“Um atentado ao Estado democrático de direito”

O professor Fernando Macedo, da Universidade Lusíada de Angola, criticou hoje o Presidente angolano, João Lourenço, considerando que a revisão da Constituição é “um atentado ao Estado Democrático de Direito”. Tem razão. Mas como Angola não é (ainda) um Estado Democrático de Direito, o líder do partido (MPLA) que governa o país há 45 anos não está a cometer um a “atentado”… Na sua participação no seminário virtual “Recuperação de Activos da Corrupção em Angola e implicações para Moçambique”, organizado pelo Fórum de Monitoria do Orçamento (FMO), Fernando Macedo, professor…

Leia mais

Quando ser jovem é (obrigatoriamente) ser do MPLA

A ministra da Juventude e Desportos, Ana Paula Neto, já está na província da Lunda Norte, onde, entre vários assuntos, vai orientar o acto central do Dia Nacional da Juventude do MPLA, que o partido assinala quarta-feira, em memória de Hoji Ya Henda, o patrono da JMPLA. A JMPLA enquanto mero instrumento canino do partido está, e tem razões para isso, preocupada com o comportamento que os jovens angolanos apresentam nos últimos tempos. Isto porque, ao contrário do que era habitual, a juventude começa a pensar pela própria cabeça, recusando…

Leia mais

“Um vergonhoso recuo”, diz a Associação dos Juízes

A Associação dos Juízes de Angola (AJA) considerou hoje como “um vergonhoso recuo” do Estado democrático e de direito (presume-se que, eventualmente, se referem a Angola) e da Constituição, as alterações do capítulo sobre o Poder Judicial na proposta de revisão constitucional do MPLA, “repudiando” a iniciativa. Em nota pública, a AJA afirma que, “com preocupação”, os seus membros tomaram contacto com as alterações do capítulo IV sobre o Poder Judicial, designadamente as que se pretendem nos artigos 176, 179, 181 e 184 da Constituição da República de Angola (CRA).…

Leia mais

O rugir assassino da alcateia

Os lobos, naquela useira e vezeira alcateia, liderada pelo macho alfa estão a engendrar já e com toda a pujança a caça de novas vítimas mortais como mandam as regras, visando a manutenção do poder, através do sangue (e da vida) das presas. Poder que, custe o que custar, dizem ser um privilégio exclusivo da sua casta, completamente vedado a todos os outros, escravos na terminologia do MPLA. Por William Tonet Um covarde texto, escondido no anonimato e ao qual daremos proximamente o devido tratamento, está a destilar publicamente o…

Leia mais

Basta repristinar Savimbi

A UNITA propôs hoje a “criação de uma frente patriótica para alternância do poder”, por forma a “salvar” Angola de uma “ditadura democrática”, quando se assinala o 19º aniversário da morte do seu fundador, Jonas Malheiro Savimbi. É “imperiosa a criação de uma frente patriótica para alternância do poder, com o fito de se salvar o país, amordaçado pela ditadura democrática”, afirma o Comité Permanente da Comissão Política da UNITA, o principal partido da oposição que o MPLA ainda permite que exista (não se sabe se por muito tempo) em…

Leia mais

Génios aMPLAmente (in)competentes

A Polícia do MPLA (eufemisticamente chamada “angolana”) impediu hoje uma manifestação de jovens activistas, em Luanda, que pretendiam “exigir alternância política” em Angola. Que melhor alternativa é que os jovens poderão querer quando o país tem o mesmo partido no governo apenas há… 45 anos? No local esteve um grande dispositivo policial com vários meios, incluindo brigada canina e cavalaria, e foram erguidas barricadas de pneus incendiados nas estradas, com os serviços de bombeiros chamados a extinguir o fogo. Os propósitos e motivações desta marcha, que devia culminar a 100…

Leia mais

Democracia? O MPLA ainda não teve tempo…

A democracia (aquela “coisa” que, segundo o MPLA, foi imposta a Angola) piorou nos países lusófonos, não existindo actualmente um único país de língua portuguesa classificado como “democracia plena”, revela o Índice da Democracia 2020. Ou seja, tudo na mesma e com a comunidade internacional a cantar, a rir e facturar com a desgraça dos africanos em geral e dos lusófonos em particular. Por Orlando Castro Elaborado anualmente pela The Economist Intelligence Unit, ligada à publicação britânica The Economist, cuja honorabilidade o MPLA certamente não reconhece, o índice mede os…

Leia mais

Democracia? Hum!

O presidente da Comissão da União Africana (UA), Moussa Faki Mahamat, considera que a democracia em África enfrenta “enormes problemas” e que, em muitos países, as eleições deixaram de ser a solução para o problema, passando a ser o problema para a solução. Deve ser por isso que o MPLA, apesar de estar há 45 anos no Poder, lá quer ficar mais 55 de modo a completar um século de governação ininterrupta… “A democracia e o constitucionalismo em África enfrentam problemas enormes que ninguém pode negar”, disse Moussa Faki Mahamat,…

Leia mais

(A)mpla frente para lutar ou para ver passar a banda?

A UNITA, o maior partido da oposição que o MPLA ainda permite que exista em Angola, quer criar “uma ampla frente” para derrotar o partido do poder há 45 anos, o MPLA, nas eleições gerais de 2022 (se elas se realizarem) e designou 2021 como “ano de mobilização dos patriotas para a alternância do poder”. Esta “necessidade estratégica” foi hoje analisada na III Reunião Ordinária do Comité Permanente da Comissão Política do partido, orientada pelo seu presidente, Adalberto da Costa Júnior, segundo um comunicado da UNITA. Os dirigentes da UNITA…

Leia mais

Ditadura quer assassinar a liberdade de Imprensa

A Rádio Despertar, um dos órgãos que, desde o seu nascimento, escancara as portas ao pluralismo de ideias e opiniões, comemorou no dia 26 de Dezembro de 2020, catorze anos de existência, brindando-me com o papel de prelector, ladeado por gente honrada. Por William Tonet (*) Aceitei, o repto, mas pensei, ingenuamente, que um dos colegas de painel, não se fizesse presente, o Dr. Israel Bonifácio, do MPLA, mas eis que se fez presente, chegando mesmo antes do presidente da UNITA, do líder da bancada parlamentar deste partido, do secretário…

Leia mais