ANGOLA BEM PODIA APRENDER COM CABO VERDE

O Presidente de Cabo Verde, José Maria Neves, disse hoje que compreende eventuais queixas de universidades portuguesas sobre a falta de preparação de estudantes dos Países Africanos Língua Oficial Portuguesa (PALOP) pois cabe a estes fazer melhor o trabalho de casa. osé Maria Neves diz: “Percebo [que existam críticas ou queixas]. Acho que os países PALOP têm de fazer o seu trabalho de casa. Cinquenta anos após as independências não podemos continuar a ser muro de lamentação, temos é de fazer o nosso trabalho de casa”. Nem mais nem menos.…

Leia mais

HOMEM É GOVERNADOR OU MINISTRO?

O governador (escolhido e não eleito) Manuel Homem afirma com uma precisão milimétrica que a província de Luanda necessita (nem mais nem menos) de 4.898 professores para o ensino geral, para permitir a inserção de um milhão de crianças que se encontram fora do sistema de ensino. A nível nacional são cinco milhões. egundo o governador, que falava na cerimónia de juramento de 855 novos professores, a província de Luanda conta com 28.122 docentes, número insuficiente para cobrir a demanda. Para colmatar a situação, Manuel Homem fez saber que o…

Leia mais

FRANCÊS E INGLÊS EM 2025

O Ministério da Educação de Angola (Med) vai introduzir no próximo ano as disciplinas de francês e inglês, no currículo dos alunos da 5.ª e 6.ª classes, anunciou a ministra da tutela, Luísa Grilo. uísa Grilo, citada pela Rádio Nacional do MPLA diz: “Acreditamos que no próximo ano, 2025, estaremos em condições de introduzir quer a língua inglesa quer a língua francesa porque já teremos recursos humanos qualificados”. O anúncio foi feito à margem do 2.º Conselho Consultivo do Ministério da Educação que decorreu no Bié. O Med está também…

Leia mais

SERMOS BONS NÃO NOS CHEGAVA…

«Tenho o doloroso dever de comunicar aos meus amigos e familiares, a morte hoje em Luanda, do saudoso Senhor Ernesto Sasoma, o homem que me ensinou a falar a língua portuguesa, o suficiente e necessário para me poder matricular na escola 32 em 1962/3 em Nova Lisboa», escreve Lukamba Gato a propósito do falecimento do Professor Ernesto Sasoma. Por Orlando Castro uando o mais alto magistrado de Angola, general João Lourenço, diz “se haver necessidade” em vez de “se houver necessidade”, não se está a falar de uma variante angolana…

Leia mais

O ENSINO E A QUALIFICAÇÃO DA MÃO-DE-OBRA

A questão da qualificação da mão-de-obra angolana continua a ser um desafio persistente e resistente. É crucial que o Estado defina o serviço público de educação de maneira específica e ajustada aos recursos disponíveis. Por Agostinho Mateus (*) gratuitidade e a universalidade do ensino estão longe de se tornar reais; os dados oficiais indicam isso mesmo. Em 2020, cerca de 1,3 milhões de crianças estavam fora do sistema formal de ensino. No ano lectivo de 2021/2022, esse número aumentou para cerca de 2 milhões (aproximadamente 32% da população em idade…

Leia mais

PARTIDARIZAÇÃO COMPROMETE A QUALIDADE DO ENSINO

Para o pesquisador de Políticas Educacionais, Chocolate Brás, a nomeação de gestores das instituições de ensino pelos governadores provinciais e administradores municipais compromete a garantia da qualidade de ensino escolar em Angola. Por Geraldo José Letras m declarações ao Folha 8 por ocasião do Dia Internacional da Educação assinalado nesta quarta-feira, 24 de Janeiro, Chocolate Brás, alertou que enquanto “os cargos de gestores escolares continuarem a ser encarados como uma espécie de recompensa entre militantes partidários não teremos um ensino de qualidade”, por isso defende a profissionalização da gestão escolar…

Leia mais

OS OUTROS PAGAM E O MPLA PROMETE MELHOR ENSINO

Angola, ou seja o MPLA, terá acesso a 50 milhões de dólares do Banco Mundial, para melhoria do sistema de ensino e aprendizagem, no âmbito do Fundo Multiplicador da parceria Global de Educação, informou a economista da área de Educação desta instituição, Natasha Andrade Falcão. Registe-se que um em cada quatro jovens não sabe ler, nem escrever, ou seja, cerca de 4.555.618 pessoas. informação foi avançada durante a II Reunião Ordinária do Grupo Local da Educação (LEG), tendo referido que ao valor será adicionado aos 150 milhões previstos para serem…

Leia mais

 “MARIONETE MAL ENSAIADA”

O Governo angolano mantém a ambição de erradicar o analfabetismo no país, através da criação de mais salas de aula e da melhoria da habilitação profissional dos professores, reafirmou, esta sexta-feira, no município do Cazenga, em Luanda, o secretário de Estado para o Ensino Secundário, Gildo Matias José. Em Julho, a criatura afirmou que o Executivo está empenhado na formação de quadros, para impulsionar o aumento da produção agrícola. Aí está o exemplo de um analfabeto funcional que fala de tudo e não sabe nada. alando no acto central alusivo…

Leia mais

IGNORÂNCIA E ILITERACIA NÃO SÃO VARIANTES DA LÍNGUA

Quando o mais alto magistrado de Angola, general João Lourenço, diz “se haver necessidade” em vez de “se houver necessidade”, não se está a falar de uma variante angolana da língua portuguesa. Está a falar-se de ignorância e iliteracia. Por Orlando Castro uando a então ministra da Educação, Ana Paula Tuavanje Elias, fala de “compromíssio” em vez de “compromisso”, não se está a falar de uma variante angolana da língua portuguesa. Está a falar-se de ignorância e iliteracia. No dia 3 de Maio de 2022, o ministro das Relações Exteriores…

Leia mais

LOS PROFESORES CUBANOS ENSEÑAN MUY BIEN EL PORTUGUÉS

A ministra do Ensino Superior, Ciência, Tecnologia e Inovação, Maria do Rosário Bragança, destacou, esta sexta-feira, os avanços alcançados pelo sector, nos últimos 21 anos, apesar de a taxa de escolarização não ser satisfatória. Melhor, ser baixa. ministra disse que “o nosso trabalho é conseguir elevar a taxa, aproximadamente, do marco que estabelece a União Africana na sua Agenda 2063, para, nessa altura, conseguir atingir a taxa de escolarização bruta de 50 por cento”, manifestou a ministra. Todavia, destacou que a conquista da paz, em 2002, permitiu a construção de…

Leia mais