O tempo está a acabar

A consultora Verisk Maplecroft considera que os países produtores de petróleo, entre os quais elenca Angola e Guiné Equatorial, arriscam-se a enfrentar uma forte instabilidade social devido à quebra de receitas desencadeada pela transição energética. “Com a transição energética a acelerar, e a Covid-19 a eliminar qualquer recuperação petrolífera feita nos últimos anos, o tempo está a acabar para um conjunto de países que não conseguiram diversificar as suas economias para além da exportação de combustíveis fósseis”, lê-se num relatório sobre a transição energética. Argélia, Iraque e Nigéria “estão entre…

Leia mais

Majestático crude(líssimo)

A consultora Fitch Solutions considera que a produção de petróleo em Angola pode cair quase 20% até final da década, para 1 milhão de barris diários, se não forem feitos novos investimentos no sector petrolífero. É claro que esta análise não passou pelo crivo prévio do Bureau Político do partido de João Lourenço, como mandam as regras de qualquer democracia séria, dirá o MPLA. “Antevemos que a produção de petróleo em Angola decline a longo prazo, com a produção de petróleo, gás natural liquefeito e outros líquidos a contrair-se, em…

Leia mais

Dívida pública. 2017 – 58%, 2020 – 118%

A agência de notação financeira Standard & Poor’s (S&P) reviu em baixa a estimativa de crescimento económico para Angola, antecipando agora uma expansão de 0,3%, e antevê a dívida pública nos 112% do Produto Interno Bruto. Um terço de toda a receita fiscal serve para pagar apenas os juros da dívida pública. Não estará na altura de João Lourenço mandar o comandante da (sua) Polícia, Paulo de Almeida, disparar um míssil intercontinental contra estas aves agoirentas? “Estimamos que o PIB de Angola se tenha contraído 4% em 2020, reflectindo um…

Leia mais

Tempestade na Lunda corre mundo

A consultora NKC African Economics considerou hoje que as recentes manifestações e os confrontos mortais em Angola mostram que o descontentamento popular deverá continuar, oferecendo um terreno fértil para a oposição capitalizar a insatisfação dos eleitores. “Não é claro se os eventos em Cafunfo vão levar a mais instabilidade na região ou noutros sítios em Angola, mas o que é claro é que a insatisfação com o Governo de João Lourenço não mostra sinais de desvanecer, o que oferece aos partidos de oposição e aos movimentos independentistas a oportunidade para…

Leia mais

Bater no fundo ajuda a descobrir petróleo?

O departamento de estudos económicos do banco Standard considera que as reformas em Angola e o apoio do Fundo Monetário Internacional (FMI) não vão chegar para impedir que a economia continue em recessão este ano. Nada que o Folha 8 não tenha escrito várias vezes desde que o Governo aceitou a ajuda da raposa para guardar o galinheiro. “A nossa perspectiva sobre a evolução de Angola melhorou principalmente devido a uma melhor estimativa de evolução do sector externo, mas Angola não deverá escapar a uma recessão pelo sexto ano consecutivo”,…

Leia mais

Três pandemias ameaçam Angola

A Organização Não-Governamental (ONG) “Amigos de Angola” considera que o Orçamento Geral do Estado para o país este ano é negativo porque vai manter a pobreza, o desemprego e as desigualdades no território angolano. Para quem tem já 20 milhões de pobres (para uma população de cerca de 30 milhões), ter mais uns tantos não fará grande diferença, explicará com certeza o partido que governa o país há 45 anos, o MPLA. “A proposta de Orçamento para 2021 espelha um orçamento de continuidade que contribuirá para a perpetuação da pobreza…

Leia mais

O MPLA não tem culpa de só estar no Governo há… 45 anos!

Até mesmo o Fundo Monetário Internacional (FMI) piorou – contrariando as eméritas lições dos membros do Governo do MPLA – a previsão de crescimento para Angola, antecipando mesmo assim uma recuperação de 0,4%, e agravou a dívida pública para 134,2% no ano passado e para 119,9% este ano. “A dívida pública deverá aumentar de 107% do Produto Interno Bruto em 2019 para 134% em 2020; as projecções para 2020 reflectem principalmente a depreciação da taxa de câmbio e a queda dos preços do petróleo no seguimento do choque desencadeado pela…

Leia mais

Desempregados? Não. Inactivos…

A taxa de desemprego em Angola aumentou no terceiro trimestre para 34%, 1,3 pontos percentuais em relação aos três meses anteriores (32,7%) e 3,9 pontos percentuais face ao período homólogo (30,1%), contabilizou o Instituto Nacional de Estatística (INE). “O s indicadores sobre o mercado de trabalho mostram algumas evidências marcadas pelo impacto da pandemia de Covid-19”, realça a Folha de Informação Rápida do Inquérito ao Emprego em Angola datada de 31 de Outubro. A publicação indica, por exemplo, que pessoas que nos trimestres anteriores foram classificadas como desempregadas e pessoas…

Leia mais

Paguemos a ceita para a seita ficar feliz

A economia de Angola registou um crescimento negativo de 8,8% no segundo trimestre deste ano face ao período homólogo, anunciou hoje o Instituto Nacional de Estatística, atribuindo esta “desaceleração acentuada” à pandemia de Covid-19. Em bom rigor a crise deve-se a uma pandemia que, contudo, tem outro nome. Chama-se MPLA-45. “A desaceleração acentuada da actividade económica reflectiu o impacto da pandemia da Covid-19, que se fez sentir no referido trimestre”, lê-se no comunicado sobre as contas de Abril a Junho, que salienta que “a variação negativa é atribuída, fundamentalmente, às…

Leia mais

… E seja o que os credores quiserem

O Fundo Monetário Internacional (FMI) mantém a previsão de crescimento negativo para Angola em 4% e estima que no próximo ano a economia já registará um crescimento, expandindo-se 3,2%, sustentada na subida dos preços do petróleo. Quanto às economias da África subsaariana, onde se inclui Angola, não deverão recuperar os níveis de crescimento registados antes da pandemia até 2023 ou 2024. “E m Angola, a crise juntou-se às vulnerabilidades já existentes; o Produto Interno Bruto real deverá contrair-se pelo quinto ano consecutivo, caindo 4% em 2020, reflexo da descida da…

Leia mais