EU, A ESQUERDA, MAIO DE 77 E OS ASSASSINOS

“Miserável país aquele que não tem heróis. Miserável país aquele que precisa de heróis.” (Bertold Brecht). Teimosamente, lágrimas de 1977 ainda escorrem pelas minhas montanhas faciais, em Maio de 2024. Talvez, uma das razões seja a de assistir impávido e sereno, à ascensão de indigentes intelectuais e, muitos assassinos, nos corredores do poder, determinando, negativamente, os destinos do país e, discriminatoriamente, a vida de milhões de autóctones. Por William Tonet mês de Maio é, para uma grande maioria de angolanos, de profunda reflexão. Reflexão, face ao genocídio ocorrido no 27…

Leia mais

COMUNICAÇÃO SOCIAL PERVERSA E OS INTELECTUAIS COM MÃOS DE SANGUE

É difícil ser advogado em causa própria, num país, dirigido por um partido cruel, que continua a assassinar a verdade, tem vergonha da sua história e teima em não se reconciliar com os erros do passado, que são muitos! Por William Tonet maldade e intolerância, paridas na boçal maternidade mental dos dirigentes do MPLA/regime, fizeram da morte um direito inalienável de poder. “Mataram o meu sonho e o de milhões de jovens e meninos, muitos, precoces, frutos da guerrilha, num raio muito curto: 1974-1977. As impressões digitais, do feito, são…

Leia mais

ESPÍRITO DE MAIO DEVE RESISTIR OS ALGOZES E VENDE-PÁTRIAS

O 27 de Maio está a chegar. Mais um aniversário. 47 anos! Muita reflexão dos sofredores. Das vítimas, espoliados nos seus direitos fundamentais. O Executivo do MPLA, deveria, em 2024, INDEMNIZAR as vítimas do 27 de Maio de 1977, com milhões de penitência, humildade e VERDADE, sobre o bárbaro genocídio cometido sob a liderança de Agostinho Neto. Por William Tonet regime teimando não desconectar o cérebro dos intestinos, insiste na arrogância mentirosa de equiparar os acéfalos assassinos da polícia política de Agostinho Neto, que assassinou 80.000 (oitenta mil) inocentes com…

Leia mais

COVARDIA DO MPLA ANIQUILA O PAÍS E LEGITIMA NOVOS COLONIALISTAS

É assustador ver a maioria dos dirigentes do MPLA subjugada à ala fascistóide de extrema-direita, refém do capital estrangeiro e do FMI, advogados da perpetuação no poder de um regime dócil, capacho, ditatorial e “assassino da democracia”. Por William Tonet m poder autoritário e insensível ao clamor dos povos, garante da manutenção do “novo colonialismo”, defensor da espoliação das matérias-primas, promotor do desemprego, fome e miséria, através do neoliberalismo económico, defensor de impostos altos, juros criminosos e alta dos preços dos produtos da cesta básica, que trata a maioria dos…

Leia mais

JUSTIÇA AMORDAÇADA, JUSTIÇA ASSASSINADA

Estamos num verdadeiro pantanal onde os órgãos públicos, destacando-se a Presidência da República, institucionalizou a vingança, revanche, raiva, ódio, discriminação, prisões arbitrárias, julgamentos e condenações, fora dos marcos legais. Por William Tonet Lei Constitucional partidocrata de 1975, não emergiu do escrutínio de um Poder Constituinte, que tivesse eleito uma Assembleia Constituinte (integrando as sensibilidades de todos os povos, regiões, culturas, tradições e línguas), para ter robustez cidadã, mas uma visão míope que a levou a ser aprovada, exclusivamente, pelo comité central do MPLA e promulgada pelo presidente do MPLA. Caricatamente,…

Leia mais

ACÓRDÃO CONSTITUCIONAL ANTECIPA FUTURO DE JOÃO

A justiça deve ser vista num país de direito e democrático, que, infelizmente, Angola dirigida pelo MPLA, ainda não é, como um órgão de soberania, independente, credível, imparcial e democrático. Os angolanos estão longe de visualizar estes patamares, por em 1975, não ter nascido um ente jurídico republicano, mas uma Partidocracia Popular de Angola (regime de partido único), liderado, “ab initium”, por António Agostinho Neto, convertido em ditador insensível (pese a propaganda), que concentrou todos poderes e violou, deliberadamente, os direitos fundamentais e políticos dos cidadãos, ao liderar a prisão…

Leia mais

PRESIDENTE DEVERIA PRIVILEGIAR “METRO CONTRA A FOME”

O Presidente da República, João Manuel Gonçalves Lourenço, pessoa que admiro e respeito, mas me decepciona continuamente, parece continuar alienado (*), noutra galáxia. Da fome, que não é relativa, mas absoluta, que calcorreia na barriga de 30 milhões de pretos pobres, esta (fome) continua no arquivo morto do Executivo. Por William Tonet contraste, quanto à ordem de prioridade, ocorre com a ostentação de quem vai com a mão estendida à caridade e leva uma numerosa, despesista e injustificada delegação. Esse não é um problema do africano. Não! É de quem…

Leia mais

DIVISÃO DO PAÍS É INCONSTITUCIONAL E MULTIPLICARÁ A CORRUPÇÃO

A UNITA e, principalmente, Adalberto da Costa Júnior, não deve, não pode, minimizar, o aviso musculado do Presidente João Lourenço, no pedestal da sua autoridade, no 03.02.24, ao considerar, antecipadamente, de “arruaceira”, a previsão de realização de manifestações, para reivindicar um legítimo direito, em defesa do respeito constitucional de realização de eleições autárquicas. Foi sério! É aterrador, porque os órgãos castrenses receberam “ordens superiores” do líder do MPLA, que é comandante-em-chefe das FAA (que deveriam ser apartidárias). Por William Tonet discurso musculado não foi inocente ao tipificar, previamente, o acto…

Leia mais

MPLA REAFIRMA GOLPE E PERPETUAÇÃO NO PODER

Eu amo a liberdade. A justiça! A democracia! Abomino a ditadura, a escravatura e o colonialismo. Estamos a dobrar a esquina de chegada de uma brutal ditadura, com um contundente aviso, sub-reptício, vindo da boca de um deputado da Assembleia Nacional, durante as sessões de 28 e 29.02.24, que devem ser levados em conta, para não deixarmos prosperar, de novo, a barbárie. Por William Tonet deputado Osvaldo José Caculo afasta, com contundência, a possibilidade da realização de eleições gerais em 2027. Logo, a roda do terceiro mandato, está em marcha,…

Leia mais

PAÍS NUM CALDEIRÃO À BEIRA DA EXPLOSÃO

Ao ver a mentira, a sacanagem e o desvario económico trilhar os degraus do poder, fico com a clara noção, que a ética e a moral foram “assassinadas” do dicionário mental dos actuais governantes. Por William Tonet terra dos vários reinos e povos, colonialmente, denominado Angola e feito, à martelo, país em 1975, pelo MPLA, vive o pior período existencial, principalmente, nos últimos sete anos (2017 – 2024). Em 22 anos do calar das armas, considerado de paz, sem o inimigo de estimação: Jonas Savimbi, o MPLA apenas conseguiu acumular…

Leia mais