AGRADECIMENTO URBI ET ORBI

Este será certamente o texto de agradecimento tipo, da grande maioria daqueles valorosos militantes, política e moralmente semianalfabetos, que foram alcandorados a lugares cimeiros, vulgo Comité Central (CC) do MPLA, no passado congresso do partido. Por Carlos Pinho (*) “Como militante do MPLA recentemente agraciado com uma benesse só ao alcance de alguns, poucos eleitos, venho manifestar publicamente o meu apreço por ter sido eleito membro do CC do MPLA, no recente VIII Congresso do MPLA. Foi o culminar de décadas de um trabalho incansável que finalmente deu os frutos…

Leia mais

BISPOS DA IURD NO “DÍZIMO” DO JULGAMENTO

O julgamento dos bispos da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD), indiciados dos crimes de associação criminosa e branqueamento de capitais, teve hoje início no Tribunal Provincial de Luanda (TPL), sob forte aparato policial. No TPL, também conhecido como palácio Dona Ana Joaquina, há uma forte presença de efectivos da Polícia angolana e na marginal de Luanda está a realizar-se uma corrente de oração, com centenas de fiéis. O bispo brasileiro Honorilton Gonçalves da Costa, antigo responsável “espiritual” da IURD em Angola e Moçambique, é um dos arguidos neste…

Leia mais

A INDEPENDÊNCIA QUE NUNCA TIVE, TENDO ESTADO LÁ

Hoje? Sim! Hoje, 48 horas depois, de uma data, cunhada em Alvor/74 (Portugal), sugerida por Holden Roberto e consensualizada, pelos quatro actores: MFA (Movimento das Forças Armadas-Portugal); FNLA; MPLA; UNITA, o 11 de Novembro 1975-2021, nada diz, a uma grande maioria, nada me diz. Reconheço, ter acreditado, ingenuamente, que os revolucionários eram superiores aos camaleões e nunca se tornariam numa espécie humana pior que os colonialistas/escravocratas. Ledo engano. Eles são piores, até na delapidação da “res-publica” Por William Tonet Eu estava lá. Dia 10, madrugada de 11 do mês de…

Leia mais

Se a Polícia tem medo e foge… chamem o João!

O porta-voz da Polícia Nacional de Angola, Orlando Bernard, admitiu hoje que os crimes cometidos contra instituições religiosas no país é uma preocupação e recomendou o recurso a empresas privadas de segurança, já que a prevenção deve partir dos cidadãos. Brilhante. Se a Polícia tem medo e foge… Orlando Bernardo reagia à preocupação expressa pelos bispos católicos face ao aumento dos níveis de criminalidade no país, com destaque para os assaltos que vêm sofrendo as instituições religiosas. “Naturalmente, isso é muito preocupante”, disse Orlando Bernardo, na apresentação da situação de…

Leia mais

Então como é, comandante Francisco Paiva?

A Polícia de Guarda Fronteira angolana deteve, este ano, 45.575 cidadãos de várias nacionalidades, de um total de 8.900 casos de violação de fronteira, terrestre e marítima, anunciou hoje o comandante do órgão policial. Os dados foram avançados pelo comandante da Polícia de Guarda Fronteira, comissário-chefe Francisco Paiva, no discurso de abertura de comemoração dos 43 anos de existência do órgão da Polícia Nacional angolana. Segundo Francisco Paiva, as províncias de Cabinda, Zaire, Lunda Norte, Moxico, Cuando Cubango e Cunene continuam a ser os sectores mais críticos das fronteiras de…

Leia mais

O difícil parto da angolanização

O ministro dos Recursos Minerais, Petróleo e Gás angolano, Diamantino Azevedo, considerou ainda “insípido” o número e qualidade dos técnicos e quadros nacionais, bem como a participação do empresariado nacional na indústria mineira e petrolífera do país, garantido a sua angolanização. Recorde-se que em 12 de Fevereiro de 2013, já Maria Luísa Abrantes, presidente do Conselho de Administração da Agência Nacional de Investimento Privado (ANIP), falava da necessidade de angolanização… Está a ser um parto complicado! E de quem é a culpa? Obviamente de todos menos do partido, o MPLA,…

Leia mais

Milhões de euros para combater a caça furtiva que é mantida por… generais

O Governo angolano apresentou hoje um projecto sobre o combate à caça furtiva, com orçamento inicial de mais de 4,1 milhões de dólares (3, 4 milhões de euros), visando travar o “preocupante fenómeno que persiste” no país. A prática da caça furtiva em Angola conta com “certa protecção especial dos órgãos que garantem a ordem e segurança pública” e é promovida por “comandantes provinciais, segundos comandantes, oficiais e generais”. O “Projecto sobre o Combate ao Comércio Ilegal da Vida Selvagem e ao Conflito entre o Homem e o Animal em…

Leia mais

Quando o Messias em vez de ser a solução é o problema

A campanha nacional e internacional (pelo menos) de divulgação dos feitos do Executivo angolano, liderado pelo Presidente do MPLA, da República e Titular do Poder Executivo, João Lourenço, vai de queda em queda até à queda final. As mais recentes maçãs podres descobertas estão nas próprias Forças Armadas, cujos mais altas patentes estavam afectas à Casa de Segurança da actual Presidência da República de João Lourenço. Em Angola, o MPLA é governo há 45 anos e João Lourenço, há quase quatro anos no Poder, afirmou logo ao fim de 13…

Leia mais

Alô João, aqui é o amigo do Trump

O Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, vai telefonar ao homólogo angolano, João Lourenço, para abordar a situação dos missionários da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) em Angola, disse à Lusa o deputado Cezinha de Madureira. A informação foi transmitida na segunda-feira ao deputado pelo ministro das Relações Exteriores do Brasil, Carlos França, numa reunião convocada pelo próprio Cezinha de Madureira, líder da Frente Parlamentar Evangélica na Câmara dos Deputados. “O ministro França disse-nos que hoje mesmo [segunda-feira] já tinha falado com Bolsonaro, para fazer uma ligação ao Presidente de…

Leia mais

Sim, não, talvez. Em papel, digital ou mala diplomática…

A Procuradoria-Geral da República (PGR) de Angola negou ter recebido das autoridades judiciais portuguesas uma lista discriminada de fortunas de cidadãos nacionais domiciliadas em Portugal. De acordo com o PGR, Hélder Pita Gróz, que falou ao órgão oficial do MPLA/Estado, o Jornal de Angola, a notícia veiculada pelo jornal português Correio da Manhã (CM), “até ao presente momento a PGR não recebeu qualquer lista com este teor.” Hélder Pita Gróz reconheceu, no entanto, que “temos tido cooperação e colaboração pontual com as autoridades portuguesas em processos específicos.” “Por conseguinte, é…

Leia mais