Um general, claro!

Enquanto a ministra da Saúde, Sílvia Lutucuta, confirmou o terceiro caso positivo de Covid-19, o Presidente de Angola designou, como Folha 8 já noticiou, o general Pedro Sebastião para coordenar a comissão intersectorial de luta contra o novo coronavírus, Covid-19, e melhorar as condições de acolhimento no centro de quarentena de Calumbo, onde se verificaram “constrangimentos”. A coordenação adjunta será assegurada pela ministra de Estado para a Área Social, Carolina Cerqueira. A nota da Casa Civil do Presidente João Lourenço menciona a necessidade de garantir acolhimento e acomodação adequados “perante…

Leia mais

Radiografia do que… resta

O país não aguenta mais a continuidade deste circo de faz de conta, girando e patinando com carretos partidos, que não o tiram do mesmo sítio, em função da aselhice, quer dos mecânicos assucatados quer dos condutores que confundem a gestão da coisa pública com o ego umbilical dos palhaços, trapezistas no… solo. É hora de acabar com a pirotecnia, arregaçar as mangas e trabalhar, criando a unidade na diversidade (veja a análise de William Tonet). A estratégia do Presidente da República, João Lourenço, de imitar o Ocidente no combate…

Leia mais

Salários em atraso e desespero no Minamb

«É com muita tristeza que vimos expressar a nossa insatisfação com o Ministério do Ambiente (Minamb), pois somos um grupo de funcionários desta instituição em regime de contrato que vê os seus direitos violados pelo facto de haver muitíssimas irregularidades no que toca ao pagamento dos ordenados bem como da regularização dos contratos», afirmaram ao Folha 8 trabalhadores afectos a este Ministério. Pormenorizando as questões supracitadas que, dizem, “nunca são resolvidas de forma definitiva”, acrescentam que se tornou “normal” para os contratados desta instituição “ficarem períodos que vão dos 5…

Leia mais

E quem se lixa são os…

Em Portugal, os trabalhadores da Efacec estão com o coração nas mãos após o anúncio da venda da participação de Isabel dos Santos (declarada “inimiga número 1” pelo supostamente novo regime do MPLA). Temem o que será uma certeza, novos despedimentos. O Sindicato das Indústrias Transformadoras e Energia do Norte (Site Norte) tem-se mostrado “apreensivo”, primeiro com o arresto das contas e participações em empresas de Isabel dos Santos e, mais recentemente, com o anúncio da venda da participação da empresária angolana na Efacec, rejeitando que tal possa vir a…

Leia mais

Privatizações, Isabel e o alerta dos mercenários

O programa de privatizações lançado em Angola vai ser um teste ao executivo de João Lourenço e à confiança mútua entre investidores e Governo, defende o advogado Bruno Xavier de Pina, desde 2010 sócio da empresa de advogados PLMJ responsável por Angola. Com uma extensa lista de 195 empresas públicas angolanas de vários sectores a privatizar até 2022, Bruno Xavier de Pina realçou que a concretização bem-sucedida deste programa inédito, apresentado na terça-feira, terá “um grande impacto na economia”, mas a última palavra será dos investidores. Por isso, o sucesso…

Leia mais

O MPLA descobriu (aiué!) a receita da pedra filosofal

O Governo angolano afirmou hoje que o Programa de Privatizações (ProPriv), que compreende 195 empresas públicas, vai contribuir para aumentar os níveis de emprego e a eficiência das empresas do país, “reduzindo gradualmente os custos de produção”. Só falta afirmar que, como dizia Agostinho Neto, ao fim de 44 anos o importante é resolver os problemas do Povo. Resolver ou, como é marca registada do MPLA, acabar com o… Povo. “P romover o crescimento de Angola, promovendo o investimento privado e o aumento dos níveis de emprego no nosso país,…

Leia mais

E se alguém puxa o gatilho?

A tese de João Lourenço passou agora a ser de “o Governo precisa de mais tempo”. Os 44 anos que o MPLA leva de governo não chegaram. O Presidente acredita, diz, que o tempo será uma solução para os problemas. Tem razão, desde logo porque para ser um problema (enorme) para a solução basta ele próprio e o seu partido. Por Orlando Castro Assim, vai ensaiando todo uma irracional enciclopédia de soluções, qual delas a mais irracional. Vejamos um exemplo. Tal como aqui se escreveu no dia 3 de Novembro…

Leia mais

Crise rebenta (também) com a vida dos portugueses

Para milhares de portugueses, a desvalorização em curso no kwanza significa, por estes dias, a machadada final no que alguns chegaram a apelidar de “El Dorado” angolano. Para muitos, o regresso a casa nunca esteve tão próximo. Só em 15 dias de Janeiro, a desvalorização superior a 25% do kwanza, face ao euro, representa menos 700 euros por mês num salário médio, em Luanda, de 650.000 kwanzas (3.000 euros), recebido em moeda angolana por um trabalhador expatriado. Sónia Silva, gerente de uma agência de viagens angolana com sede em Luanda,…

Leia mais

Eles “gasosam”. E tu?

A poucos dias do início das aulas no ensino geral em Angola, milhares de pais e encarregados de educação ainda tentam conseguir uma vaga nas escolas públicas, que chegam a ser “negociadas”, ilegalmente, acima de 40.000 kwanzas (175 euros). Com cerca de 10 milhões de estudantes previstos para o novo ano lectivo no ensino geral, que arranca em Fevereiro, as autoridades angolanas admitem a falta de salas e de professores deverá voltar a afastar vários milhares de alunos do ensino público. A situação, que se sente em todo o país,…

Leia mais

Luanda está às escuras?
– Sim, mas só à… noite!

Os empresários de Luanda começam a desesperar com os custos acrescidos com combustível para os geradores, de dezenas de euros por dia, necessário para manter o negócio a funcionar, face às poucas horas diárias de electricidade da rede pública. Há mais de um mês que a capital angolana regista restrições diárias no fornecimento da electricidade devido, neste caso segundo a justificação oficial, ao enchimento da albufeira da barragem de Laúca, que particularmente no centro de Luanda é garantida apenas, em regra, entre as 18 e as 24 horas, obrigando os…

Leia mais