagem por ocasião da data, a UNITA sublinha que entre 1992, quando se realizaram as primeiras eleições…

Leia mais

“Compromíssio” do MPLA com o ensino

Cerca de 145.000 vagas, das 186.670 solicitadas, estão “disponíveis e autorizadas” para as instituições do ensino superior angolanas, públicas e privadas, para o ano académico 2021/2022, anunciaram hoje as autoridades do sector. E por falar em números, segundo a ministra de Estado para a Área Social, Carolina Cerqueira, existem no país 2.300.000 crianças e adolescentes fora do sistema de ensino… O secretário de Estado para o Ensino Superior, Eugénio Alves da Silva, explicou que a autorização do número de vagas “obedece ao princípio da salvaguarda da qualidade da formação”. O…

Leia mais

A vergonhosa demagogia de João Lourenço

João Lourenço, Presidente angolano (não nominalmente eleito), disse hoje, em Acra, capital do Gana, que o continente africano não pode continuar a ser visto apenas como potencialmente rico em recursos minerais, mas deve passar efectivamente a usufruir desta riqueza. Mais uma afirmação candidata ao pódio do anedotário internacional. João Lourenço, que falava após um encontro com o seu homólogo do Gana, Nana Akufo-Addo, disse que este desafio “depende apenas dos próprios africanos”. Ou, melhor, depende de os países africanos terem na liderança dirigentes sérios, honestos e competentes. “Ninguém nos vai…

Leia mais

Pistoleira freira, ou freira pistoleira?

A vice-presidente do MPLA, Luísa Damião, partido no poder em Angola há quase 46 anos, admitiu esta segunda-feira preocupação face à sobrelotação das cadeias angolanas, cenário que não se verifica na cadeia feminina de Viana, em Luanda, estabelecimento prisional que hoje visitou. Luísa Damião falava depois de visitar a ala feminina da Cadeia de Viana, na qual procedeu igualmente à doação de alguns bens alimentares e materiais, para apoio à formação das reclusas. E como quem manda são os dirigentes do MPLA, não cabe aos ministros do governo abordar estes…

Leia mais

O pai da criança é outro…

A Cedesa, entidade que analisa assuntos políticos e económicos de Angola, considerou que “é possível encarar” a criação de um banco de investimento e fomento da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), atribuindo a paternidade da ideia ao Presidente angolano. Mentira completa. João Lourenço limitou-se a plagiar a ideia. Num documento a que a Lusa teve acesso, a Cedesa propõe que, para isso, que este banco de investimento e fomento, que seria “um instrumento de financiamento do desenvolvimento” dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP), deveria pretender concretizar…

Leia mais

E assim… (não) vai a Justiça

Cerca de uma centena de magistrados do Ministério Público de Angola concentraram-se hoje junto ao Tribunal Provincial de Luanda num protesto silencioso contra a perda de direitos adquiridos e por melhores condições de trabalho e salariais. Trajados de negro e exibindo cartazes com alertas e reivindicações, os magistrados concentraram-se entre as 09:00 e as 10:00 junto ao tribunal, Palácio Dona Ana Joaquina, local simbólico da magistratura do Ministério Público. “Magistrados unidos, dignidade garantida”, lia-se numa tarja, enquanto noutra se criticava: “justiça mendiga, democracia moribunda”. Noutro cartaz lia-se: “Não podemos continuar…

Leia mais

A sapiência do mestre João Lourenço

O Presidente angolano, João Lourenço, juntou-se ao Presidente do MPLA e ao Titular do Poder Executivo num apelo à união de esforços entre todos os países africanos para melhor explorarem os mecanismos de acesso às vacinas contra o novo coronavírus que “injustamente não estão” ao seu alcance. “O nosso continente só poderá vencer a pandemia da Covid-19 se houver a união de esforços entre todos os países africanos, no sentido de melhor explorarmos os mecanismos de acesso às vacinas que injustamente não estão ao nosso alcance”, disse João Lourenço durante…

Leia mais

Vamos ser amarrados onde formos encontrados?

O MPLA, partido no poder apenas desde 1975, advertiu (entenda-se “ameaçou”) hoje os seus “adversários” (que na intimidade das suas orgias canibalescas, como aprenderam com Agostinho Neto, significa “inimigos”) que o poder “não se conquista com inverdades e manchando o nome do país além-fronteiras” (fronteiras de Cabinda? De Cafunfo? Dos massacres de 27 de Maio de 1977), exortando-os à “responsabilidade, respeito e patriotismo” no exercício da liberdade de expressão. Não fosse uma verdadeira declaração de guerra, até poderia ser uma candidatura à já exaustiva enciclopédia do nosso anedotário nacional. “Não…

Leia mais