Ex- e actuais… ministros
estão no mundo do crime

O director-geral do Serviço de Investigação Criminal (SIC) de Angola, Eugénio Pedro Alexandre, admitiu que os casos relacionados com crimes de natureza económica estão a aumentar no país, envolvendo ministros, ex-ministros e gestores públicos. Tudo normal, portanto. Segundo o comissário chefe do SIC, Eugénio Pedro Alexandre, que falava à margem da 1.ª Conferência Internacional sobre Fraudes e Delitos Económicos em Angola, que decorre no Centro de Convenções de Talatona, os crimes económicos passam por peculato, branqueamento de capitais, burla por defraudação, fraude financeira, fuga ao fisco, contrabando, especulação, venda e…

Leia mais

Combate aos crimes de corrupção exige nova lei

Os mais eufóricos rejubilam. Não importa como? Basta-lhes as grades fecharem os “gajos” do poder e do (muito) dinheiro. Condenável? Nem sempre! Mas a sensação do está fixe é perigosa, sempre que a lei penal estiver, partidocraticamente, cafricada. É legal? Inconstitucional! Mas é meritório, urgente e oportuno o combate à corrupção, sempre que a justiça não fique, nem sub-repticiamente, debaixo da bota do detentor do poder político absoluto. Por William Tonet O refrão político mais badalado nos últimos tempos, para o bem e para o mal é, qual andarilho, destrambelhado,…

Leia mais

Muitos casos de peculato investigados no Huambo

A Procuradoria-Geral da Pública (PGR) na província do Huambo, centro de Angola, está a investigar 51 processos de crime de peculato (desvio ou roubo de dinheiros públicos), que envolvem, na sua maioria, empresas e funcionários públicos, indicou fonte oficial local. Segundo o procurador provincial do Huambo, Domingos Joaquim, os acusados, que não indicou, deverão receber, em breve, as respectivas acusações. O magistrado do Ministério Público indicou tratar-se de processos mediáticos que envolvem, essencialmente, algumas pessoas colectivas públicas e privadas, bem como funcionários públicos, que tinham como substrato a má execução…

Leia mais

Entregues à bicharada. Eles? Não. O Povo faminto

Na sexta-feira, 27 de Abril, um Tribunal Comercial da Inglaterra e do País de Gales emitiu uma ordem de interdição, proibindo companhias ligadas ao cidadão ango-suíço Jean-Claude Bastos de movimentarem cerca de 3.000 milhões de dólares provenientes do Fundo Soberano para investimentos. Segundo fontes ligadas à investigação, 18 companhias ligadas a Bastos estão abrangidas pela decisão de José Filomeno dos Santos (Maka Angola). “Zenú”, é o máximo! Faz contas de sumir dinheiro como quem respira, parece uma necessidade vital. E lá vai ele, escorreito, a passear de jipão pelas ruas…

Leia mais

De bestial a besta,
de besta a bestial

A administração do Fundo Soberano de Angola (FSDEA) admitiu hoje que receia a forma como a Quantum Global, do suíço-angolano Jean-Claude Bastos de Morais, geria os investimentos da instituição, anunciado que pretende afastar a empresa da gestão dos seus activos. Em comunicado divulgado através do Ministério das Finanças de Angola, o FSDEA, que até Janeiro foi liderado por José Filomeno dos Santos, filho do ex-Chefe de Estado, José Eduardo dos Santos, assume ter “grandes preocupações sobre a forma como a Quantum Global investia os seus recursos”, admitindo que “não está…

Leia mais

Declarações de bens? Ups!
Mui devagar, devagarinho

Imaginemos (imaginar ainda não é crime) que o Estado angolano é uma entidade de bem. Assim sendo, acreditamos no Procurador-Geral da República, Hélder Pitta Gróz, quando ele afirmou, em Janeiro, que o Presidente João Lourenço tinha sido o primeiro a apresentar a sua declaração de bens. Como então se disse, e nós aplaudimos, era uma forma de dar o exemplo aos membros do seu Executivo e, também, a outras individualidades. A Declaração de Bens é (ou deveria ser) apresentada em envelope fechado e lacrado, até 30 dias após a tomada…

Leia mais

País de corruptos facilmente sucumbe

Os povos autóctones esperavam, ingenuamente, por uma passagem pacífica de testemunho, no conclave do MPLA e, que, na outra margem do rio grande, não fosse permitida a continuidade da vergonha na cara. Ninguém sairá da cepa torta, com a manutenção e continuidade de práticas delituosas, por mais travestidas que estejam. Por William Tonet Limpemos a vergonha da cara e assumamos a paternidade colectiva do território Angola ser pertença da maioria e não de uma minoria perniciosa. A omissão dos cidadãos, o silêncio sepulcral e covarde, ao longo dos 42 anos…

Leia mais

Valter Filipe vai de bestial (para JES) a besta (para JLo)

A Procuradoria-Geral da República (PGR) angolana confirmou hoje que o ex-governador do Banco Nacional de Angola, Valter Filipe, foi ouvido por aquele órgão de justiça e que está impedido de sair do país enquanto decorrem as investigações. A informação foi avançada pelo procurador-geral adjunto e coordenador da Direcção Nacional de Investigação e Acção Penal (DNIAP), João Luís de Freitas Coelho, informando que Valter Filipe está indiciado pelo crime de peculato e branqueamento de capitais. O ex-governador do banco central angolano, Valter Filipe, é acusado de estar envolvido na transferência ilícita…

Leia mais

Roubar (ainda) é fácil e
barato. É o ADN do MPLA

A maioria dos autóctones angolanos continua a assistir impávido e sereno à peça teatral: “os meninos endinheirados pelo crude, gozam com a chipala do povo”, não sabendo até onde vai parar este, já, putrefacto regabofe. Carlos Saturnino, presidente do Conselho de Administração da Sonangol, no pedestal da sua autoridade, veio a terreiro, como se estivesse num carrocel da Disney, em Paris, com a muito provável e prévia autorização do Titular do Poder Executivo, João Lourenço, sem que tenha ponderado todos os prós e contra desta acção, cujo ricochete poderia, como…

Leia mais

Alguém se dignará dizer a verdade sobre a Sonangol?

Mas, afinal, Isabel dos Santos trabalhou bem enquanto dirigiu a Sonangol, ou não? Ao demiti-la, João Lourenço assumiu o ónus de que ela foi uma má gestora. E não esteve com meias medidas, pôs no seu lugar Carlos Saturnino que, recorde-se, em Dezembro de 2016, tinha sido exonerado do cargo de presidente da Sonangol Pesquisa & Produção por Isabel do Santos. Refira-se, entretanto, o que Patrick Pouyanné, CEO da Total, disse sobre a liderança de Isabel dos Santos na petrolífera nacional: “A Sonangol está a fazer exactamente aquilo que nós…

Leia mais