Se Espanha o diz e (até) paga…

Espanha vai ampliar em 200 milhões de euros a cobertura de risco das exportações para Angola, “um claro compromisso com o desenvolvimento económico e com a recuperação económica deste país”, anunciou hoje, em Luanda, o primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez. O Presidente do Governo da Espanha, Pedro Sánchez, considerou Angola um mercado “muito importante” para o seu país, com o qual mantém relações “excelentes”, quando intervinha hoje no encerramento do Fórum Empresarial Angola/Espanha, o primeiro ponto da agenda de trabalho. “Para o Governo de Espanha, Angola é um país amigo, com…

Leia mais

É verdade que as couves devem ser plantadas
com a raiz para baixo?

O Governo angolano (diz que) lamenta a falta de projectos realistas na cadeia produtiva, razão pela qual tenta (é o que faz há mais de 40 anos) justificar a crónica carência de produtos da cesta básica, o exponencial aumento da fome e o crescente número de angolanos pobres, 20 milhões antes da pandemia da Covid-19. Por Orlando Castro (*) Nem mesmo o Programa de Apoio ao Crédito (PAC), criado em cima do joelho e de forma apressada para dinamizar a produção interna e abrir caminhos para as exportações, está a…

Leia mais

Do canhangulo à AK-47

O Governo angolano decidiu atribuir crédito fiscal de 12 meses para as empresas sobre o Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) a pagar na importação de bens de capital e de matéria-prima como forma atenuar o impacto da Covid-19. Não basta expor um canhangulo com a legenda a dizer que é uma AK-47. A decisão expressa no “Portal de Alívio Económico de Resposta à Covid-19”, refere que a decisão incide sobretudo nas empresas importadoras de bens de capital e matéria-prima que sejam utilizados para a produção de bens da cesta…

Leia mais

Se o Governo não governa, investidores não investem

O Governo angolano manifestou hoje preocupação com a “fraca adesão” ao Programa de Apoio ao Crédito (PAC), que disponibiliza 2 mil milhões de dólares (1,8 mil milhões de euros) para o sector produtivo, pois foi concedido “apenas 5%”. Importa reconhecer que o Governo do MPLA ainda não começou a governar o país pois, compreensivelmente, está há 44 anos a acumular experiência para tentar começar a governar num dos próximos anos… “Temos identificado recursos no montante de 2 mil milhões de dólares a esta data temos perto de 50 mil milhões…

Leia mais

UNITA diz que Portugal foi (muito) usado pelo… MPLA!

O presidente da UNITA, Adalberto da Costa Júnior, afirma que Portugal “foi usado” (provavelmente uma referência às monumentais lavandarias de Lisboa) por governantes angolanos e defendeu que o relacionamento recíproco entre os dois países poderia ser mais vantajoso do que é actualmente… soubesse Portugal manter aquilo que raramente considerou essencial: a equidistância. Em declarações à Agência Lusa, Adalberto da Costa Júnior que viveu vários anos e se formou em Portugal, sobretudo na região do Porto, afirmou que a relação entre os dois países “nem sempre foi formatada por razões de…

Leia mais

Diferentes? Sim.
Iguais? Também!

O presidente da Câmara de Comércio e Indústria Portugal-Angola (CCIPA) disse hoje à Lusa que há uma “alteração de paradigma” em Angola, mas alertou que a diversificação económica é um processo que demora tempo. João Traça tem razão. Nós, aliás, prevemos que o MPLA precise de pelo mais 56 anos. Razão tinha… Miguel Relvas! “H á uma ambição de tornar Angola um país muito atractivo para os investidores estrangeiros, e isso passou não só por alterações legislativas, mas também pelo Governo ter arregaçado as mangas, não hesitando em viajar para…

Leia mais

Elogio em boca própria é
o MPLA na versão… Trump!

O Presidente João Lourenço destacou hoje o “esforço de mudança” em Angola, através do qual espera colocar o país “no mesmo patamar em que se encontram as nações empenhadas em promover o seu sucesso”. Há 44 anos que o MPLA promete a mesma coisa. O melhor mesmo é esperar mais 56 anos, até que no centenário da governação se possa fazer um balanço mais assertivo. “E stá a realizar-se em Angola, com a participação de políticos, da sociedade civil, da população em geral e do executivo, um esforço de mudança…

Leia mais

Privatizações, Isabel e o alerta dos mercenários

O programa de privatizações lançado em Angola vai ser um teste ao executivo de João Lourenço e à confiança mútua entre investidores e Governo, defende o advogado Bruno Xavier de Pina, desde 2010 sócio da empresa de advogados PLMJ responsável por Angola. Com uma extensa lista de 195 empresas públicas angolanas de vários sectores a privatizar até 2022, Bruno Xavier de Pina realçou que a concretização bem-sucedida deste programa inédito, apresentado na terça-feira, terá “um grande impacto na economia”, mas a última palavra será dos investidores. Por isso, o sucesso…

Leia mais

Papel higiénico e carapau
(do Cunene) com fartura!

No discurso de abertura que hoje proferiu no Fórum com os empresários nacionais, João Lourenço disse que “o Banco de Desenvolvimento de Angola foi orientado no sentido de utilizar recursos do Fundo Nacional do Desenvolvimento para bonificar as taxas de juro ainda muito altas prevalecentes no mercado financeiro, para créditos a conceder pelos bancos comerciais para investimentos nos produtos prioritários definidos no âmbito do PRODESI”. “O Banco Nacional de Angola orientou ainda os Bancos Comercias a concederem crédito para parte dos produtos priorizados pelo PRODESI, no montante mínimo equivalente a…

Leia mais

Louvados sejam os pobres
(de espírito… mas não só!)

O Presidente da República, em consonância com o Presidente do MPLA e com o Titular do Poder Executivo, sugeriu, hoje, o que o MPLA sugere há quase 44 anos. Ou seja, o aumento do investimento na economia, para melhorar a oferta de emprego, sobretudo no sector privado. Ao discursar no acto de abertura do Fórum Empresarial, o Chefe de Estado reconheceu que os níveis de desemprego subiram, como consequência da recessão registada nos últimos anos, o que parece ser uma novidade com a qual ninguém contava… “Trata-se de um problema…

Leia mais