A força dos execut(ivo)s rosa

Bem dizia Eça de Queiroz, provavelmente antecipando a pequenez intelectual dos políticos lusófonos, que “os políticos e as fraldas devem ser mudados frequentemente e pela mesma razão”. Já com os juízes o roseiral é outro… Por Orlando Castro Por outro lado, Guerra Junqueiro afirmou: “Um povo imbecilizado e resignado, humilde e macambúzio, fatalista e sonâmbulo, burro de carga, besta de nora, aguentando pauladas, sacos de vergonhas, feixes de misérias, sem uma rebelião, um mostrar de dentes, a energia dum coice, pois que nem já com as orelhas é capaz de…

Leia mais

Quadrilheiros e outros mafiosos

O jornalista Carlos Alberto diz que Celso Malavoloneke foi agente duplo, explicando que na época da guerra, quando Malavoloneke trabalhava para ONU, foi agente duplo ao serviço do MPLA e também da UNITA. O ex-Secretário de Estado da Comunicação Social diz que o vai processar. Por Orlando Castro O Jornal de Angola, órgão oficial do MPLA, correia de transmissão do regime, atacou violentamente nos dias 18 e 19 de Novembro de… 2014, todos aqueles, nomeadamente portugueses, que não se curvavam perante o sumo pontífice do regime, o então “escolhido de…

Leia mais

Celso, o injustiçado!

Quando era secretário de Estado da Comunicação Social, Celso Malavoloneke, aconselhou as instituições públicas e privadas a criarem gabinete de comunicação de crise para dar resposta a acontecimentos súbitos, imprevisíveis e negativos que as possam atingir. Se calhar criar também gabinetes de “educação patriótica” não seria má ideia… Por Orlando Castro Celso Malavoloneke falava num fórum sobre “Harmonização da Comunicação Institucional e do Marketing no Sector dos Transportes”, referindo que as instituições ou empresas devem estar preparadas para comunicar atempadamente sobre eventuais situações que belisquem sua imagem, sob pena de…

Leia mais

Café das noites angolanas

O café acompanha-me de há muito. Foi lá longe, onde a saudade castiga mais, que aprendi a amar o sonho e a sonhar com o amor. O café, companheiro fiel, estava sempre ao meu lado. Nas noites de boémia, como despertador da vida, e nas noites de trabalho, como sintonizador da realidade. Era, como diria Sebastião Coelho,… o Café da Noite. Por Orlando Castro E de dia? Claro que também. Servia, aliás, como «desculpa» para que no Himalaia (um dos mais conhecidos bares de Nova Lisboa) a malta se encontrasse…

Leia mais

E se fossem gozar com o…?

“Finalmente” um português ficou gravemente ferido numa operação de resgate de Palma, vila sob ataque de rebeldes armados desde quarta-feira, junto aos projectos de gás natural de Cabo Delgado, norte de Moçambique. Talvez agora Portugal, a União Europeia, a ONU e a CPLP acordem e deixem de gozar à grande, neste caso, com a chipala dos moçambicanos. Por Orlando Castro (*) O ferido foi encaminhado para Pemba, capital provincial de Cabo Delgado, 250 quilómetros a sul, por via aérea, a partir do aeródromo do recinto do projecto de gás natural,…

Leia mais

Cão abandonado em Valongo

No dia 29 de Setembro (de 2020) encontrei um cão esquelético (só tinha pele e ossos), faminto, a vaguear numa rua de Koudougou no Burkina Faso. Na verdade encontrei-o na Rua Almada Negreiros, na cidade de Valongo, distrito do Porto (Portugal). Afinal, também nas terras lusas, até para ser cão é preciso ter sorte. Não foi o caso. A civilidade humana e, já agora, os direitos dos animais não fazem parte das prioridades dos detentores do poder autárquico em Valongo. Por Orlando Castro Eis o que se passou. No dia…

Leia mais

A caminho de vencer com 110% dos votos

O MPLA, no poder em Angola há 45 anos e a fazer tudo para assim continuar durante mais 55, apresentou hoje a sua mais pujante e emblemática candidatura à medalha de ouro do anedotário mundial. Pela “voz” de Hidulika Kambami (Albino Carlos, em português), a voz da porta do MPLA, afirmou que a revisão da Constituição, proposta pelo Presidente do MPLA, demonstra que João Lourenço “não está apegado ao poder”, mas sim “preocupado com o reforço e consolidação” das instituições democráticas. Por Orlando Castro Segundo a voz da porta do…

Leia mais

Presidente mente e valida mentiras da Polícia

O Presidente angolano, João Lourenço, falou hoje, pela primeira vez, sobre o massacre em Cafunfo, condenando o que sabe ser uma monumental mentira (“acto de rebelião”, como lhe chamaram os algozes da Polícia), mas garantindo também que serão responsabilizados os polícias que terão “praticado actos considerados desumanos”. Por Orlando Castro Um mês depois dos acontecimentos violentos, que, segundo a versão oficial, causaram seis mortos durante uma alegada invasão de uma esquadra, mas que testemunhas locais e organizações locais da sociedade civil (Igreja Católica incluída) e internacionais (como a Amnistia Internacional…

Leia mais

O top(ete) do Presidente

Com toda (e mais alguma) legitimidade de quem é Presidente da República apenas porque foi o cabeça-de-lista do partido mais votado, o general João Lourenço, enalteceu hoje a missão da Polícia Nacional de Angola (PNA), que cumpre o 45º aniversário (tantos quantos o MPLA tem de Poder), destacando o seu papel como garante da legalidade institucional, integridade territorial e segurança e estabilidade social. Por Orlando Castro Numa mensagem de felicitações dirigida à PNA, o general João Lourenço, também Comandante-em-Chefe das Forças Armadas (para além de ser, desde 2017, o representada…

Leia mais

Quando o Mel(r)o zurra

O texto que se segue tem dois autores. A parte a cor castanha é (+ ou -) da autoria de João Melo, o ex-tudo (inclusive ministro do MPLA/João Lourenço), que explicitamente ostraciza Marcelino da Mata (fácil depois de ele ter morrido) e endeusa (implicitamente) o seu herói dos heróis, Agostinho Neto. O que está escrito a azul é da minha responsabilidade. Por Orlando Castro «Escrevo este artigo por todas as razões, uma delas de foro particular: pertenço a uma família de africanos que esteve envolvida desde sempre, quer pelo lado…

Leia mais