Engenho, arte e improviso

A reparação de telemóveis pelas ruas de Luanda é hoje um ofício para centenas de jovens que, mesmo sem qualquer formação técnica, garantem solucionar qualquer avaria a partir de 1.000 kwanzas (cinco euros). A necessidade aguça o engenho e os angolanos não deixa os seus créditos por mãos alheias. Mesa posta com telemóveis, ‘tablets’ e outros instrumentos electrónicos, sinalizam a presença dos “mestres”, como são tratados pelos clientes, em qualquer bairro ou mercado da capital angolana, na sua maioria jovens. É no mercado dos “Congoleses”, no distrito do Rangel, arredores…

Leia mais

Polícia assassinou-o ou mantém-no sob cativeiro?

O cidadão Mariano Ribeiro, mais conhecido por Yano, continua desaparecido, depois dos agentes da Investigação Criminal o terem retirado compulsivamente do Hospital Maria Pia, no dia 22 de Julho, conforme noticiamos, em primeira-mão. Neste momento, os familiares continuam preocupados e acreditam mesmo que, no estado em que se encontrava, com os membros inferiores partidos e os olhos completamente inflamados e sem os poder abrir, fruto do espancamento a que foi sujeito, poderá ter acontecido o pior. A CRA (Constituição da República de Angola), proíbe a pena de morte e no…

Leia mais

Polícia impede assistência e esconde jovem “perigoso”

A Polícia (mais ou menos) Nacional, mais concretamente da esquadra do “Bone Chapéu”, Zona da Fubu, em Luanda, está a ser acusada de ter escondido o jovem Mariano Ribeiro, que na madrugada do dia 21 de Julho foi violentamente espancado, por desconhecidos. Encontrado por um cidadão no seu quintal, este levou-o ao hospital geral de Luanda, pois estava com os membros inferiores partidos e os olhos semi-arrancados. De acordo com a Polícia, que reconheceu o jovem gravemente ferido, tratava-se de um delinquente altamente perigoso. E com esse carimbo, a Polícia…

Leia mais

Nas ruas há de tudo

Milhares de angolanos vão todos os dias para as ruas de Luanda para vender de tudo um pouco, desde armações para óculos ou telemóveis de 1.000 euros, reparando até calçado na via pública, tudo para levar alguns kwanzas para casa. A sobrevivência, sempre difícil (Angola tem 20 milhões de pobres) a isso obriga e, é claro, a necessidade aguça o engenho. Numa ronda pelas ruas da capital angolana, a Lusa constatou esta realidade, que – conta o seu repórter – torna a cidade numa espécie de mercado ambulante global, marcada…

Leia mais

É o desvario total

A experiência de vida, de trabalho suado, honrado e honesto, levaria qualquer comerciante avisado (por ser diferente do empresário do regime, que tem dinheiro sem suor), a traçar linhas programáticas para contornar o actual estado económico, que endivida o país, cada vez mais, em obras dispensáveis de betão, como pontes aéreas e trevos, quando as populações das redondezas, carecem de água, luz, cadeiras, cadernos escolares, aspirinas, seringas e luvas nos hospitais públicos. É o desvario total. Por William Tonet O comerciante avisado, o empreendedor comprometido, abandonaria a política dos paliativos,…

Leia mais

Mandioca e ginguba
nas veias de Luanda

Vendedoras de mandioca e amendoim ou ginguba pelas ruas de Luanda acreditam que aquele produto natural, vendido entre 100 a 200 kwanzas (até um euro) por cada pequeno saco, é um remédio para fertilidade e clientes não faltam. A venda ambulante, informal, de mandioca e ginguba, sobretudo ao longo das filas de trânsito, não para de crescer pelas ruas da capital angolana, onde os automobilistas são os grandes compradores, especialmente os homens. “Todo mundo compra a mandioca e a ginguba. As mulheres compram para comer porque aumenta o leite materno.…

Leia mais

Todos diferentes? Não.
Todos (bem) iguaizinhos

Já temos as listas! E agora que as temos, podemos ver o quão idênticas elas são. Uns dizem-se ser de esquerda, alguns do centro, outros de centro-esquerda, e ainda outros de centro-direita. Quando perguntamos aos militantes, ainda que do topo, qual o espectro político do seu partido, a maioria nem sabe dizer. E não o sabem porque, na verdade, são partidos sem definição. Por Sedrick de Carvalho Então, podemos partir para outra pergunta: o que acham da forma como o actual presidente da República, José Eduardo dos Santos, introduz os…

Leia mais

MPLA liderou malandros que faliram o BESA

O regime que considera Angola o MPLA e o MPLA Angola, tudo está a fazer para continuar a delapidar os cofres do dinheiro público, gerir mal os destinos de Angola, sem rigor, responsabilidade e sentido patriótico, depois das eleições gerais de Agosto de 2017. Os dados sobre como foram delapidados os cofres de dois bancos comerciais (CAP – Caixa Agro Pecuária e BESA – Banco do Espírito Santo Angola), principalmente, este último, BESA, são arrepiantes. “Num outro país ou com dirigentes mais comprometidos com o país e o seu povo,…

Leia mais

À espera do milagre

Angola poderá paralisar por falta de combustível, com a gasolina em destaque. Os tanques estão quase vazios e, nos últimos tempos, apenas se faz uma gestão criteriosa, para evitar que a população se aperceba de mais esta crise, que se junta às demais. “O s fornecedores estão a condicionar o fornecimento às dívidas que a Sonangol tem e à descredibilização dos últimos tempos, não só com a nomeação da engenheira Isabel dos Santos, como da partidarização da companhia, que tem sido uma autêntica fábrica de corruptos, levando-a de uma companhia…

Leia mais

Mais uma operadora móvel nas mãos do clã Dos Santos

O jovem Eduane Danilo Lemos dos Santos, filho mais velho da Primeira Dama, Ana Paula dos Santos, com o presidente José Eduardo dos Santos, estará a negociar com entidades afectas à Casa Civil do Presidente da República a entrada em funcionamento de uma nova operadora de telefonia móvel em Angola. Por Dionísio Halata Será mias uma a juntar às duas já existentes, designadamente a UNITEL Telecomunicações SA (pertença da sua meia-irmã, Isabel dos Santos, que recentemente foi nomeada Presidente do Conselho de Administração da Sonangol, pelo seu pai) e da…

Leia mais