ENSINO EM EBULIÇÃO

Professores universitários angolanos retomaram hoje a greve por tempo indeterminado, suspensa há um mês, por “falta de vontade política” do Governo em solucionar as reivindicações da classe, sobretudo em relação ao aumento salarial, disse fonte sindical. Segundo o secretário-geral do Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Superior (Sinpes), Eduardo Peres Alberto, a greve interpolada em 5 de Abril para 30 dias, a retomada nesta segunda-feira acontece por falta de vontade política das autoridades. “Findo o prazo e caso o governo não desse soluções sobre o problema salarial no dia 9…

Leia mais

VISITAR OS DE ANGOLA, TRATAR-SE NOS DA EUROPA OU EUA

Os médicos angolanos suspenderam, por um mês, a greve que durava desde 21 de Março, devido à elevada mortalidade registada nos hospitais e acusam o Governo de ter iniciado “uma caça às bruxas”. Se, ao menos, os membros do Governo/MPLA tivesse de ir, quando estão doentes, aos mesmos hospitais a que recorrem os angolanos… O presidente do Sindicato Nacional dos Médicos de Angola (Sinmea), Adriano Manuel, diz que a decisão de interromper a greve, entre os dias 25 de Abril e 27 de Maio, foi tomada na assembleia-geral. “Temos vindo…

Leia mais

MÉDICOS UNIDOS PELA (NOSSA) SAÚDE

Médicos angolanos, em greve desde 21 de Março, saíram hoje às ruas de Luanda, para manifestarem a sua insatisfação devido ao posicionamento do Governo no decurso das negociações. Posição que, aliás, está no ADN do MPLA: A razão da força, custe o que custar. Em duas horas, os médicos percorrem algumas ruas da capital, até à Ordem dos Médicos de Angola, onde reiteraram o compromisso de realizarem manifestações, todos os sábados, até que as suas exigências sejam atendidas pela entidade patronal. Em declarações à Lusa, a vice-presidente do Sindicato Nacional…

Leia mais

GOVERNO RESPONDE AOS MÉDICOS COM A RAZÃO DA FORÇA

O Sindicato Nacional dos Médicos (Sinmea) angolano reiterou a manutenção da greve, que decorre desde 21 de Março, e várias manifestações para os próximos tempos, a primeira programada para sábado. À sua força da razão, o Governo responde com a razão da força. Em conferência de imprensa, a Direcção do sindicato denunciou que estão a ser alvo de ameaças do Governo pela realização da greve, que reivindica melhores condições de trabalho e melhoria salarial e social para a classe. O secretário-geral do Sinmea, Pedro da Rosa, sublinhou que “foi com…

Leia mais

HOSPITAIS SEM CAPACIDADE DE RESPOSTA

Pacientes e familiares queixaram-se hoje da morosidade no atendimento e das condições de acomodação dos hospitais públicos de Luanda, onde o número de doentes nas urgências duplicou no primeiro dia de greve dos médicos “por tempo indeterminado”. A necessidade da melhoria dos serviços ambulatórios foi apontada como uma das dificuldades de quem acorre aos serviços de urgência das unidades hospitalares da capital angolana, sobretudo quando estes registam uma procura considerável, como constatou a Lusa numa ronda pelos principais hospitais de Luanda. Com os médicos em greve a partir das primeiras…

Leia mais

SERVIÇOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS EM ESTADO DE COMA

Os médicos angolanos vão voltar a paralisar a partir de segunda-feira, por tempo indeterminado, funcionando apenas com 25% da força de trabalho para assegurar os serviços mínimos, anunciou o Sindicato Nacional dos Médicos de Angola (SINMEA). Segundo a declaração de greve aprovada no sábado em assembleia-geral, a paralisação é extensiva a todas as unidades sanitárias, a partir das 8:00 do dia 21 de Março de 2022, por tempo indeterminado. Enquanto durar a greve, ficam suspensos os trabalhos nas enfermarias, seminários, internatos de especialidade, admissão e alta de pacientes, assim como…

Leia mais

“GOVERNAÇÃO É UM FRACASSO”

Cerca de 500 professores universitários angolanos manifestaram-se hoje em prol de aumentos salariais e melhores condições laborais, e prometeram sair à rua de 15 em 15 dias enquanto o executivo não atender as suas reivindicações. A manifestação aconteceu um dia depois de os docentes universitários se reunirem em assembleia-geral, tendo decidido manter a greve, que dura desde 3 de Janeiro, por tempo indeterminado. “Foi um sucesso”, descreveu o secretário-geral do Sindicato dos Professores do Ensino Superior (Sinpes), Eduardo Peres Alberto, indicando que aos docentes de Luanda se juntaram também colegas…

Leia mais

CURTO-CIRCUITO NA ELECTRICIDADE… POTÁVEL

Os trabalhadores da Empresa Pública de Produção de Electricidade (PRODEL) angolana ameaçaram hoje avançar com uma greve no final deste mês, caso os salários de Março não sejam ajustados na ordem dos 19,2%, conforme acordado em 2021. A pretensão da greve foi transmitida pelo coordenador da comissão conjunta representativa dos trabalhadores da PRODEL, Fernando Pedrão Romão, que criticou a diferença “abismal” dos salários entre gestores e técnicos da empresa. “O que a gente está a pedir não é aumento salarial, mas sim um equilíbrio entre os gestores e os técnicos,…

Leia mais

QUEM ESTÁ A INTIMIDAR OS PROFESSORES?

O Sindicato dos Professores do Ensino Superior (Sinpes) angolano denunciou “acções de intimidação” e admitiu convocar manifestações na próxima semana, devido à falta de sinais concretos do Governo sobre a greve dos professores, há mais de um mês. Afinal a culpa não é da UNITA e dos bispos da Igreja Católica? Hum! Segundo o secretário-geral do Sinpes, Eduardo Peres Alberto, alguns professores do ensino superior público, em greve por tempo indeterminado desde 3 de Janeiro passado, estão a ser “coagidos para leccionar sob pena de verem os seus salários suspensos”.…

Leia mais

PROFESSORES EM GREVE. CULPA DA… ?

O Sindicato Nacional de Professores e Trabalhadores do Ensino não Universitário (Sinptenu) angolano começou hoje a segunda fase da greve, que decorre até 26 de Janeiro, para reivindicar actualização dos salários, anunciou fonte sindical. Segundo o secretário-geral do Sinptenu, Victor Gimbi, a greve surge por “não haver boa vontade” do Ministério da Educação na resolução das suas reivindicações, plasmadas num caderno reivindicativo remetido em Fevereiro de 2021. “A greve é um facto, porque estamos a reivindicar a actualização da tabela salarial. Não se justifica que um professor, seja qual for…

Leia mais