PIIM Pam Pum… viva o MPLA

O plano de intervenção do Governo angolano nos 164 municípios, lançado em Junho passado, conta actualmente (segundo as contas oficiais) com uma execução financeira de 200 milhões de dólares (167 milhões de euros), 10% do orçamento total, e 75 projectos concluídos, foi hoje anunciado. A informação foi transmitida hoje pela coordenadora do grupo técnico do Plano Integrado de Intervenção nos Municípios (PIIM), Laurinda Cardoso, no final de uma reunião de balanço do grau de implementação da carteira de projectos, em 2020, em que admitiu pontos “fracos e fortes” durante a…

Leia mais

(A)mpla frente para lutar ou para ver passar a banda?

A UNITA, o maior partido da oposição que o MPLA ainda permite que exista em Angola, quer criar “uma ampla frente” para derrotar o partido do poder há 45 anos, o MPLA, nas eleições gerais de 2022 (se elas se realizarem) e designou 2021 como “ano de mobilização dos patriotas para a alternância do poder”. Esta “necessidade estratégica” foi hoje analisada na III Reunião Ordinária do Comité Permanente da Comissão Política do partido, orientada pelo seu presidente, Adalberto da Costa Júnior, segundo um comunicado da UNITA. Os dirigentes da UNITA…

Leia mais

O mandiocal do MPLA

Angola tem uma produção anual estimada em mais de 11 milhões de toneladas de mandioca, sendo hoje o terceiro maior produtor de África, depois da Nigéria e o Gana, e quer apostar na sua transformação em amido. Quer? Não basta querer. É preciso fazer. Em Outubro de 2019 o secretário de Estado da Economia, Sérgio Santos, dizia que Angola era o segundo maior produtor da mandioca em África… Uma nota do Ministério da Indústria e Comércio referiu que o executivo angolano está apostado em criar programas de aproveitamento e agregação…

Leia mais

É para matumbos? Então… seis por meia dúzia

O projecto FRESAN, financiado pela União Europeia, vai disponibilizar 14,6 milhões de euros para financiar projectos de organizações da sociedade civil angolana, de redução da pobreza e vulnerabilidade à insegurança alimentar e nutricional. Numa só palavra, estamos a falar de fome (que, segundo João Lourenço, não existe em Angola). Segundo uma nota do Centro Cultural Português, o Projecto FRESAN – Fortalecimento da Resiliência e da Segurança Alimentar e Nutricional em Angola, gerido parcialmente e co-financiado pelo Instituto Camões abriu candidaturas até 30 de Março para o co-financiamento de organizações da…

Leia mais

Eu minto, logo existo!

Alisa Strobel , a analista da consultora IHS Markit que segue Angola diz que o país deve ter registado uma contracção de 6,5% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2020, alertando que o kwanza deve continuar a depreciar-se. A subir bem está, contudo, a demagogia político-governativa do MPLA. “A IHS Markit desceu a previsão sobre a evolução da economia depois da queda de 40% da actividade no sector da construção durante o segundo trimestre do ano passado, que contribuiu para que o PIB deva ter caído 6,5% em 2020”, disse…

Leia mais

As lições (e semelhanças) de José Sócrates

O Presidente do MPLA, da República e Titular do Poder Executivo sempre que fala de Angola garante com uma impoluta convicção que o Governo usará todos os recursos ao seu alcance para auxiliar empresas, trabalhadores, famílias e todos quantos precisarem de ajuda. É com certeza por isso que todos os angolanos dormem mais descansados sempre que ouvem João Lourenço. De barriga vazia (enquanto não aprenderam a viver sem comer) mas descansados. Se João Lourenço o diz é porque assim vai ser. Não sabemos se tal se conseguirá através de menos…

Leia mais

Alâmpadas fundidas na escuridão do Governo

O custo de vida custa à vida cada vez mais Veja-se a cesta básica e os serviços essenciais. Os donos do reino, baseados na suprema sabedoria do Presidente do MPLA (João Lourenço), do Titular do Poder Executivo (João Lourenço) e também do Presidente da República (João Lourenço), garantem que é tudo para benefício do Povo. A crise (económica, financeira, cambial, moral etc.) levou o Governo a cortar para metade os quase 20.000 milhões de euros que previa investir no sector da energia e águas entre 2014 e 2017. Isso não…

Leia mais

As tretas de João Lourenço

Em Dezembro de 2017, já como Presidente, João Lourenço disse que o país (estava a falar de Angola) ainda estava a viver os efeitos da crise, acrescentando que só não foram mais graves “porque em tempo oportuno foram tomadas medidas pertinentes para reduzir o seu impacto”. Tempo oportuno sob a égide de José Eduardo dos Santos, tendo como seu vice-presidente (no MPLA) e ministro da Defesa… João Lourenço. Na sua mensagem de Ano Novo (para 2018), João Lourenço disse que seria necessário dar “com alguma coragem e determinação novos passos…

Leia mais

Do CISP ao CIPE sem esquecer o CICP

O ministro do Interior angolano, Eugénio Laborinho, destacou hoje o aumento de 411 câmaras de videovigilância no Centro de Integrado de Segurança Pública (CISP) que, até Novembro, registou 1.085 ocorrências e alargou a sua acção para 32 esquadras. Citando o governante, assim se evitarão, presume-se, os incidente “táctico-policiais” que “lamentavelmente” em que alguns terminaram em mortes de cidadãos e polícias. Eugénio Laborinho, que discursava hoje na cerimónia de comemoração do primeiro aniversário do CISP, considerou que o aniversário da instituição deve servir de reflexão no sentido de avaliar o impacto…

Leia mais

Crédito malparado, promessas bem-paradas

A agência de notação financeira Moody’s disse hoje que a perspectiva de evolução dos bancos africanos para 2021 é negativa devido às difíceis condições operacionais, com os bancos angolanos a terem a maior percentagem de crédito malparado. “A nossa perspectiva para os bancos africanos continua negativa com o aproximar de 2021, com as difíceis condições operacionais e as fortes ligações aos países em que operam a ser as principais razões”, disse o vice-presidente da agência, Constantinos Kypreos, na nota que acompanha a divulgação do relatório. De acordo com o documento,…

Leia mais