DESEMPREGO (32,4%) NÃO OBEDECE ÀS ORDENS DO MPLA

A taxa de desemprego em Angola aumentou para 32,4% no primeiro trimestre de 2024, sendo os mais novos os mais atingidos pelo desemprego, que afecta 63,5% dos jovens entre 15 e 24 anos. egundo os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), a taxa de desemprego na população com 15 a 24 anos subiu 9,1% nos primeiros três meses de 2024 face ao trimestre anterior (58,3%), enquanto a taxa de desemprego na população com mais de 15 anos teve um aumento menos expressivo em termos trimestrais (de 31,9% para 32,4%).…

Leia mais

MOÇAMBIQUE CRIOU 450 MIL EMPREGOS EM 2023

Moçambique criou quase 450 mil empregos em 2023, acima do projectado e o valor anual mais elevado desde 2019, segundo dados do Governo. De acordo com dados da execução orçamental de Janeiro a Dezembro, foram criados 446.483 empregos nos sectores público e privado ao longo de 2023, acima dos 381.759 inicialmente projectados, número apenas superado pelo desempenho de 2019, com 478.904 empregos. Alguém (ainda) se lembra dos 500 empregos prometidos pelo MPLA? Governo moçambicano anunciou anteriormente que o país registou um crescimento económico de 5% em 2023 face a 4,4%…

Leia mais

TOGO AJUDA MILHARES DE MULHARES VULNERÁVEIS

No Togo, um projecto de inclusão financeira está a capacitar milhares de mulheres. O seu principal objectivo era reforçar os esforços para capacitar as mulheres vulneráveis e aumentar a sua participação nas actividades económicas. djoa Agbomassi vende produtos hortícolas a 45 quilómetros de Lomé, na cidade de Aného. Ela sofre de fístula obstétrica e, graças ao Projecto de Apoio à Inclusão Financeira das Mulheres Vulneráveis (PAIFFV), pôde dedicar mais tempo ao seu negócio. “Antes, comprava legumes em pequenas quantidades, mas agora, graças ao projecto, tenho financiamento que me permite comprar…

Leia mais

VOZ DO POVO NÃO CHEGA AO PARAÍSO (MPLA)

As famílias angolanas mostram baixas expectativas sobre a sua condição socioeconómica desde finais de 2022 e acreditam que a situação económica do país e o desemprego vão piorar até Setembro de 2024, mostra um inquérito oficial (Instituto Nacional de Estatística). grau de cepticismo (desespero seria o termo mais apropriado num país quem tem cerca de 35 milhões de habitantes, 20 milhões dos quais são pobres) dos angolanos sobre a sua condição socioeconómica e do país vem descrito no Inquérito de Conjuntura no Consumidor (ICC) referente ao terceiro trimestre de 2023,…

Leia mais

DESEMPREGO (OFICIAL) É “SÓ” DE 31,9%

A taxa oficial de desemprego em Angola aumentou 2,2 pontos, para 31,9%, no último trimestre do ano passado, com 80,5% dos empregados a trabalhar no sector informal, segundo estatísticas oficiais hoje divulgadas. e acordo com o Instituto Nacional de Estatística (INE) angolano, “ao nível nacional a maioria das pessoas empregadas encontra-se no emprego informal, 80,5% das quais 72,2% entre homens e 88,5% entre mulheres”. O relatório sobre os Indicadores de Emprego e Desemprego em Angola, resultantes do Inquérito ao Emprego em Angola, mostra que “a taxa de emprego informal é…

Leia mais

“LAVA-PÉS” NA VERSÃO DOS POBRES ANGOLANOS

Por falta de emprego, vários jovens e mulheres oferecem-se para lavar os pés ou cobrir os pés dos que frequentam o mercado do Kikolo, município de Cacuaco, com “sacos plásticos pretos” por 100 a 200 Kwanzas. Na religião católica, o “lava-pés” é uma cerimónia em que se lava os pés aos… pobres (na Quinta-Feira Santa). Por Geraldo José Letras empre que chove na província de Luanda, a lama mal cheirosa e as águas paradas tornam difícil o acesso e a circulação pelo mercado do Kikolo que não tem em toda…

Leia mais

PREI(A-MAR) DA DEMAGOGIA DO MPLA

O emblemático (segundo o MLA) Programa de Reconversão da Economia Informal (PREI), em curso no país desde 2018, formalizou, na primeira fase, mais de 250 mil trabalhadores informais, informou hoje, em Luanda, a ministra da Administração Pública, Trabalho e Segurança Social, Teresa Rodrigues Dias. alando na abertura do I Fórum Internacional de Reconversão da Economia Informal, a governante disse que o Executivo continua empenhado na continuação do referido processo, que, além de regularizar os operadores, criou, igualmente, mais de nove mil novos empregos. É isso aí, angolanos! Mais um pequeno…

Leia mais

TODOS QUEREM FUGIR DO PARAÍSO (DO MPLA)

Portugal é porta de entrada na Europa para muitos jovens angolanos, que, “desesperados” pela falta de emprego e melhores condições de vida, apesar de o Presidente da República (João Lourenço) dizer que o país é (quase) um paraíso, no que é corroborado pelo Presidente do MPLA (João Lourenço) e pelo Titular do Poder Executivo (João Lourenço), dizem-se ávidos em emigrar para o espaço europeu por “faltar quase tudo” em Angola. o novo centro de vistos dedicado a Portugal, inaugurado na segunda-feira em Luanda, as filas quase intermináveis desde as primeiras…

Leia mais

GOVERNO “ACONSELHADO” A DESCALÇAR-SE PARA CONTAR ATÉ 12

Angola conta hoje com 9,1 milhões de empregos e 14,1 milhões de pessoas em idade activa, estando desempregados 22% dos jovens, situação que “ameaça a estabilidade económica e social futura” do país, segundo um estudo do Banco Mundial (BM). Será que não contaram os 500 mil empregos que o MPLA prometeu criar, na anterior legislatura? Chato. As promessas, mesmo que não cumpridas, deveriam… contar! Relatório sobre Emprego Juvenil em Angola: Oportunidades, Desafios e Orientação de Políticas Públicas, elaborado pelo Banco Mundial (BM) e apresentado hoje, em Luanda, relata que na…

Leia mais

BORRASCA, TERRAMOTO… ÓBITO

O presidente do Sindicato dos Jornalistas de Portugal, Luís Filipe Simões, afirma que o sector dos media em Portugal “neste momento não está nada bem” e considerou que “mais cedo do que tarde” vai ter que existir “uma resposta global”. “sector neste momento não está nada bem”, afirmou Luís Filipe Simões, adiantando que, face ao contexto do aumento de custos, a alta da inflação, a subida das taxas de juros, os trabalhadores têm defendido actualizações salariais e “é muito rara a empresa que está a responder a estas preocupações”, No…

Leia mais