SOARES, MARCELO E OS OUTROS

O dia 1 de Dezembro assinala, em Portugal, o golpe revolucionário de 1640 que acabou com o domínio da dinastia Filipina sobre Portugal, retirando o país da alçada espanhola e colocando no trono D. João IV. A este propósito, Marcelo Rebelo de Sousa lembra os ciganos que “deram a vida” pela independência nacional e lamentou a discriminação de que têm sido alvo em Portugal. Por Orlando Castro ra então, “ao lembrar tantos portugueses, de tantas origens, que se envolveram no movimento revolucionário, o Presidente da República quer lembrar também os…

Leia mais

COINCIDÊNCIAS NÃO ME CONVENCEM

O Presidente da República, João Lourenço, expressou pesar pela morte do General Abreu Muhengo Ukwachitembo ‘Kamorteiro’, lembrando que o seu nome fica “para sempre indelevelmente ligado ao fim definitivo do conflito militar em Angola”. Gostava de acreditar na sinceridade do “pesar”, mas não acredito. Por Orlando Castro general “Kamorteiro” que desempenhava actualmente o cargo de Chefe do Estado Maior General Adjunto das Forças Armadas Angolanas, e tudo indicava seria o próximo Chefe do Estado Maior General, foi um dos signatários dos Acordos de Paz para Angola, a 4 de Abril…

Leia mais

OS POLÍTICOS E AS FRALDAS

Marcelo Rebelo de Sousa, presidente de Portugal, criticou o Qatar por não respeitar os direitos humanos, mas vai legitimar – com a sua presença – o Campeonato do Mundo de Futebol que hoje começa. O Presidente da Assembleia da República, Augusto Santos Silva, vai fazer o mesmo. O primeiro-ministro, António Costa, também. Portugal, como muitos outros, não segue o conselho de Eça de Queiroz que dizia: “Os políticos e as fraldas devem ser mudados frequentemente e pela mesma razão”. Por Orlando Castro a verdade, citando Guerra Junqueiro, os portugueses são…

Leia mais

MINISTÉRIO DA LUSOFONIA PROCURA-SE!

No dia 9 de Julho de 2004, o então presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia (Portugal), Luís Filipe Menezes, defendeu a criação de um Ministério para a Lusofonia, independente do Ministério dos Negócios Estrangeiros, e a “naturalização de todos aqueles que queiram ser portugueses”. Por Orlando Castro ais tarde, agora pela mão eleitoral do PS, partido que governa Portugal, surgiu a ideia do Estatuto do Cidadão da CPLP, que na prática poderia proporcionar a livre circulação de pessoas oriundas dos países de expressão portuguesa. Embora o primeiro…

Leia mais

AINDA SE LEMBRAM DE CARLOS CARDOSO?

Passa dentro de dias mais um aniversário da morte de Carlos Cardoso. Foi assassinado, em Moçambique, porque como Jornalista fazia uma séria investigação à corrupção que rodeava o programa de privatizações apoiado pelo Fundo Monetário Internacional. Por Orlando Castro Escrevo antes do dia da sua morte para dar tempo, se é que alguém se importa com isso, aos donos da verdade que imperam na imprensa lusófona para não dizerem que ninguém os lembrou… Para Mia Couto, «não foi apenas Carlos Cardoso que morreu. Não mataram somente um Jornalista moçambicano. Foi…

Leia mais

(DES)ENCANTOS JORNALÍSTICOS

Hoje, no duaslinhas.pt, o Jornalista Carlos Narciso apresenta-nos um excelente trabalho – dos muitos que fez – em Timor-Leste e que data do tempo em que havia Jornalistas. Hoje, diz-nos que há, pelo menos, 825 cidadãos timorenses a viver em Portugal, sem casa, sem trabalho, vítimas de exploração e de toda a sorte de abusos. Por Orlando Castro Em Abril de 2012, um jornalista francês tinha desaparecido no sul da Colômbia, na sequência de um ataque da guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) contra o exército. Os jornais…

Leia mais

RACISMO É RACISMO, SEJA PORTUGUÊS OU ANGOLANO

A activista social angolana e promotora da marcha contra a imposição de penteados nas escolas, Arminda Milena Ernesto, defendeu hoje que é preciso “desmistificar” o problema do uso de cabelo crespo e promete continuar a lutar contra o “racismo capilar”, culpando os colonos portugueses que já cá não estão há 47 anos. Por Orlando Castro (*) Arminda Milena Ernesto, em declarações à agência Lusa, manifestou a sua indignação sobre os regulamentos internos de algumas escolas sobre o uso de cortes de cabelo, que associou a uma imposição de valores associada…

Leia mais

OS ANGOLANOS QUISERAM E QUEREM, MAS…

“A UNITA será poder em Angola no dia em que os angolanos o quiserem. Porque a UNITA é pertença do povo angolano”. Quem terá dito isto? Poderia, creio eu, ter sido Jonas Savimbi, mas foi Anastácio Sicato em entrevista ao Notícias Lusófonas, publicada em 26 de Junho de 2006. Por Orlando Castro Anastácio Sicato acrescentava: “No nosso país, o processo de democratização é irreversível. Ora, a alternância de poder é uma característica inerente aos sistemas democráticos”. Tirando a esperança idílica de que em Angola a “democratização ser irreversível”, o que…

Leia mais

CAVIAR OU PEIXE PODRE?

Estávamos em 2011. A Comissão Parlamentar do Inquérito (CPI) sobre a intolerância política na Província do Huambo não tinha dúvidas e, é claro, nunca se enganava. Assim sendo, ficou “provado” que “não foi provada a acusação da UNITA segundo a qual teria havido alguma orientação por parte do governador, dos administradores Municipais e Comunais e das autoridades tradicionais, com o fim de promover a intolerância política”. Não. Não é engano. Foi em 2011. Hoje estamos em 2022. Por Orlando Castro A democracia é isso mesmo. A referida CPI, presidida pelo…

Leia mais

NÃO BASTA TER UM PIANO PARA SER MÚSICO

Ao tentar compreender, a partir do exemplo da Presidente do Tribunal Constitucional ou do procurador-geral de Angola, as razões pelas quais os nossos magistrados (também) têm o cérebro ligado aos intestinos do presidente do MPLA, esbarrei no texto que se segue e que publiquei em 2011. Qualquer semelhança com o que se passa, 11 anos depois, em Angola é, ou não, mera coincidência. Por Orlando Castro Em 2011, o procurador-geral da República de Portugal, Pinto Monteiro, afirmou que o copianço de futuros magistrados num teste é “eticamente censurável, lamentável e…

Leia mais