RACISMO É RACISMO, SEJA PORTUGUÊS OU ANGOLANO

A activista social angolana e promotora da marcha contra a imposição de penteados nas escolas, Arminda Milena Ernesto, defendeu hoje que é preciso “desmistificar” o problema do uso de cabelo crespo e promete continuar a lutar contra o “racismo capilar”, culpando os colonos portugueses que já cá não estão há 47 anos. Por Orlando Castro (*) Arminda Milena Ernesto, em declarações à agência Lusa, manifestou a sua indignação sobre os regulamentos internos de algumas escolas sobre o uso de cortes de cabelo, que associou a uma imposição de valores associada…

Leia mais

PINTEMO-NOS DE BRANCO…

O Conselho Norueguês para Refugiados (CNR) disse hoje que as dez crises de deslocados mais negligenciadas do mundo estão todas em África, sublinhando que, pela primeira vez, todos os países que se incluem essa lista são africanos. Alguém se preocupa? Se fosse na Ucrânia a coisa piava mais fino. Mas como em África somos quase todos uma subespécie… A África lidera a classificação anual das crises de deslocados mais negligenciadas em 2021, elaborada pelo CNR, que em edições anteriores incluía países de outros continentes, como a Venezuela e as Honduras.…

Leia mais

APÁTRIDAS POR ORDEM DO MPLA

Ao escorraçar os angolanos de origem portuguesa (brancos, portanto), o MPLA cometeu (e continua a cometer) um crime mensurável no facto de, por exemplo, Angola ainda hoje não ter atingido os índices que equidade social que registava em 1973/74. Escudado na razão da força, os dirigentes do MPLA mais não conseguiram do que mostrar o seu monstruoso complexo de inferioridade. Por Orlando Castro Ao contrário da tese do MPLA, a culpa não é só dos portugueses de hoje que, ao contrário dos de ontem, procuram sacar tudo o que podem,…

Leia mais

BRANCOS? DE PRIMEIRA. NEGROS? DE SEGUNDA

O director-geral da Organização Mundial da Saúde não tem dúvidas (nós também não) de que o mundo “não presta o mesmo grau de atenção às vidas dos negros e às dos brancos”, comparando a atenção dada à Ucrânia e a conflitos noutros países. “Toda a atenção prestada à Ucrânia é muito importante, é claro, porque o que lá se passa tem impacto em todo o mundo, mas não é dada sequer uma fracção dessa atenção ao Tigray (a região da Etiópia de que é originário, onde há um conflito armado…

Leia mais

A MENTIRA DA SUPREMACIA RACIAL

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, assinalou esta terça-feira o Dia Internacional em Memória das Vítimas da Escravatura ao relembrar figuras da resistência negra e afirmou que a “mentira cruel da supremacia racial” permanece viva. Em comunicado, Guterres relembrou que por detrás de histórias de sofrimento e dor incontáveis, e de histórias de famílias e comunidades despedaçadas, há também histórias inspiradoras de coragem contra a crueldade dos opressores (muitos da própria raça dos oprimidos), tendo destacado figuras como Zumbi dos Palmares no Brasil, ou a rainha Ana Nzinga do…

Leia mais

DISCRIMINAÇÃO E A FORÇA DAS PALAVRAS

Não gosto de colocar a colher em águas turvas, mas como sei do que o regime é capaz, não poderia ficar calado, ante a (mais uma) boçalidade, secundada por um estranho coro de políticos, intelectuais e “tudológos”, que se julgava com maior higiene intelectual, mas… Por William Tonet O mundo não está em paz. As guerras continuam! Em África, começando por Angola onde as populações, mais de 20 milhões de pobres, principalmente as do Sul do país, são invadidas e agredidas, diariamente, pelas políticas económicas, cruéis, danosas e dolosas, que…

Leia mais

RACISMO É A ARMA DOS INEPTOS

Quem, no caso da Ucrânia, ataca (com razão) os EUA e a União Europeia (UE) por erros do passado em África, por exemplo, está a legitimar e a ser conivente com a guerra movida por Vladimir Putin. Quem se abstém de condenar o agressor está a condenar o agredido. Infelizmente os intelectuais angolanos, mesmo os que dizem não ser do MPLA, tal como o próprio MPLA, estão a condenar o agredido. E que melhor forma de condenar o agredido do que usarmos o nosso congénito complexo de inferioridade, pondo na…

Leia mais

O SUCESSOR DA RAINHA NDAKASI

Depois da morte da rainha Ndakasi, que reinava no leste da República Democrática do Congo, o processo de sucessão está a ser polémico. No entanto, o angolano Betumeleano Ferrão é o que, para além de ter a sanguinidade inerente, mais características genéticas tem para ocupar o lugar. Tem, aliás, uma alargada solidariedade regional, talvez até continental, baseada na cor da tribo. Por Orlando Castro Consta que os altos dignitários do reino pediram ao candidato uma análise de actualidade política internacional para avaliação da sua preparação para ocupar o lugar da…

Leia mais

PRIMEIRO AS “PESSOAS” E SÓ DEPOIS OS PRETOS?

No artigo “Africanos devem protestar contra o racismo incubado de António Guterres”, William Tonet (Director do Folha 8) mostra e demonstra que o Secretário-Geral da ONU deveria ser julgado pelo, no mínimo, crime de inacção na guerra movida pela Rússia contra a Ucrânia. Esse texto deveria, aliás, passar a ser de leitura obrigatória na ONU. Por Orlando Castro Em Outubro de 2016, a manchete do Boletim Oficial do regime de sua majestade o rei de Angola, José Eduardo dos Santos, dizia tudo: “Portugal agradece apoio”. Apoio, neste caso, à escolha…

Leia mais

AFRICANOS DEVEM PROTESTAR CONTRA O RACISMO INCUBADO DE ANTÓNIO GUTERRES

As guerras são o pior cancro na mente dos políticos, militaristas, ditadores e arrogantes! Elas servem para invadir e destruir países, matar inocentes, destapar a discriminação, o racismo e, principalmente, vender armas. Muitas! Eu cresci na guerra. Sei o que ela é. As balas não escolhem cor, somente corpos…, que mutilam ou matam. Não defendo Putin. Jamais a ditadura. Ele invadiu. Morrem inocentes. Por William Tonet Não defendo os outros que nada fizeram e fazem para semear a persuasão, a tolerância e a PAZ! Nesta hora é bom rememorar, o…

Leia mais