Quando as crianças são aval para o fiado

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) vai entregar 10 mil caixas com produtos de nutrição pata apoiar mais de 7 mil crianças em Luanda e minimizar o impacto da Covid-19. Quando um país rico só consegue gerar ricos e não riqueza… nem vergonha na chipala tem. Segundo um comunicado da organização das Nações Unidas, as caixas incluem produtos como leite terapêutico, medidores de perímetro branquial, balanças, máscaras cirúrgicas e desparasitantes e foram agora distribuídos no Hospital Municipal dos Cajueiros, no Cazenga. O objectivo é apoiar as acções…

Leia mais

Como de pão para a boca…

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e o Ministério das Finanças de Angola assinaram um memorando de entendimento para alavancar o conhecimento das comunidades e sociedade civil em matéria do Orçamento Geral do Estado (OGE). Bem visto. Era mesmo disso que os nossos 20 milhões de pobres precisavam… como de pão para a boca! O memorando de entendimento visa promover plataformas de diálogo em sede do OGE, com a elaboração de eventos de debates e de carácter pedagógico, bem como a elaboração de estudos e análises que…

Leia mais

Seca enche o prato vazio
de 2,3 milhões de pessoas

A situação humanitária em Angola continua a deteriorar-se em resultado do agravamento da seca, afectando agora 2,3 milhões de pessoas, incluindo mais de 491.000 crianças menores de 5 anos, segundo a UNICEF. Enquanto isso, o Presidente João Lourenço continua a bater recordes. Dar a volta ao mundo em 730 dias é obra! A escassez de chuva em todo o sul de Angola deixou entre 70 e 80 por cento da população da Huíla e do Cunene em situação de “insegurança alimentar” e com o “estado nutricional comprometido”, segundo o relatório…

Leia mais

Uma grávida ou um bebé morre a cada 11 segundos

Portugal continua a ter das mais baixas taxas de mortalidade de crianças até aos cinco anos, com três mortes em cada mil nascimentos em 2017, contra 12 em 1990. Angola reduziu a mortalidade infantil a um ritmo anual de 3,8% (passando de 126 mil mortes em 1990 para 94 mil em 2018) e a Guiné-Bissau 3,6% (com uma redução de 10 mil para 5 mil mortes durante este período), segundo estimativas da OMS e da UNICEF hoje divulgadas. Os dados fazem parte das novas estimativas para a mortalidade infantil e…

Leia mais

80 mil crianças expulsas
de Angola estão em risco

Oitenta mil crianças estão em risco no sul da República Democrática do Congo. O alerta é feito pela UNICEF. As crianças fazem parte do grupo de congoleses repatriados por Angola, na sequência da estratégia do Governo de João Lourenço para, supostamente, pôr em ordem e na ordem a indústria de exploração de diamantes. As Nações Unidas já denunciaram abusos, muitos considerados graves, na forma como os repatriamentos massivos têm ocorrido com actos de violência sobre mais de 300 mil pessoas, muitas das quais até tiveram direito a participar nas eleições…

Leia mais

Como Angola é país pobre,
a Unicef vai dar uma ajuda

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) precisa de quase 12 milhões de euros para apoiar as populações no sul de Angola, onde mais de 700 pessoas estão sem acesso a água potável, devido à seca prolongada. Ainda bem que a Unicef sabe que Angola é um país pobre (é isso não é, presidente João Lourenço?) e que sem essa ajuda externa não será possível salvar muitos dos nossos cidadãos. Aliás, ainda hoje se ficou a saber que o Governo angolano prevê gastar este ano 19.500 milhões de…

Leia mais

Falhanço social (também) é
um crime crónico há 42 anos

A crise angolana fez com que o Governo só tenha conseguido cobrir 43% das 15 mil famílias vulneráveis a que se propôs ajudar. O governo angolano ajudou 6.500 famílias. Para um universo de 20 milhões de pobres, comprova-se que o regime do MPLA pouco mais consegue, estando mo Poder há 42 anos, de que arranjar desculpas para uma crónica e criminosa miopia que não permite ver mais do que o próprio umbigo. As conclusões constam do relatório da Assistência e Reinserção Social em Angola, divulgado pelo Instituto Nacional de Estatística…

Leia mais

Os nossos pobres poderão
ser refugiados do Congo?

Sindika Dokolo, empresário, coleccionador, multimilionário, genro de sua majestade o rei de Angola, medalha de honra da cidade do Porto (Portugal) – entre uma infinidade de outras coisas correlativas – anunciou a entrega de 200 toneladas de arroz, óleo e farinha aos refugiados da República Democrática do Congo que fugiram para o leste de Angola. Quanto aos 20 milhões de angolanos pobres… que esperem. A doação foi feita através da Fundação Sindika Dokolo, que o empresário de nacionalidade congolesa criou em Luanda, destinada à recuperação e preservação da arte africana…

Leia mais

Apelo humanitário da FLEC

Assinado por Osvaldo Franque Buela, Chefe do Gabinete da Presidência da organização, a FLEC dirigiu a diversas organizações internacionais, nomeadamente Médicos sem Fronteiras, Médicos do Mundo, Cruz Vermelha e UNICEF , um apelo de solidariedade para o Hospital de Cabinda. Eis o comunicado enviado pela FLEC à Redacção do Folha 8 na Europa: “Depois de muitos sinais de alarme que recebemos todos os dias por parte dos médicos, enfermeiros e pacientes, tomámos o compromisso de lançar este apelo de solidariedade humanitária junto da comunidade nacional internacional para chamar a atenção…

Leia mais

PAM fala de 2,4 milhões de angolanos carenciados

A ONU pretende estabelecer uma relação de parceria entre os doadores internacionais e o Executivo de Luanda no combate à crise humanitária em Angola, afirmou hoje em Joanesburgo o director executivo do Programa Alimentar Mundial (PAM). “A credito que a comunidade doadora será muito mais generosa se souber que o Governo está não só empenhado como envolvido na tomada de passos concretos”, referiu James Morris. Segundo o jornal Público, o director executivo do PAM chega amanhã para Luanda, para uma visita de três dias, em que tem previstos encontros com…

Leia mais