BRINCAR À CPLP COM A BARRIGA (SEMPRE) CHEIA

Os Estados-membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) vão adoptar uma resolução sobre a criação de uma plataforma para a promoção da pesca sustentável e combate à pesca ilegal, não declarada e não regulamentada. Pena é que não criem uma plataforma para acabar com a forme e com a pobreza. Angola, é claro, não necessita e se calhar é por isso mesmo. Só temos 20 milhões de pobres… A medida foi anunciada pela secretária de Estado das Pescas de Angola, Esperança Costa, no âmbito de uma reunião com…

Leia mais

1,6 MILHÕES PASSAM FOME… RELATIVA (É CLARO!)

Quase 1,6 milhões de pessoas no sul de Angola sofreram insegurança alimentar grave (eufemismo que significa fome) em 2021 devido à seca, a pior em 40 anos, revela hoje um relatório que prevê em 2022 o terceiro ano consecutivo de colheitas reduzidas. De acordo com o relatório, publicado anualmente pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), o Programa Alimentar Mundial (PAM) e a União Europeia, no ano passado, 193 milhões de pessoas em 53 países estavam em situação de insegurança alimentar aguda, ou seja, precisavam…

Leia mais

ALIVIAR A SEDE E A FOME

No Sul de Angola, região assolada por secas cíclicas e cada vez mais severas e, igualmente, vítima da incompetência governativa, milhares de pessoas enfrentam graves situações de desnutrição que as escolas de campo (ECA) tentam aliviar, introduzindo melhorias na produção agrícola. A ECA Twepwila, fundada em 2021 e apoiada pelo programa Fortalecimento da Resiliência e Segurança Alimentar e Nutricional em Angola (FRESAN), é uma delas. Ali trabalham 25 mulheres da aldeia de Tchiango e aprendem como mitigar a fome, recorrendo a técnicas agrícolas pouco sofisticadas e de fácil aplicação que…

Leia mais

SILÊNCIO COBARDE PERANTE INJUSTIÇAS SOCIAIS

O bispo de Cabinda, Belmiro Chissengueti, critica o silêncio “cobarde” de quem se cala perante situações sociais degradantes e nega que exista um ambiente de crispação entre a Igreja Católica e o executivo angolano, afirmando que o diálogo é “permanente”. Belmiro Chissengueti, que falava à Lusa em Cabinda, após a visita do presidente angolano à província, rejeitou a existência de reacções negativas por parte de membros do executivo às suas mensagens, frisando que os bispos defendem a pátria. Pátria que, segundo o regime, é sinónimo de MPLA. E quando isso…

Leia mais

“CAÇADORES DE ÓBITOS” PARA MATAR A… FOME

A fome e o desemprego (que, segundo João Lourenço, são “relativos”) estão a transformar alguns moradores de Luanda em “caçadores de óbitos”, cuja missão é estar à entrada de cemitérios e seguir familiares de falecidos até à residência onde são celebradas as cerimónias para aí se alimentarem. Guilherme Augusto Dias é um desses casos. Há três meses que anda a “caçar óbitos” na capital angolana, uma estratégia que passa por acompanhar cerimónias fúnebres de estranhos e depois comer na refeição oferecida pela família. O desempregado de 40 anos explica que…

Leia mais

POBREZA PODE SER PATRIMÓNIO IMATERIAL

A propósito do nosso património, em sentido lato, não poderá o governo do MPLA candidatar os nossos 20 milhões de pobres, bem como a estratégia de ensinar os angolanos a viver sem… comer e, ainda, num reino em que a fome é “relativa”, a património imaterial da humanidade? Numa nota de imprensa, por ocasião do Dia Internacional dos Monumentos e Sítios, que hoje se assinala, o ministro da Cultura, Turismo e Ambiente, Filipe Zau, refere que a “UNESCO, é a principal organização responsável pela salvaguarda da herança cultural e natural…

Leia mais

46 ANOS DE ESCRAVIDÃO, 20 A VIVER SEM… COMER

Organizações de defesa dos direitos humanos defendem que Angola (há 46 anos governada pelo mesmo partido, o MPLA) registou alguns progressos desde que alcançou a paz, há 20 anos, mas alertam que há “muito caminho para andar”, porque a pobreza “é avassaladora” e a violência policial “inaceitável”. Alguns. É verdade. 20 milhões de pobres são o melhor exemplo… O Governo do MPLA e a UNITA assinaram em 4 de Abril de 2002 um acordo de paz que pôs fim a 27 anos de guerra. Vinte anos depois, o director-executivo da…

Leia mais

GRAVES VIOLAÇÕES DOS DIREITOS HUMANOS

As forças de segurança angolanas cometeram graves violações dos direitos humanos, incluindo dezenas de execuções ilegais, com recurso à força excessiva e desnecessária. Não. Desta vez quem o diz não é o Folha 8. É o relatório da Amnistia Internacional (AI) 2021-2022, que acrescenta que a “a polícia violou os direitos à liberdade de expressão e manifestantes pacíficos enfrentaram prisões e detenções arbitrárias”. Tudo normal, portanto. Crise económica e social e violações de direitos humanos alimentaram o “aumento de protestos em todo o país”, enquanto “as forças de segurança intensificaram…

Leia mais

ASSASSINOS, ASSASSINOS, ASSASSINOS

O país está sem norte: Miséria e derrame em Cabinda de crude. O Executivo esconde e protege o infractor que assassina o trabalho dos pescadores e os peixes no mar. Por William Tonet O Sul está em chamas: Fome e seca! As vacas pararam de produzir leite para o Maine e o Executivo masoquistamente abre champanhe, a cada mais de 110 mortes/dia. Padre Pio, outros padres, mas o bispo, são impotentes ante o pouco que doam, diante de tanta ferocidade e insensibilidade do executivo e, também, da natureza, ainda assim…

Leia mais

VAMOS LÁ APRENDER A VIVER SEM… COMER!

A pobreza acompanhará os angolanos durante muito tempo, “com perdas sociais anexadas relevantes e inviabilizadoras do vencimento do seu ciclo vicioso”, conclui o Relatório Social de Angola da Universidade Católica angolana. Nada de novo. Só assim o mesmo partido, o MPLA, consegue estar no Poder há… 46 anos. O documento do Centro de Estudos e Investigação Científica (CEIC) da Universidade Católica de Angola, referente a 2019/2020, lançado recentemente, refere que não será apenas na criação de novos postos líquidos de trabalho que se encontrarão vias de ultrapassar a pobreza, “que…

Leia mais