Cegos e desdentados mas… condecorados

As associações angolanas de defesa dos direitos humanos Handeka e Mosaiko – Instituto para a Cidadania repudiam a “excessiva carga policial” numa manifestação em Luanda, no sábado, apontando um “recuo no exercício das liberdades fundamentais”. Em síntese, dirá com certeza a governadora de Luanda, Joana Lina, para que é que os escravos do MPLA precisam de liberdades? Por Orlando Castro (*) “Q ueremos mostrar o nosso veemente repúdio pela forma como se mostrou um recuo ao exercício das liberdades fundamentais, um recuo na prática de repressão de tempos não muito…

Leia mais

Não sou caracol! Não “combato” a individualidade

PONTO PRÉVIO: “Entre o Carlos Alberto (a atacar o líder da UNITA/ACJ) e o William Tonet (a fazer o mesmo com JLo/MPLA), resta apurar quem é que está a desgastar mais a imagem da liderança atacada na praça pública pelos dois comunicadores. A disputa está aberta. Que vença o melhor. É a natureza a tentar reequilibrar-se. Eu se fosse o ACJ nem me queixava mais. O WT parece estar claramente na dianteira (By Reginaldo Silva). Por William Tonet A amizade é um conceito sagrado, de tal monta que um verdadeiro…

Leia mais

Joana alinha

Estão totalmente enganadas as pessoas que pensavam que para ser nomeada, ou nomeado, governadora ou governador de Luanda seria necessário ser um pessoa inteligente, intelectualmente honesta, competente e com uma boa formação cultural, na gestão de recursos humanos e em relações públicas. Um dos exemplos mais paradigmáticos das caricaturas macabras que foram nomeadas para desempenhar o cargo de sipaia na governação de Luanda é a actual governadora, Joana Lina. Por Domingos Kambunji Ela só demonstra que para ser nomeado para esse cargo de chefia não é necessário ter capacidade de…

Leia mais

Surdos, mudos, cegos e… mortos

O presidente do Sindicato dos Jornalistas de Angola, Teixeira Cândido, lamentou a actuação da polícia durante a manifestação de sábado em Luanda e informou que foram detidos seis jornalistas, um dos quais agredido pela polícia. Em rigor… nada de novo no reino. Em declarações à Lusa, Teixeira Cândido repudiou os acontecimentos e afirmou que foram detidos três jornalistas da Radio Essencial, bem como o seu motorista, dois da TV Zimbo (um repórter e um operador de câmara) e um fotógrafo da agência de notícias francesa AFP. Segundo Teixeira Cândido, a…

Leia mais

“Ise okufa, etombo livala”

O deputado da UNITA Nelito Ekuikui foi hoje agredido pela Polícia do MPLA (e não angolana), numa manifestação em Luanda. “Disseram que a manifestação não podia ocorrer porque viola o decreto presidencial [que actualiza a situação de calamidade pública e entrou em vigor este sábado], mas estão a violar a Constituição”, afirmou o deputado. “C laramente, este decreto foi forjado para impedir a manifestação”, acusou Nelito Ekuikui, criticando a presença das forças armadas nas ruas de Luanda e aconselhando o Governo a recorrer ao diálogo porque os protestos “não vão…

Leia mais

Porrada se refilarmos!

A liberdade de expressão global está “em declínio”, encontrando-se no nível mais baixo numa década, alerta o Article 19, que avalia o estado actual deste direito no mundo, que coloca Portugal em 11.º lugar no ranking e Angola no 104.º lugar. Esta informação consta no relatório “The Global Expression Report 2019/2020: The state of freedom of expression around the world”, divulgado pela organização internacional Article 19, numa análise a 25 indicadores em 161 países para elaborar um marcador geral com que pontua a liberdade de expressão numa escala de 1…

Leia mais

Nanismo estadístico

O Presidente da República enalteceu o facto de Angola subir 15 pontos, em três anos, no ranking da liberdade de imprensa, como refere a organização Repórteres Sem Fronteiras. É obra. E com a Palanca TV e TV Zimbo a dar uma ajuda, vamos subir, em breve, aí uns 100 lugares. O Folha 8 dá o seu contributo repescando a promessa de João Lourenço de passar a divulgar, até 2020 (terá sido 2050?), o património dos titulares de cargos públicos. Também poderíamos voltar a falar do facto de em Angola (país…

Leia mais

A pólvora seca de Paulo Julião

Paulo Julião, coordenador da Comissão de Gestão da Zimbo, nega qualquer acto de censura em declarações ao jornal português Observador, referindo que se tratou de um acto de “soberania editorial“. Pum! E siga a orgia do MPLA. Paulo Julião explica o inexplicável: “O jornalista queria apresentar o caso de uma forma diferente daquela que estava a ser difundida pelos órgãos de comunicação social e que não era favorável à imagem da Zimbo“. Ou seja, era “uma abordagem pouco jornalística e isenta” que, segundo Paulo Julião, até “podia parecer” favorável a…

Leia mais

Ditadura na Imprensa banha os três anos

A liberdade de expressão está em cheque. A liberdade de imprensa caminha velozmente para o precipício. O cenário actual é dramático, quando se esperava uma inversão, principalmente depois do Presidente da República ter idolatrado maior liberdade e pluralidade de informação, com a redução de meios de comunicação social, da esfera privada, mais jornalistas desempregados e, pasme-se, unanimismo informativo. TV Zimbo, TV Palanca, O País, Expansão, Rádio Mais, Rádio Global, agora convertidos à idolatria do DDT (Dono Disto Tudo). Por William Tonet Daí ser hora de se perguntar: Que liberdade de…

Leia mais

Só mudou a cor do privilegiado

Jonuel Gonçalves, economista e professor angolano afirma que as elites africanas se têm aproveitado dos discursos identitários para manter a estrutura desigualitária das políticas coloniais, com consequências no desenvolvimento e no agravar das desigualdades no continente. “As elites africanas traíram os seus povos e, com base em discursos identitários, mantêm a política colonial“, agravando as desigualdades entre as suas populações, disse Jonuel Gonçalves à agência Lusa, a propósito do lançamento do seu livro “África no Mundo — Livre das Imposturas Identitárias”, que agora chega às livrarias em Portugal, numa publicação…

Leia mais