Ainda é possível resolver
o problema de Cabinda?

A Direcção Política do MIC, Movimento Independentista de Cabinda, sob a liderança do Presidente Carlos Vemba, no dia (hoje) em que comemora o seu 2º aniversário reafirma a luta pacífica pela reconquista da independência e da soberania do Povo cabindense bem como a resistência anti ocupação de Cabinda por parte de Angola. O MIC relembra que os direitos do Povo de Cabinda foram, “ilegitimamente e “manu militari” confiscados em 1975 por Portugal e pelo Governo da República de Angola timonado pelo MPLA”. Paralelamente, a Direcção Política do MIC corroborar o…

Leia mais

MIC anuncia manifestações pró-referendo em Cabinda

A Direcção Política do MIC, Movimento Independentista de Cabinda, emitiu um comunicado (que a seguir se transcreve na íntegra) assinado pelo seu secretário para a informação e comunicação, Sebastião Macaia Bungo, no qual afirma que “a partir do dia 10 de Dezembro vai organizar e dirigir uma sequência de megas manifestações pacíficas contra a colonização angolana e a favor da realização do referendo para a independência de Cabinda”, referindo que “Cabinda é iniludivelmente uma Nação histórico-geográfica, cultural e antropologicamente distinta da Nação angolana”. «A Direcção Política do MIC, Movimento Independentista…

Leia mais

De Timor-Leste a Cabinda

Em 30 de Agosto de 1999 aconteceu o referendo em Timor-Leste. O resultado desse referendo foi uma natural e estrondosa resposta que os timorenses deram à Indonésia e à comunidade internacional: sim, queriam ser livres, independentes, estar longe da identidade e da subjugação aos torcionários, carrascos e assassinos indonésios. Cabinda continua também à espera de um referendo para que o seu Povo possa dizer o que quer. Livres do criminoso regime de Suharto – um general que para se impor no país já havia assassinado ao longo de anos dezenas…

Leia mais

Londres “out”, Lusofonia “off”

Os eleitores britânicos decidiram que o Reino Unido vai sair a União Europeia. Foi uma vitória com 51,9%, ou seja 17,41 milhões de votos. Os partidários da permanência obtiveram 16,14 milhões de votos. Por Orlando Castro O Governo português lamenta a saída. E agora, como vai Lisboa agir? Como sempre Portugal não vai agir. Quando muito, e sempre a reboque, vai reagir consoante as ordens de Bruxelas que, por sua vez, seguirá o programa da Alemanha e da França. Talvez esta seja uma soberana oportunidade para (sejamos ingénuos) Portugal deixar…

Leia mais