Por que devo continuar a viver em Angola?

Já me ocorreu – especialmente pouco depois que fui libertado da cadeia – a ideia de pegar na família e instalar-me num país do Ocidente, sim, abandonar Angola e não querer mais ouvir falar deste país onde nasci há quase 35 anos. Por Nuno Álvaro Dala Na verdade, a referida ideia continua a ocorrer-me, e tem sido assim especialmente nos últimos 3 anos. Não apenas por causa do Processo em si. Têm concorrido para tal ideia, as complicações imensas relacionadas com os tremendos danos, provocados pelo Estado, que jamais serão…

Leia mais

“Game” (no MPLA) está violento e arrasta o país

O Presidente João Manuel Lourenço assumiu a Presidência da República, em Setembro de 2017 e a liderança do MPLA em Setembro de 2018. Um ano de letargia funcional, a separar as duas datas, destaparam a lógica do paradigma partidocrata, instituído de não se poder desempenhar as altas funções no Estado, sem as do partido no poder. Por William Tonet O país ficou parado. Perdeu. Mas João Lourenço movimentando-se, na calada, do submundo ideológico, foi removendo entulhos, derrotando o maior: a bicefalia. Ganhou. A tese de partilha de poder, de independência…

Leia mais

Partido único? Não.
Único partido? Sim.

Embora o discurso de hoje de João Lourenço, na Assembleia Nacional, não tenha sido sobre o estado da Nação mas, antes, sobre a Nação do Estado/MPLA, bem como para chinês (entre outros credores) ver, o Presidente da República conseguiu com extrema facilidade, no contexto da opinião pública, atirar os outros partidos (falar de oposição é um manifesto exagero) ao tapete. Não que a UNITA e a CASA-CE não tenham dito algumas verdades que, contudo, foram ofuscadas pelo idolatria de alguma comunicação social (sobretudo estrangeira) em relação a João Lourenço, bem…

Leia mais

Não fossem as doenças
e a saúde até seria… boa

A ministra da Saúde, Sílvia Lutucuta, reconheceu hoje em Luanda, as debilidades do sector em termos de carência de recursos humanos especializados, mas perspectivou melhorias a médio e longo prazo. O que têm andado a (não) fazer todos os ministros da Saúde (do MPLA), para além de diagnosticar que os angolanos ficam doentes por causa das… doenças? “C omo em todas as outras áreas do sector, a de oftalmologia carece de recursos humanos especializados, dada grande probabilidade que a população angolana tem, em contrair doenças oftalmológicas”, afirmou Sílvia Lutucuta, no…

Leia mais

Há mais Angola para além
de Luanda. Uau! Quem diria?

O ministro dos Recursos Minerais e Petróleos de Angola, Diamantino de Azevedo, orientou hoje o Instituto Regulador dos Derivados de Petróleos (IRDP) a identificar as áreas do país que não possuem postos de abastecimento de combustíveis, para a sua rápida instalação. Afinal, 43 anos depois da independência, o MPLA criou um novo instituto que irá concluir que também existe país para lá dos grandes centros populacionais. Diamantino de Azevedo, que intervinha no acto de posse do corpo directivo do IRDP, realçou que Angola está num processo de contínua liberalização do…

Leia mais

Aqui quem manda é ele

O líder do MPLA, José Eduardo dos Santos, quer ver corrigido o favorecimento da escolha de quadros do partido e a necessidade de posterior colocação, quando não são reconduzidos, que recorda arrastar-se desde “o tempo do partido único” em Angola. Quem diria? Mas o “escolhido de Deus”, “querido líder” e (entre muitos outros eméritos qualificativos) “arquitecto da paz” lá sabe. José Eduardo dos Santos discursava hoje na abertura de uma reunião do secretariado do Bureau Político (BP) do MPLA, realizada em Luanda, em que participaram os primeiros secretários provinciais do…

Leia mais

O MPLA, o Governo e o país
são entidades diferentes?

A Economist Intelligence Unit (EIU) considerou hoje que a revisão do sector petrolífero em Angola é uma boa iniciativa e salientou que um falhanço nesta reforma seria “negligente”, devido à importância do sector na economia do país. “Um falhanço na tentativa de instigar uma reforma significativa e duradoura dentro do sector petrolífero seria negligente porque o petróleo continua a ser a maior fonte de receitas para o Governo”, escreveram os peritos da unidade de análise económica da revista britânica The Economist. Bem dito. “A maior fonte de receitas para o…

Leia mais

Protesto total da UNITA
– Será (mesmo) para valer?

A UNITA convocou para sábado, 3 de Junho, uma manifestação nacional para exigir que a Comissão Nacional Eleitoral (CNE) de Angola inicie novo processo contratual das empresas para prestar apoio tecnológico às eleições gerais de Agosto. Segundo o líder da bancada parlamentar da UNITA, Adalberto da Costa Júnior, foram hoje enviadas cartas a dar conhecimento da acção ao Governo da Província de Luanda, ao ministro do Interior e ao Comandante-Geral da Polícia Nacional. “Convido todo o país, de Cabinda ao Cunene, do Lobito ao Luau a iniciar esta semana, e…

Leia mais

Luanda tem mais encanto
na megalomania do MPLA

O Presidente angolano, no poder há 38 anos sem nunca ter sido nominalmente eleito, autorizou a emissão de 379 milhões de dólares em dívida pública, a reembolsar em sete anos, para pagar o resgate ordenado pelo Governo, do projecto de requalificação e reordenamento da marginal da baía de Luanda. Segundo autorização de José Eduardo dos Santos, de final de Abril, essa emissão, equivalente à taxa de câmbio actual a 348,5 milhões de euros, será feita em moeda estrangeira (dólares), para pagar à sociedade Baía de Luanda a “reversão ao Estado…

Leia mais

Uma (outra) Bandeira
para uma (nova) Nação

O MPLA, como dono disto tudo há 42 anos, aprovou sozinho os símbolos nacionais e quer continuar a utilizar esses símbolos como se Angola fosse o seu reino unipessoal, como se fôssemos todos escravos e matumbos. Escravos até vamos sendo. Matumbos é que não. Por Orlando Castro O regime quer que a bandeira nacional seja a bandeira de um só partido, o MPLA. Quer que a ideologia de Angola seja simbolizada pelos símbolos e chavões que mais lhe convém, sejam marxistas-leninistas, socialistas ou capitalistas. Quer, em teoria, que a classe…

Leia mais