De Timor-Leste a Cabinda

Em 30 de Agosto de 1999 aconteceu o referendo em Timor-Leste. O resultado desse referendo foi uma natural e estrondosa resposta que os timorenses deram à Indonésia e à comunidade internacional: sim, queriam ser livres, independentes, estar longe da identidade e da subjugação aos torcionários, carrascos e assassinos indonésios. Cabinda continua também à espera de um referendo para que o seu Povo possa dizer o que quer. Livres do criminoso regime de Suharto – um general que para se impor no país já havia assassinado ao longo de anos dezenas…

Leia mais

Das virtudes dos refrescamentos

Qual será a percentagem de refrescamentos de ministros, nos vários países do mundo, a partir da qual o presidente – no caso de Angola e Brasil – ou o primeiro-ministro no – caso da Tuga – também tenha de ser ele próprio refrescado? Por Brandão de Pinho Nestes dias para além de ministros, foram também secretários, governadores (cargo que em qualquer parte do mundo deveria ser consequência de escrutínio directo e nominal) e embaixadores. Sai um Laborinho de um cargo entra um Laborinho para ministro, sai um Nhunga entra outro…

Leia mais

Fernando Pessoa? Não!
Que tal Agostinho Neto?

Segundo a insuspeita Angop, a comunidade angolana radicada em Portugal reprovou, neste domingo, a escolha do nome do poeta português Fernando Pessoa para ser o patrono de um projecto de intercâmbio universitário no espaço lusófono. Recorde-se, entretanto, que para além de poeta, ele também foi filósofo, dramaturgo, ensaísta, tradutor, publicitário, astrólogo, inventor, empresário, crítico literário etc.. Trata-se de um projecto que visa a educação, formação e mobilidade de jovens do espaço de língua portuguesa, oferecendo-lhes oportunidades de estudo, aquisição de experiência e voluntariado por um período curto num dos países…

Leia mais

A sua bênção, Majestade!

Várias personalidades da sociedade civil consideraram hoje simbólico e um passo em frente para a construção de um diálogo nacional o encontro com o Presidente angolano, João Lourenço. Rafael Marques foi convidado e depois desconvidado. Certamente a bem do (tal) diálogo. Falando à imprensa, vários dirigentes e líderes de organizações não-governamentais e da sociedade civil angolana destacaram a importância do encontro em que lhes foi permitido manifestar “todas as preocupações de forma frontal e sem quaisquer receios”. O activista Luaty Beirão optou por, no final de uma hora e meia…

Leia mais

Ditaduras são assim. Culto total a quem for o chefão

O Comité Central do MPLA aprovou, hoje, por aclamação, a candidatura do actual vice-presidente do partido e chefe de Estado angolano, João Lourenço, ao cargo de presidente do partido. A “novidade” quase fazia parar o país. Na democracia “made in MPLA” o partido escolhe, aprova e aclama a candidatura e ai de quem se atreva a discordar. A informação consta do comunicado final da terceira sessão extraordinária do Comité Central, realizada hoje em Luanda, sob orientação do presidente do partido, José Eduardo dos Santos. A reunião serviu para, entre outros…

Leia mais

Mais uns tantos juízes
ou juízes bajuladores?

O ministro da Justiça e dos Direitos Humanos de Angola, Francisco Queiroz, disse hoje que vão ser admitidos este ano 60 novos juízes e que está ainda em estudo a possibilidade para a admissão também de novos oficiais de Justiça. Os putativos candidatos vão por isso estar mais calmos e alinhar nos elogios ao Executivo de João Lourenço. O habitual, portanto. Francisco Queiroz respondia hoje às preocupações colocadas por deputados no encontro com os órgãos da Administração da Justiça e outras instituições do sector, no âmbito da discussão na especialidade…

Leia mais

JLo à descoberta de um
“ninho de marimbondos”

No actual imbróglio que caracteriza as relações entre o actual presidente da República e o ex-presidente, não sabemos que tipo de conselheiros este último tem, mas, em todo o caso, vê-se a olho nu e entende-se sem ser preciso falar que esses pretensos sábios e doutores não são capazes de interpretar os anseios e aspirações do povo de Angola! Não acham que seria maior benefício para a salvaguarda da imagem do ex-líder e do próprio partido, se fosse dado um apoio ao actual presidente, fraquinho e manso, entremeado de conselhos…

Leia mais

Samakuva põe liderança
nas mãos dos militantes

O presidente da UNITA, Isaías Samakuva, afirmou hoje que pretende abandonar a liderança do maior partido da oposição, colocando o seu lugar à disposição no arranque de um novo ciclo político em Angola. “A firmei aos angolanos antes e durante a campanha eleitoral que depois das eleições deixaria o cargo de presidente da UNITA para servir o partido numa posição diferente [concorria a Presidente da República]. Mantenho e reafirmo esta decisão”, disse hoje Isaías Samakuva, na abertura da quarta reunião ordinária da Comissão Política do Comité Permanente da UNITA, que…

Leia mais

À medida e por medida

Segundo a Porta-voz da CNE, Júlia Ferreira, o plenário aprovou a adjudicação do fornecimento da solução tecnológica e de material de votação sensível à empresa Indra e à Sinfic a gestão do FICM, Mapeamento das Assembleias de Voto, Produção dos Cadernos Eleitorais e Sistema de Informação ao Eleitor. “O prestígio que estas empresas têm no mercado nacional e internacional, bem como o facto de estas empresas já terem trabalhado com a CNE no processo de 2012, com eficiência reconhecida, empenho e dedicação, fizeram com que as mesmas fossem seleccionadas para…

Leia mais

A coisificação do povo angolano

O ano eleitoral é o momento supremo para afirmação do poder popular, pois é nessa altura em que o poder real se encontra na rua, nas mãos do seu verdadeiro detentor – o povo – e tem novamente a oportunidade de decidir a quem conceder o seu poder para, em seu nome apenas, gerir o Estado. Por Sedrick de Carvalho Porém, é imperioso que o sistema eleitoral seja justo e transparente para que o poder do povo não seja usurpado por quem não mereceu, nas urnas, a confiança do povo…

Leia mais