Privatizações agro-industriais

O Instituto de Gestão de Activos e Participações do Estado (IGAPE) de Angola anunciou hoje a abertura de concurso público para a privatização de três empreendimentos agro-industriais no país no âmbito do Programa de Privatizações (PROPRIV). Em causa está a privatização dos complexos industriais do Dombe Grande e do Namibe e ainda do Matadouro de Malange em concurso virtual que será aberto no próximo dia 29. De acordo com o comunicado do IGAPE, o acto irá decorrer de forma virtual, através da plataforma de leilão electrónico do PROPRIV, por via…

Leia mais

Cheque na mão mataco no chão

O Presidente João Lourenço assinou um acordo entre Angola e um consórcio de bancos no valor de 910 milhões de dólares (751,4 milhões de euros) para financiar o projecto de abastecimento de água do Bita, em Luanda. Também determinou que as participações sociais detidas pelas extintas empresas públicas BOLAMA e CERVAL “passam para a titularidade do Estado”. A isso junta que a aprovação da quinta revisão do Programa de Financiamento Ampliado do Fundo Monetário Internacional (FMI) mostra a “confiança da comunidade financeira internacional”. É para rir ou chorar? O Despacho…

Leia mais

Covid-19 infectou as… privatizações

O director do departamento de privatizações do Instituto de Gestão de Activos e Participações do Estado (IGAPE) disse hoje que a pandemia, a recessão, o rating e as estratégias sectoriais são as principais dificuldades do programa de privatizações angolano. Ou seja, o MPLA fez tudo bem mas as causas externas estragaram tudo. Será? “A recessão económica, a pandemia de Covid-19, a descida da classificação do risco de crédito, que dificulta o financiamento das empresas que querem investir e a necessidade de consolidação das estratégias sectoriais são os principais desafios do…

Leia mais

Está tudo à venda

A ministra das Finanças angolana, Vera Daves, quer maior envolvimento dos governos provinciais e investidores locais nos processos de privatização, admitindo que venham a ser incluídos no programa mais empresas e activos locais. Não seria mais lucrativo vender (o país) por atacado? A informação foi veiculada pelo Ministério das Finanças (Minfin) numa nota, após uma reunião de Vera Daves com os 18 governadores provinciais, por videoconferência, em que foram abordados o Programa de Privatizações (Propriv), o Plano Integrado de Intervenção nos Municípios (PIIM) e a preparação do Orçamento Geral do…

Leia mais

Vamos animar essa malta. Venham as privatizações!

O Governo angolano encaixou 31 mil milhões de kwanzas (44 milhões de euros) com a privatização de 14 empresas, de 2019 até Abril deste ano. Ao mesmo tempo, dezenas de doentes angolanos em tratamento em Portugal estão a passar fome por causa dos atrasos nos apoios oficiais e assumidos pelo Governo angolano. O secretário de Estado para as Finanças e Tesouro de Angola, Osvaldo Victorino João, que falava no final de oitava reunião da Comissão Económica do Conselho de Ministros, dirigida pelo Presidente João Lourenço, disse que até ao final…

Leia mais

Vamos animar essa malta. Venham as privatizações!

Um total de 13 unidades fabris começam a ser alienadas, este mês, na segunda fase do processo de privatizações, que o Governo angolano iniciou em 2019 e no qual conseguiu arrecadar 16 milhões de dólares (14,5 milhões de euros), menos 64 milhões do que o previsto, acrescente-se. Segundo o administrador executivo do Instituto de Gestão de Activos e Participações do Estado (IGAPE), Akiules Neto, tratam-se de 13 unidades fabris, localizadas na Zona Económica Luanda/Bengo, das quais apenas duas se encontram inoperantes. Akiules Neto, que falava à margem de um encontro…

Leia mais

Orgasmo dos esclavagistas

A ministra das Finanças de Angola, Vera Daves, disse hoje, em Luanda, que o executivo angolano tem consciência de que a poupança interna é ainda insuficiente para assegurar o êxito pleno do Programa de Privatizações (Propriv). É gozar com a nossa chipala ou ter uma orgia à custa dos nossos 20 milhões de pobres que passam, todos os dias, aquilo que o Presidente João Lourenço diz que não existe em Angola – fome? Segundo Vera Esperança dos Santos Daves de Sousa, na abertura do III Fórum de Mercado do Mercado…

Leia mais

Vamos esperar mais 56 anos

Uma especialista do International Finance Corporation (IFC), instituição do Banco Mundial, defende que o sucesso do programa de privatizações do Governo angolano não depende apenas do encaixe financeiro e não deve ser avaliado só no curto prazo. É verdade. O MPLA, que só está no governo há 44 anos, precisa de pelo menos mais 56 anos… Em entrevista à Lusa, Katia Daúde, representante interina do IFC para Angola, que assessora (claro!) as autoridades angolanas no processo, sublinhou que na lista das 195 empresas a privatizar encontram-se várias entidades que receberam…

Leia mais

Contas furadas reflectem
boa (in)gestão do Governo

Dezasseis milhões de dólares foi o valor que o Estado angolano arrecadou, menos 64 milhões do que o previsto, com a privatização integral de cinco unidades industriais instaladas na Zona Económica Especial (ZEE) Luanda/Bengo, inoperantes há 10 anos. No âmbito das (supostas) boas contas do MPLA, a projecção inicial era arrecadar 80 milhões de dólares, mas o mercado acabou por ditar o valor final das aquisições, revelando que mais uma vez os cálculos saíram furados. As unidades foram vendidas no quadro do processo de privatização de activos do Estado, que…

Leia mais

Privatize-se o reino, já! Começando pelo Governo

O ministro da Agricultura e Florestas, António Francisco de Assis, pediu mais investimentos de operadores privados no sector agrícola, com vista a se elevar cada vez mais a produção. O melhor mesmo é privatizar-se todo o país. E já! Começando, obviamente, pelo Governo! Falando hoje, domingo, no município de Cacuso, província de Malanje, onde se inteirou do funcionamento de algumas empresas instaladas no Pólo Agro-industrial de Capanda, o ministro fez saber que ao Estado deve caber, essencialmente, a função de criar políticas de incentivo e de fiscalização das acções agrícolas.…

Leia mais