“Perseguição pessoal”, diz Mangueira

Augusto Archer Mangueira, ex-ministro das Finanças de Angola e actual governador do Namibe, diz que as acusações de corrupção pelo fisco espanhol configuram uma “perseguição pessoal” que diz estar a acontecer desde que foi ministro das Finanças de Angola. Obviamente (ao contrário do que é regra no MPLA) que o visado está inocente até prova em contrário. “Tenho muita dificuldade em olhar para a repercussão que é dada aos alegados factos noticiados de outro modo que não seja como fazendo parte de perseguição pessoal, desde que fui investido nas funções…

Leia mais

Marimbondos, caranguejos e outros (todos do MPLA)

O antigo ministro das Finanças, Archer Mangueira, e o vice-ministro do Comércio, Manuel da Cruz Neto, de Angola receberam subornos para permitir a construção de um mercado de abastecimento em Luanda, segundo a Justiça espanhola, noticia hoje o jornal El Mundo. De acordo com o jornal, que dedica uma página da sua edição impressa ao assunto, com o título “Uma folha encontrada em Lisboa em 2014 é prova-chave de subornos a Angola”, a Justiça espanhola concluiu que o antigo vice-ministro do Comércio Manuel da Cruz Neto, o então director nacional…

Leia mais

Do MPLA de Trump ao Trump do MPLA

O Presidente da República de Angola, João Lourenço, disse hoje, numa mensagem escrita de felicitações pelo dia da independência dos EUA, 4 de Julho, enviada ao seu homólogo norte-americano, que os dois países estão no “caminho certo” para “importantes realizações conjuntas”. João Lourenço, endereçou uma mensagem de felicitações ao Presidente dos Estados Unidos da América, Joe Biden, por ocasião do dia da independência daquele país, que se celebra a 4 de Julho, enaltecendo os esforços feitos pelos dois países no sentido do “estreitamento contínuo” das suas relações. “Os nossos dois…

Leia mais

Ser almeida não é desonra

O Governo angolano considerou hoje que o projecto “Simplifica 1.0”, que visa simplificar e desburocratizar serviços públicos, “é também um instrumento ao serviço do combate à corrupção” na administração pública, reconhecendo que o excesso de burocracia gera corrupção. Terá sido graças ao ”Complica 1.0” que a Casa de Segurança mostrou que João Lourenço é especialista em confundir gira fã com a… girafa? Para Adão de Almeida, ministro de Estado e chefe da Casa Civil do Presidente da República, uma espécie de Carolina Cerqueira que repete o que lhe mandam com…

Leia mais

Olé, olá, Carolina!

A ministra de Estado para todas as áreas (pequenas e grandes), Carolina Cerqueira, destacou hoje a necessidade de uma maior representatividade africana na Bienal de Luanda-Fórum Pan-Africano para a Cultura de Paz, a ter lugar, na capital angolana, em Outubro. A ministra, que falava na primeira reunião da Comissão Multisectorial da Bienal de Luanda, para constituir um espaço de reafirmação do compromisso para com a conquista e manutenção da paz e dos seus ideais, é necessária uma advocacia forte para trazer ao país o maior número de personalidades africanas. Carolina…

Leia mais

Ladrão que rouba ladrão…

Vinte e quatro militares afectos à Casa de Segurança do Presidente da República de Angola, João Lourenço, incluindo o major Pedro Lussaty, estão impedidos de sair do país por determinação da Procuradoria-Geral da Republica. Para o MPLA, assistir aos roubos e beneficiar dos roubos não faz de ninguém ladrão. Ladrão mesmo é só aquele rouba uma galinha para alimentar os filhos. Entre os 24 nomes, que constam da interdição de saída enviada a todos os órgãos provinciais do Serviço de Migração e Fronteiras (SME), incluem-se ainda um tenente general das…

Leia mais

UA exalta luta contra a corrupção em Angola

A Comissão do Direito Internacional da União Africana (AUCIL) felicitou os esforços que o Governo angolano empreende na luta contra a corrupção e pela consolidação da democracia constitucional no país. Terão levado em conta apenas a opinião do general Pedro Sebastião, que liderava a Casa de Segurança do Presidente João Lourenço? Reunido na 19ª sessão ordinária, a Comissão do Direito Internacional da União Africana adoptou a Convenção Contra a Escravatura Contemporânea (para melhor entendimento ver o que se passa da re(i)pública do MPLA), da autoria do professor angolano e embaixador…

Leia mais

Seis por… meia dúzia na orgia do MPLA

A secretária de Estado para o Orçamento e Investimento Público, Aia-Eza da Silva, acaba de descobrir (pela terceira ou quarta vez) a pólvora e – é claro – de registar a respectiva patente. Diz ela que o combate à corrupção, ao desprestígio e à ineficiência da Administração Pública deve ser adoptado como premissa para a elaboração do Orçamento Geral do Estado (OGE) de 2022 e do Quadro de Despesa de Médio Prazo (QDMP) de 2023 a 2025, dois documentos em preparação no Ministério das Finanças. A declaração foi proferida por…

Leia mais

Problema não são os “Lussaty”, mas a idolatria da ditadura

O regime já não tem voltas a dar. Corroeu, gangrenou e a sobrevivência só é possível, com o recurso ao bico das baionetas, das balas assassinas e das bombas dos canhões, que também tem os dias contados, pois os “disparadores”, tratados como carne para canhão e muitos pós desmobilização, têm como reforma, vegetar nos contentores de lixo, para sobreviver, começam a ganhar consciência de serem usados como meros assassinos, para defender um regime e casta, que não lhes tem respeito e consideração, pois usam-nos apenas em proveito umbilical, para continuarem…

Leia mais

“Operação Caranguejo”. É preciso morder a pata…

Quatro anos depois do famoso slogan “corrigir o que está mal”, as paredes da Casa de Segurança da Presidência da República foram sacudidas pela pandemia da “Operação Caranguejo” que culminou na detenção do Major Pedro Lussaty e a apreensão de milhões de dólares, euros, kwanzas, carros de luxo e outros bens. O caso acabou por trazer à tona a fragilidade da luta contra a corrupção em Angola, marcada pelo icebergue de esquemas fraudulentos. Por José Marcos Mavungo (*) Mal o Major Pedro Lussaty, da Casa de Segurança do Presidente da…

Leia mais