Parem de gozar com a nossa chipala

O presidente da Confederação Empresarial da CPLP, Salimo Abdula, manifestou “satisfação” por a presidência angolana da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) dar prioridade à cooperação económica e falar da criação de um banco. Na verdade, quanto mais dólares e euros existirem na gamela… melhor. O presidente da Confederação Empresarial da CPLP (um emblemático elefante branco), Salimo Abdula, defende – por exemplo – que a Guiné Equatorial não deve ser afastada da organização e está preocupado com posições públicas de governantes sobre aquele país-membro. É muito mais fácil e…

Leia mais

Uma orgia (+ ou -) em português

O Presidente da Guiné Equatorial, paradigma do que não é uma democracia e um Estado de Direito, Teodoro Obiang Nguema Mbasogo, corta hoje a fita da hipocrisia de uma espécie de cimeira lusófono em que participam 250 empresários de Portugal, Moçambique, Angola e Cabo Verde em Malabo. É a primeira cimeira de negócios promovida pela Confederação Empresarial da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CE-CPLP). São Tomé e Príncipe estará representado ao mais alto nível com a presença do Presidente da República, Evaristo Carvalho, que com o anfitrião, Teodoro Obiang,…

Leia mais

Se Espanha o diz e (até) paga…

Espanha vai ampliar em 200 milhões de euros a cobertura de risco das exportações para Angola, “um claro compromisso com o desenvolvimento económico e com a recuperação económica deste país”, anunciou hoje, em Luanda, o primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez. O Presidente do Governo da Espanha, Pedro Sánchez, considerou Angola um mercado “muito importante” para o seu país, com o qual mantém relações “excelentes”, quando intervinha hoje no encerramento do Fórum Empresarial Angola/Espanha, o primeiro ponto da agenda de trabalho. “Para o Governo de Espanha, Angola é um país amigo, com…

Leia mais

É verdade que as couves devem ser plantadas
com a raiz para baixo?

O Governo angolano (diz que) lamenta a falta de projectos realistas na cadeia produtiva, razão pela qual tenta (é o que faz há mais de 40 anos) justificar a crónica carência de produtos da cesta básica, o exponencial aumento da fome e o crescente número de angolanos pobres, 20 milhões antes da pandemia da Covid-19. Por Orlando Castro (*) Nem mesmo o Programa de Apoio ao Crédito (PAC), criado em cima do joelho e de forma apressada para dinamizar a produção interna e abrir caminhos para as exportações, está a…

Leia mais

Do canhangulo à AK-47

O Governo angolano decidiu atribuir crédito fiscal de 12 meses para as empresas sobre o Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) a pagar na importação de bens de capital e de matéria-prima como forma atenuar o impacto da Covid-19. Não basta expor um canhangulo com a legenda a dizer que é uma AK-47. A decisão expressa no “Portal de Alívio Económico de Resposta à Covid-19”, refere que a decisão incide sobretudo nas empresas importadoras de bens de capital e matéria-prima que sejam utilizados para a produção de bens da cesta…

Leia mais

Se o Governo não governa, investidores não investem

O Governo angolano manifestou hoje preocupação com a “fraca adesão” ao Programa de Apoio ao Crédito (PAC), que disponibiliza 2 mil milhões de dólares (1,8 mil milhões de euros) para o sector produtivo, pois foi concedido “apenas 5%”. Importa reconhecer que o Governo do MPLA ainda não começou a governar o país pois, compreensivelmente, está há 44 anos a acumular experiência para tentar começar a governar num dos próximos anos… “Temos identificado recursos no montante de 2 mil milhões de dólares a esta data temos perto de 50 mil milhões…

Leia mais

UNITA diz que Portugal foi (muito) usado pelo… MPLA!

O presidente da UNITA, Adalberto da Costa Júnior, afirma que Portugal “foi usado” (provavelmente uma referência às monumentais lavandarias de Lisboa) por governantes angolanos e defendeu que o relacionamento recíproco entre os dois países poderia ser mais vantajoso do que é actualmente… soubesse Portugal manter aquilo que raramente considerou essencial: a equidistância. Em declarações à Agência Lusa, Adalberto da Costa Júnior que viveu vários anos e se formou em Portugal, sobretudo na região do Porto, afirmou que a relação entre os dois países “nem sempre foi formatada por razões de…

Leia mais

Diferentes? Sim.
Iguais? Também!

O presidente da Câmara de Comércio e Indústria Portugal-Angola (CCIPA) disse hoje à Lusa que há uma “alteração de paradigma” em Angola, mas alertou que a diversificação económica é um processo que demora tempo. João Traça tem razão. Nós, aliás, prevemos que o MPLA precise de pelo mais 56 anos. Razão tinha… Miguel Relvas! “H á uma ambição de tornar Angola um país muito atractivo para os investidores estrangeiros, e isso passou não só por alterações legislativas, mas também pelo Governo ter arregaçado as mangas, não hesitando em viajar para…

Leia mais

Elogio em boca própria é
o MPLA na versão… Trump!

O Presidente João Lourenço destacou hoje o “esforço de mudança” em Angola, através do qual espera colocar o país “no mesmo patamar em que se encontram as nações empenhadas em promover o seu sucesso”. Há 44 anos que o MPLA promete a mesma coisa. O melhor mesmo é esperar mais 56 anos, até que no centenário da governação se possa fazer um balanço mais assertivo. “E stá a realizar-se em Angola, com a participação de políticos, da sociedade civil, da população em geral e do executivo, um esforço de mudança…

Leia mais

Privatizações, Isabel e o alerta dos mercenários

O programa de privatizações lançado em Angola vai ser um teste ao executivo de João Lourenço e à confiança mútua entre investidores e Governo, defende o advogado Bruno Xavier de Pina, desde 2010 sócio da empresa de advogados PLMJ responsável por Angola. Com uma extensa lista de 195 empresas públicas angolanas de vários sectores a privatizar até 2022, Bruno Xavier de Pina realçou que a concretização bem-sucedida deste programa inédito, apresentado na terça-feira, terá “um grande impacto na economia”, mas a última palavra será dos investidores. Por isso, o sucesso…

Leia mais