E que tal transformar os nossos pobres em refugiados?

Angola está entre os países africanos que melhor tratam os refugiados, afirmou o ministro das Relações Exteriores, Téte António. Já não chega rir. É claro que, em relação aos autóctones, ser refugiado faz uma enorme (in)diferença! O ministro recebeu um cheque simbólico avaliado em 150 mil dólares americanos, como reconhecimento da União Africana (UA) aos esforços de Angola na protecção dos refugiados. E é disso que regime do MPLA gosta. Para quem tem um presidente que viu roubar, ajudou a roubar e beneficiou do roubo, quanto mais dinheiro entrar melhor…

Leia mais

Em África, ser criança é…

Hoje é o Dia Internacional da Criança Africana. Foi neste dia, em 1976, que se registou o massacre do Soweto, em Joanesburgo, na África do Sul. Todos os anos este dia merece a atenção da UNICEF e de outras organizações mundiais que organizam eventos variados, tendo em vista a defesa dos direitos da criança em África e no mundo. Na prática, em Angola por exemplo, as crianças continuam a ser geradas com fome, a nascer com fome e a morrer com… fome. Junho de 2018. O então governador da província…

Leia mais

Chissole Mingas, leia! Leia o Folha 8

As filhas de Nito Alves, apontado pela propaganda do regime angolano, liderado há 45 anos pelo MPLA, como o cabecilha de uma tentativa de golpe de Estado em Maio de 1977, e de Saidy Mingas, ambos assassinados pelas forças de segurança do MPLA sob as ordens directas e inequívocas de Agostinho Neto (o único herói nacional segundo o MPLA), dizem que podem perdoar aos autores dos massacres de milhares e milhares de angolanos, mas lamentam não ter tido a possibilidade de crescerem com os respectivos pais. Eunice Alves Bernardo Baptista,…

Leia mais

Nem todos os guineenses vão à “missa” de Marcelo

O presidente do partido União para a Mudança (UM, na oposição), Agnelo Regalla, questionou hoje “as verdadeiras razões” da visita do Presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, à Guiné-Bissau e afirmou que “talvez o tempo dará as respostas”. “Nós não entendemos, enquanto União para a Mudança, as razões subjacentes desta visita, as reais e as verdadeiras razões desta visita, talvez o futuro nos dirá quais são os interesses que estão em jogo e a razão para tanta pressa para esta visita presidencial neste momento”, disse à Lusa Agnelo Regalla.…

Leia mais

E se fossem gozar com o…?

“Finalmente” um português ficou gravemente ferido numa operação de resgate de Palma, vila sob ataque de rebeldes armados desde quarta-feira, junto aos projectos de gás natural de Cabo Delgado, norte de Moçambique. Talvez agora Portugal, a União Europeia, a ONU e a CPLP acordem e deixem de gozar à grande, neste caso, com a chipala dos moçambicanos. Por Orlando Castro (*) O ferido foi encaminhado para Pemba, capital provincial de Cabo Delgado, 250 quilómetros a sul, por via aérea, a partir do aeródromo do recinto do projecto de gás natural,…

Leia mais

É fartar vilanagem!

O Parlamento português (que, com excepção do CDS, não aprovou um voto de pesar pelo massacre por parte da Polícia de dezenas de angolanos em Cafunfo) pediu à Assembleia Parlamentar da CPLP que “procure recolher informação rigorosa” sobre os actos recentes de “intimidação e violência” contra jornalistas na Guiné-Bissau e que faça chegar esta preocupação ao Presidente do Parlamento guineense. Se a hipocrisia matasse… “Face às notícias que dão conta de actos de intimidação e violência contra jornalistas na Guiné-Bissau e os apelos das organizações da sociedade civil a que…

Leia mais

Myanmar junto a Lisboa, Angola no “cu de Judas”

As Nações Unidas, grupos de direitos humanos e o Governo dos Estados Unidos condenaram o uso de força letal pelas forças de segurança contra manifestantes. Para se manifestarem desta forma as vítimas não serão, com certeza, negros. Não é, portanto, o caso das dezenas de mortos em Cafunfo (Angola). De facto a organização não-governamental (ONG) de direitos humanos Human Rights Watch (HRW) denunciou que as forças de segurança birmanesas “parecem estar a tentar cortar as pernas do movimento contra o golpe militar por meio de violência pura e gratuita”. Pois!…

Leia mais

Tenha vergonha, senhor Silva!

Enquanto em Cabo Delgado, norte de Moçambique, morrem moçambicanos vítimas de ataques terroristas, o ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros de Portugal, Augusto Santos Silva, sorri, olha para o lado e justifica que a diplomacia europeia está a preparar o “documento político” de enquadramento da missão europeia de apoio ao combate ao terrorismo. Quanta hipocrisia, quanta vilanagem, quanto nojo. Por Orlando Castro “O Serviço de Acção Externa está a trabalhar com a Comissão Europeia no documento político de abordagem de crise, que é essencial para que a missão de…

Leia mais

De Myanmar a Angola, a hipocrisia internacional

A polícia de Myanmar (ex-Birmânia) disparou hoje balas de borracha e lançou gás lacrimogéneo sobre as manifestações pacíficas contra o golpe da junta militar, depois do embaixador na ONU ter pedido o fim do golpe e punição dos seus responsáveis. Fosse em Angola (veja-se o mais recente caso de Cafunfo) e as balas seriam reais e os mortos seriam muitos. É a diferença entre um país que se diz democrático e um Estado de Direito (Angola) e, agora, uma ditadura (Myanmar). Segundo as agências de notícias EFE e AFP, as…

Leia mais

Burro às riscas é zebra?

O chefe do PAM – Programa Alimentar Mundial da ONU, David Beasley, alertou que milhões de pessoas podem ser atingidas pela fome devido à combinação entre conflitos armados, alterações climáticas e a pandemia de Covid-19. Esqueceu-se, convenientemente, de falar da criminosa governação de muitos dos países onde a crise é fantasmagórica. David Beasley recordou perante o Conselho de Segurança das Nações Unidas que em Abril alertou sobre a possibilidade de “uma pandemia de fome” (que já é o dia-a-dia de muitos povos, caso de 20 milhões de angolanos pobres) e…

Leia mais