É preciso ter lata!

Enquanto o Presidente da República de Angola afirma que a análise sobre a dupla nacionalidade de dirigentes de partidos políticos está a ser “deturpada” por “conveniência de uns poucos”, rejeitando campanhas de incitação ao racismo e xenofobia, o Presidente do MPLA permite que o seu partido alimente e municie essas campanhas. É preciso ter lata! Por Norberto Hossi Na sua intervenção de abertura da 2ª sessão ordinária do Conselho de Ministros, em Luanda, João Lourenço afirmou que tem acompanhado “com muita atenção” os debates em torno da nacionalidade adquirida de…

Leia mais

MPLA, pontapés na História e um tiro nos pés

Na ânsia de querer apagar tudo anterior a 2017, o presidente João Lourenço, formado em História, transformou-se num revisionista. Por Emídio Fernando (*) Director da Rádio Essencial O historiador João Lourenço está a permitir que o MPLA dê verdadeiros pontapés na história do partido, que ele lidera. E assim vai permitindo que Angola entre por caminhos de discussão ideológica, a roçar as estratégias da extrema-direita europeia. Nos últimos tempos, Angola tem assistido – melhor, uma certa Angola que se preocupa com assuntos políticos e medra nas redes sociais – a…

Leia mais

Afinal quem é o estrangeiro?

O João Melo é um cómico fracassado, muitas vezes demasiado macabro e subserviente aos dogmas de um partido, que variam como o estado do tempo ou as modas do oportunismo que facilita o parasitismo. Ele diz que “há momentos na vida das nações em que o posicionamento individual de cada um, mais do que político e/ou partidário, deve ser ético e moral”. Por Domingos Kambunji Nós, que não temos filiação política e/ou partidária nem disciplina para a militância subserviente, acreditamos que a ética e a moral devem estar presentes em…

Leia mais

Racistas cospem no prato onde comem

Milhares de pessoas assinaram uma petição pública que exige a deportação do activista luso-senegalês Mamadou Ba, após comentários racistas sobre o mais condecorado militar português, tenente-coronel comando Marcelino da Mata. “Mamadou Ba, ex-acessor do Bloco de Esquerda e dirigente da Associação SOS Racismo, proferiu declarações caluniosas no Twitter contra o Militar mais condecorado da História Portuguesa, o Tenente-Coronel Marcelino da Mata, um dia depois do seu falecimento”, lê-se na petição. Os peticionários querem que a “expulsão” do activista “sirva de exemplo”: “Serve a presente petição pública para que a Assembleia…

Leia mais

A albicaude dos arianistas do MPLA

O secretário para a (des)informação do MPLA, Albino Carlos, acusa a UNITA e o seu líder de estarem a fazer uma “campanha de vitimização“ para “tentar distrair a comunidade nacional e internacional”. Diz a criatura que não há qualquer campanha racista e xenófoba contra Adalberto da Costa Júnior por parte do MPLA. Tem razão. Ele só conhece as raças que lhe são familiares (equídeos, símios e xenodontes). Por Orlando Castro No dia 1 de Setembro de 2020 o MPLA considerou como “gratuitas e infundadas” as acusações de Abel Chivukuvuku sobre…

Leia mais

Quem quer tacho avia-se no… MPLA!

O comunicado do Bureau Político do partido que está no Poder em Angola há 45 anos, o MPLA, em relação aos incidentes de Cafunfo, nos quais a UNITA diz terem sido mortas 23 pessoas, enquanto a polícia fala em seis, revela um partido que continua sem soluções, para responder aos principias problemas sociais, afirmam todos aqueles que, ao contrário das ordens superiores do MPLA ainda têm coluna vertebral e se recusam a transferir o cérebro para os intestinos. Por Orlando Castro (*) As críticas estendem-se ao facto de o MPLA…

Leia mais

Nacionalidade, raça, cor e…

O antigo primeiro-ministro de Angola, Marcolino Moco, manifestou-se hoje contra o que classificou como “bullying” racista e xenófobo” à volta do líder da UNITA, Adalberto da Costa Júnior, nos últimos dias no país. Marcolino Moco protestou, na sua conta do Facebook, “contra o regresso (ou nunca chegou a ir-se embora?) da política de desqualificação gratuita de ‘outras’ figuras e ou organizações políticas, pela via mais baixa possível”. Para o ex-secretário-geral do MPLA, ouvir ou insinuar-se que o líder da UNITA, maior partido da oposição que o MPLA ainda permite em…

Leia mais

Branco mau, preto bom?
Preto mau, branco bom?

Uma deputada do Bloco de Esquerda, Sandra Cunha, esteve no dia 25 de Janeiro de 2019 na manifestação de apoio aos moradores do bairro da Jamaica, no Seixal, distrito de Setúbal, onde defendeu que Portugal tem um “problema de racismo institucional”. Esqueceu-se, contudo, de também dizer que Portugal tem em alguns dos seus deputados um problema de nanismo intelectual e civilizacional, para além de um manifesto complexo de inferioridade. Por Orlando Castro “O combate à violência passa também pelo combate aos preconceitos, ao racismo, à xenofobia e nós sabemos que…

Leia mais

Convenções não alteram a discriminação. A educação sim!

O Governo angolano considerou hoje que a aplicação da Convenção para Eliminação de Formas de Discriminação Racial levanta “questões controversas”, incluindo fenómenos históricos como a escravatura e o colonialismo, e está a capacitar agentes públicos nesse domínio. Capacitar? Onde, como, quem? Agentes do tipo se “haver” necessidade assinaremos um “compromíssio”? Segundo a secretária de Estado para os Direitos Humanos, Ana Celeste, a aplicação deste instrumento jurídico internacional impõe também “outras questões de importância crucial como problemas enfrentados pelas vítimas e da discriminação dupla”. O país ratificou a Convenção Internacional sobre…

Leia mais

Quando a Polícia mata

A UNITA, maior partido da oposição que o MPLA ainda permite que exista no seu reino, comparou hoje as mortes provocadas em Angola, pelo uso excessivo de força da polícia, ao assassínio do negro norte-americano George Floyd, asfixiado por um agente policial branco dos Estados Unidos da América. Em comunicado, a UNITA exprimiu a repulsa ante comportamentos similares, que têm ocorrido em Angola, nesta fase da pandemia de Covid-19, “onde as forças da lei e ordem têm usado excesso de força, causando igualmente vítimas mortais”. Em bom rigor, não tivessem…

Leia mais