Para o MPLA, quantas mais FLEC houver… melhor

A Frente de Libertação do Estado de Cabinda (FLEC-FAC) pediu à Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) “atenção particular” para o conflito em Cabinda, denunciando a política de militarização de Angola naquela região. É chover no molhado. Desde logo porque a estratégia do MPLA (também) passa por fomentar a existência de várias… FLEC. “Constatando a incapacidade e indisponibilidade de Angola, a FLEC-FAC apela para uma atenção particular ao conflito em Cabinda” e para “o contributo para a resolução deste conflito” da SADC, diz, em comunicado, a direcção político-militar da…

Leia mais

O cinismo de um presidente não nominalmente eleito

De facto, neste final do mês de Março e início de Abril deste ano, nunca se conheceu tal efervescência na actualidade política angolana, uma efervescência que nos mostrou e de certo modo provou que certos oficiais-generais do exército angolano reencontraram todos uma parte perdida dos seus cérebros. Por Osvaldo Franque Buela (*) Estes oficiais generais que de repente reencontraram os seus cérebros, oriundos ou não do território de Cabinda, lembraram-se todos que existe agora um problema por resolver em Cabinda, um problema que alguns deles passaram a negar a existência,…

Leia mais

As duas faces de Bornito

O Vice-Presidente da República, Bornito de Sousa, exortou hoje os angolanos a resistirem ao imediatismo e pediu coragem para que os seus objectivos e sonhos sejam realizados. Está explicado. 45 anos de MPLA no Poder é sinónimo de “imediatismo”. Quanto ao resto, “coragem” deve significar – no caso de Cabinda – adoptar a máxima do MPLA: a luta continua e a vitória é certa. “Uma das grandes lições a retirar do processo que conduziu o país à Paz, no dia 4 de Abril de 2002, é de que não se…

Leia mais

Falar de paz menorizando Cabinda

O Vice-Presidente da República, Bornito de Sousa, orienta, amanhã, em Cabinda, em representação do Chefe de Estado (não nominalmente eleito, tal como ele), o acto central alusivo ao 19º aniversário dos chamados Acordos de Paz que fizeram calar as armas e aumentar o número de pobres, hoje são 20 milhões. Em Novembro de 2017 o Presidente João Lourenço visitou Cabinda. A lata de assinalar este 4 de Abril em Cabinda não pode deixar de suscitar algumas reflexões pertinentes, sobretudo para quem procura de forma honesta e objectiva entender o problema…

Leia mais

Carta aberta ao Presidente da República de Angola

A propósito da visita do Vice-Presidente de Angola a Cabinda, José Marcos Mavungo, activista dos Direitos Humanos, dirigiu ao Presidente da República, João Lourenço, com conhecimento às Nações Unidas, União Africana, Governo português e partidos políticos da oposição angolana, uma carta aberta que Folha 8 reproduz na íntegra: «Soube de um amigo que o Vice-Presidente de Angola, Sua Excelência Sr. Bornito de Sousa Baltazar Diogo resolveu viajar para além de Luanda e encetar uma viagem à roda de Cabinda. Por esta razão, pensei em escrever-lhe sem cuidar da forma, pois…

Leia mais

Bitacaia no pé ou espinha na garganta?

O ex-chefe de Estado-Maior General das Forças Armadas Angolanas (CEMGFAA), Francisco Pereira Furtado, considerou hoje estável a situação político-militar do país, apesar de ser necessário “solucionar um pequeno detalhe da província de Cabinda”. Francisco Pereira Furtado dissertou hoje sobre o tema “A Paz como Factor Imperativo para a Estabilidade e Desenvolvimento de Angola”, na abertura das jornadas patrióticas alusivas ao 4 de Abril, Dia da Paz e da Reconciliação Nacional, promovida pelo Estado-Maior General das Forças Armadas Angolanas. Em bom rigor factual registe-se o dia 4 de Abril (de 2002),…

Leia mais

Tribunal Supremo nega fazer justiça à MPALABANDA–ACC contra o regime

Depois de quase catorze (14) anos, o Tribunal Supremo (TS) nega o recurso interposto pela MPALABANDA-ACC, em 2006, e confirma a sentença da sua extinção. De acordo com a Carta Precatória, os mandatários judiciais têm oito (8) dias para reclamar sobre o Acórdão. A decisão reabre o debate sobre o sistema judiciário angolano. O processo clama pela saúde da justiça em Angola. Por José Marcos Mavungo (*) No acórdão do TS, datado de 24 de Novembro de 2020, os juízes conselheiros decidiram “negar provimento ao recurso” apresentado por Luís Fernando…

Leia mais

João Lourenço convida a oposição para um jogo de xadrez

Diz-se nos círculos que privam com o líder dos camaradas que o jogo de xadrez é o que ele melhor domina, e no momento em que se encontra em plena queda de popularidade, dopado por uma má governação nunca vivida durante os mais de 45 anos de regime, o presidente dos camaradas, que nunca conseguiu ser presidente de todos os angolanos, encontra-se nas profundezas da armadilha da sua própria estratégia de governação. Por Osvaldo Franque Buela Qual é a estratégia que ele próprio escolheu para minar a sua própria governação…

Leia mais

Sai uma revisão à pressão e com muita espuma

Depois de um mês de silêncio sepulcral da parte do Senhor Presidente da República João Lourenço, eis que Sua Excelência tira uma carta da manga na abertura da segunda sessão ordinária do Conselho de Ministros, uma proposta de revisão pontual da Constituição. Por Carlos Pinho (*) Eu de facto vi-o numa reportagem do passado dia 2 de Março na TPA, a apresentar o seu discurso. Só que a minha esposa, incomodada com o tom monocórdico do discurso de Sua Excelência, intimou-me a mudar de canal, sob pena de adormecermos perante…

Leia mais