Memórias do Plano Director de Luanda

Em Abril de 2018, o Presidente João Lourenço colocou nas mãos da ministra do Ordenamento do Território e Habitação, Ana Paula de Carvalho, a coordenação do Plano Director Geral Metropolitano de Luanda, para desenvolver, em 15 anos, a “nova” capital, elaborado pela empresa de Isabel dos Santos. Em causa estava o despacho presidencial 37/18, de 2 de Abril, com o qual o Presidente João Lourenço colocou a ministra Ana Paula de Carvalho a coordenar a implementação deste plano de milhares de milhões de euros, então “coadjuvada” pelo governador da província…

Leia mais

Foi ela que inventou o Covid-19?

O banco BIC Cabo Verde (BIC-CV), participado maioritariamente pela empresária angolana Isabel dos Santos (paradigma de quase todos os males em Angola, segundo os peritos dos peritos ao serviço do Presidente João Lourenço), apresentou prejuízos de 2,9 milhões de euros em 2020, depois de lucros de seis milhões de euros no ano anterior. É de Isabel dos Santos? Arreste-se tudo, determinou João Lourenço. No relatório e contas de 2020 do banco, o presidente do Conselho de Administração do BIC-CV, Fernando Teles, escreve que o ano passado – marcado pelo processo…

Leia mais

A luta (conti)nua entre cleptocratas

Gravações secretas citadas por advogados de Isabel dos Santos num processo judicial em Londres alegam que os ficheiros relativos ao caso “Luanda Leaks” foram entregues pelos serviços secretos angolanos ao pirata informático Rui Pinto e que – como Folha 8 revelou em 19 de Janeiro de 2020 – uma cópia “seguiu de Luanda para Lisboa numa mala diplomática”. Os documentos foram depositados na semana passada junto do Tribunal Comercial do Tribunal Superior de Londres no âmbito do processo judicial da empresa de telecomunicações Unitel contra a Unitel International Holdings (UIH),…

Leia mais

Conspiração para roubar

Isabel dos Santos diz ter apresentado novas provas ao Tribunal Superior de Londres que demonstram que os ataques do Estado angolano “foram impulsionados não só por motivos políticos e financeiros, mas também como forma de distrair a opinião pública da corrupção e do suborno que assola o Governo de João Lourenço” (outros desenvolvimentos no artigo “Vingança ainda está em banho… Isabel”, hoje publicado pelo Folha 8). A empresária Isabel dos Santos acusou esta segunda-feira o Presidente angolano, João Lourenço, de tentar “usurpar” ilegalmente os seus bens e apresentou no Tribunal…

Leia mais

Vingança ainda está em banho… Isabel

Segundo o jornal Financial Times, Isabel dos Santos alega que João Lourenço deu ordens a procuradores, juízes e espiões angolanos para lançarem uma “campanha política” e acções judiciais para desmantelar o seu império, no âmbito de uma “agenda política e vingança pessoal”. Diz o Jornal de Negócios (de Portugal) que – segundo documentação apresentada por Isabel dos Santos a Justiça britânica, verifica-se a existência de uma espécie de “task force” a nível governamental montada para a atingir. Existem, de acordo com a empresária, gravações secretas captadas pelo grupo israelita Black…

Leia mais

A pólvora “made in” FMI

O director do departamento africano do Fundo Monetário Internacional (FMI), Abebe Aemro Selassie, considera, em declarações à Lusa, que os investidores globais têm de olhar para África porque o continente terá um papel cada vez mais preponderante. Não descobriu a pólvora, mas anda lá perto, eventualmente repristinando o que pensavam os colonizadores de há séculos. “África vai ter um papel cada vez mais importante, e é por isso que o investidor privado tem de ter atenção, senão perde o próximo barco do crescimento”, disse Abebe Selassie, quando questionado se o…

Leia mais

Quem interfere não é o Governo. É o Presidente do MPLA

A Unitel admite que a decisão de processar Isabel dos Santos na justiça britânica para recuperar uma alegada dívida foi discutida e aprovada pela Administração, mas negou (como se alguém acreditasse nisso), em documentos apresentados em tribunal, que tenha sido por ordem do Governo angolano que, há 45 anos, é do MPLA. Numa réplica aos advogados de Isabel dos Santos apresentada no Tribunal Comercial de Londres, a Unitel reconhece que o processo judicial no Reino Unido contra a Unitel International Holdings (UIH), detida pela Isabel dos Santos, para recuperar uma…

Leia mais

E o canto do “não” o xeque dobrou

O ministro angolano dos Petróleos confirmou hoje que o memorando de entendimento entre a Sonangol e um xeque do Dubai para o desenvolvimento do terminal oceânico do Dande não se concretizou, mas garante que o projecto continua. Diamantino Pedro Azevedo, que falava durante um encontro com jornalistas, confirmou que não houve entendimento com o xeque Ahmed Dalmook Al-Maktoum, do Dubai, relativamente à construção da base logística de armazenamento de produtos petrolíferos da Barra do Dande. “O memorando de entendimento não é um contrato, é um documento de intenção que pode…

Leia mais

SindiKa deverá repousar na RD Congo

O maior coleccionador de arte africana, o Kongo-Angolano, Sindika Dokolo, que morreu no dia 29.10, no Dubai, segundo uma fonte familiar, poderá ser enterrado na República Democrática do Congo, onde reside a maioria da família. A mãe, os outros dois irmãos maternos, para além dos outros paternos, todos residem no Congo e, na impossibilidade de o funeral se realizar em Angola, uma vez a esposa, Isabel dos Santos, ter problemas com a justiça, tudo leva a crer que a opção final, será de os restos mortais de Sindika terem a…

Leia mais

Volta Isabel. Estás perdoada!

O Cedesa, centro que estuda assuntos económicos e políticos de Angola, defende a privatização de 33% da petrolífera angolana Sonangol e uma nova estratégia para a empresa, considerando o actual plano de recuperação insuficiente para torná-la lucrativa. Só falta gritar: “Volta Isabel, estás perdoada”. “E m relação à Sonangol, entende-se que não é suficiente e não é a melhor ideia apenas focá-la no petróleo. A reforma da companhia tem de ser mais ambiciosa e com visão de futuro”, afirma o Cedesa, numa análise à situação da empresa estatal (leia-se do…

Leia mais