SILÊNCIO DOS BONS (TAMBÉM) ASFIXIA A LIBERDADE

O governo angolano diz que estão em curso “tarefas” para a regularização legal (o que faz presumir a existência de regularização… ilegal) do canal Zap Viva, gerido pela tutela, enquanto a Vida TV “não supriu até ao momento” os constrangimentos legais e a TV Record interpôs uma acção em tribunal. Os três canais angolanos foram obrigados a suspender a emissão em Abril do ano passado pelo Ministério das Telecomunicações, Tecnologias de Informação e Comunicação Social (Minttics), por “inconformidades legais”. Entretanto, no final do mês passado, o anúncio de que centenas…

Leia mais

TUDO O QUE NÃO É DO MPLA… FECHA

O canal ZAP Viva, que estava suspenso em Angola desde Abril do ano passado, vai encerrar e despedir centenas de funcionários. Tudo normal no âmbito estratégico de aumentar a pujança da liberdade de expressão do MPLA, nem que para isso mande para o desemprego mais umas centenas de trabalhadores. Aliás, tudo o que não é do MPLA é para… fechar. Este é o segundo canal a fechar portas na sequência da decisão do Ministério das Telecomunicações, Tecnologias de Informação e Comunicação Social, que obrigou a suspender os canais alegando “inconformidades”,…

Leia mais

TER EMPREGO É… RELATIVO. A FOME TAMBÉM!

Dezenas de funcionários do Entreposto Aduaneiro de Angola (EAA), em Luanda, que denunciam alegados despedimentos arbitrários e gestão danosa, forçaram hoje a transferência do acto de lançamento da Reserva Estratégica Alimentar (REA), exigindo os empregos de volta. O início da operacionalização da REA, iniciativa do Governo angolano para influenciar a baixa de preços dos produtos alimentares, estava marcado para esta terça-feira (como o Folha 8 noticiou), nas instalações do EAA, em Luanda, e seria presidido pelo ministro da Indústria e Comércio angolano, Vítor Fernandes. Frente a uma das naves do…

Leia mais

DO LIXO (DE MILHÕES) AO LUXO DE ALGUNS

A arte juntou-se este ano aos negócios na Feira Internacional de Luanda (FILDA) pelas mãos do artista Jone Ferreira que recorreu à sucata para criar peças que remetem para a identidade angolana. JÁ em 2019, Manuel Francisco Fabiano Samuel, cujo nome artístico, “Samuelarte”, fazia arte sob o lema “Do Lixo ao Luxo”. Entre as cerca de 500 empresas que marcam presença este ano na FILDA em busca de novas oportunidades de negócios, a galeria ELA (Espaço Luanda Arte) faz a diferença, expondo obras de arte nascidas a partir de uma…

Leia mais

SÓ ESTÁ DESEMPREGADO QUEM NÃO TEM EMPREGO, EXPLICA O MPLA

A Comissão Económica do Conselho de Ministros de Angola aprovou hoje um diploma com incentivos à contratação de desempregados, jovens e cidadãos portadores de deficiência, entre outras medidas de apoio à retoma da economia. Em relação aos 500 mi postos de trabalho prometidos por João Lourenço em 2017 já só faltam… 500 mil. Segundo os peritos dos peritos do regime, os empregadores que celebrem contratos de trabalho com pessoas desempregadas, jovens, portadores de deficiência e estagiários terão benefícios que se traduzem na redução de 50% ou isenção da taxa contributiva…

Leia mais

Está difícil viver sem… comer

Cidadãos em Luanda dizem-se “desiludidos” com a governação de João Lourenço, eleito (não nominalmente) há quatro anos, apontando a “degradação socioeconómica, o desemprego e altos preços dos produtos” como “grandes males”, enaltecem o combate à corrupção, mas pedem “resultados práticos”. João Lourenço foi eleito como cabeça-de-lista do partido vencedor, o MPLA, em 23 de Agosto de 2017 como novo Presidente da República em substituição de José Eduardo dos Santos, que esteve no Poder durante 38 anos. Populares em Luanda consideraram hoje crítica a situação do país, com o “escalar” do…

Leia mais

Biscates estão como o MPLA…

A taxa de desemprego em Angola aumentou para 31,6%, no segundo trimestre de 2021, fixando-se em mais 1,1% face ao trimestre anterior, e a taxa de emprego nesse período caiu 1%, anunciou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE). Está, portanto, tudo em sintonia com a estratégia do MPLA que garante (e nós acreditados) que só está desempregado quem não tem emprego… O emprego no segundo trimestre de 2021 recuou 1% em relação ao trimestre anterior e apresentou uma variação crescente de 6,4% quanto ao trimestre homólogo de 2020. Os…

Leia mais

Mais 300 para o desemprego

A Vida TV, um dos canais suspensos desde Abril pelo governo angolano por “inconformidades” fecha portas no final de Julho, deixando no desemprego mais de 300 profissionais, depois do anúncio da rescisão do contrato com a DSTV. A direcção da empresa comunicou a decisão internamente aos seus colaboradores, depois de ter recebido a notificação da operadora sul-africana, que rescindiu o contrato por incumprimento, segundo uma fonte ligada ao canal. Tchizé dos Santos, foi uma das investidoras iniciais do canal, mas de acordo com uma fonte contactada pela Lusa, que pediu…

Leia mais

As novas medidas e o aumento do desemprego

Conheço várias pessoas, em Kaluquembe, cuja fonte para alimentar as suas famílias limitava-se em ir a Luanda, comprar coisas, como roupa, perfumes, cabelo, dar a kilapi e outros entregar a jovens para zungar por elas, criando, assim, uma ampla rede de comercial onde cada comia a sua medida. Por Edu Rocha (*) Outras, iam à Namíbia, pegavam produtos de lá e faziam a mesma coisa. Há jovens (mulheres) tralhando nesses armazéns e como o ordenado não lhes cobre a conta, às 19h, nas ruelas do Lubango, acendiam um fogareiro em…

Leia mais

É a Covid-19, é a chuva, é a seca. Nunca é o MPLA

O Governo angolano assumiu hoje que a pobreza multidimensional no país se tenha “agravado para mais de 54%”, sobretudo devido às “dificuldades impostas pela Covid-19”, que se juntam ao “excesso de chuvas, à seca e outras calamidades”. Para dizer que tudo esta “pobreza multidimensional” tem na sua origem outras causas estamos cá nós. É essas devem-se a um vírus para o qual não existe, por enquanto, cura. Trata-se da pandemia MPLA-45. Segundo o ministro da Economia e Planeamento angolano, Sérgio Santos, que admitiu um “aumento da população em condição de…

Leia mais