Justiça procura-se!

Os deputados angolanos das bancadas da oposição que o MPLA ainda permite defenderam hoje que a justiça tem de estar acima dos partidos e dos interesses particulares dos juízes, para que os tribunais mereçam a confiança dos cidadãos, admitindo que são necessárias reformas. É claro que quando, e se, isso acontecer será o fim do MPLA porque Angola passará a ser o que ainda não é: um Estado de Direito Democrático. A Assembleia Nacional realiza hoje a primeira sessão plenária de 2021, debatendo quatro diplomas relacionados com o sector da…

Leia mais

Finalmente a legalidade!

A Assembleia Nacional de Angola está hoje a apreciar um pedido do Presidente da República, João Lourenço (que está presente), sobre a possibilidade de renovação do estado de emergência. É, ao contrário do que se passou quando se decretou pela primeira vez, o procedimento correcto. Isso mesmo explicou o Folha 8 no dia 26 de Março, perante uma enxurrada de críticas. Tínhamos razão. A prova está ai. A análise do pedido é o ponto único e certamente unânime da 3.ª reunião plenária extraordinária da Assembleia. Cumprir-se-á assim uma mera formalidade…

Leia mais

Quase tudo é corrupção,
mas tudo é mesmo… MPLA

Sedrick de Carvalho, da Plataforma Reflexão Angola (PRA), defendeu que as instituições “têm de ser funcionais” e que o Luanda Leaks mostrou uma “grande fragilidade das instituições angolanas”. O Jornalista falava numa mesa redonda intitulada “Luanda Leaks – O Alcance da Corrupção”, no Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa. “I sto revela que temos corrupção nas instituições em Angola”, disse Sedrick de Carvalho sobre o que considerou ser “o principal mal” no país. O jornalista angolano referiu compreender que alguns Estados, como Portugal, “permitam que estas pessoas façam…

Leia mais

Autárquicas? Sim. Quando e apenas como o MPLA quiser

O gradualismo eleitoral divide o MPLA, no poder desde 1975, e o principal partido da oposição que o regime (ainda) permite que vá dando, sob estrito controlo, alguns palpites, a UNITA, que defende que as eleições decorram ao mesmo tempo em todos os municípios. A Assembleia Nacional do MPLA começa nesta quinta-feira a discutir o pacote legislativo com vista à realização das primeiras eleições autárquicas em Angola, previstas para quando o MPLA assim quiser e que, para já, aponta de forma não vinculativa para 2020. Está por definir se a…

Leia mais

A propósito de racismo

Enquanto continuarmos a bipolarizar o conceito de racismo, entre o branco e o preto e vice-versa, numa reivindicação unívoca da referência à cor da pele, estaremos todos a promover o racismo social (nas suas múltiplas formas) instigado pelo racismo emocional (nas suas múltiplas motivações). Por Fernando Casimiro “Didinho” Se há racistas, e há-os de todas as cores, nas instituições públicas ou privadas do Estado, de um qualquer Estado, obviamente que há, e, perante suas atitudes racistas, devem ser denunciados e responsabilizados. Outrossim, a convivência em sociedade, de qualquer ser humano,…

Leia mais

“Jornalismo” bom só se for servil e por isso patriótico

O ministro angolano da Comunicação Social afirmou hoje que, tendo como pano de fundo as chamadas “fake news”, “parece estranho discutir o tema ‘boas notícias’”, sendo esse um desafio da comunicação social no mundo e também em Angola. E o que são boas notícias? Algo milimetricamente coincidente com a propaganda. João Melo falava, enquanto moderador, numa mesa redonda organizada num hotel em Talatona, arredores de Luanda, pelo Ministério da Comunicação Social, subordinado precisamente ao tema “Boas Notícias”, que contou com um painel de três jornalistas, entre eles o português Ferreira…

Leia mais

Me Too: Confessar
o nosso machismo

É verdade. Também sou machista, confesso. E se são esmagadoramente machistas todos os nascidos na década de 80 do século passado, jovens, portanto, todos os nascidos anteriores à referida época são naturalmente ainda mais. É assim em Angola, em outros países africanos e também nos outros continentes. Por Sedrick de Carvalho Começo por confessar ser machista porque considero ser importante primeiro reconhecer que nós, homens, somos essencialmente machistas para, com coerência, participarmos com afinco na abordagem que visa desconstruir os mitos, subterfúgios e argumentos em volta do papel submisso das…

Leia mais

União de facto (ou de fato)
no Acordo Orto… gráfico

A Academia Angolana de Letras (AAL) pediu hoje ao Governo que não ratifique o Acordo Ortográfico (AO), perante os “vários constrangimentos identificados” no documento, que necessita de uma revisão. A decisão foi apresentada pelo reitor da Universidade Independente de Angola e membro da AAL, Filipe Zau, numa conferência de imprensa em que, pela primeira vez, a Academia, criada oficialmente em Setembro de 2016 e que conta com 43 membros, tomou uma posição pública sobre o Acordo Ortográfico, apresentado em 1990. “Recomendamos a todos os Estados [membros da Comunidade dos Países…

Leia mais

Precisará o vigário que lhe ensinem o Padre Nosso?

Especialistas internacionais de vários países, entre eles do Brasil, são aguardados em Outubro próximo, em Luanda, onde vão “ensinar” o “Padre nosso ao vigário”, analisando e discutindo as principais fraudes e delitos económicos e sua forma de prevenção, no quadro do actual contexto de Angola, país governado desde a independência sempre pelo mesmo partido, o MPLA. O evento, promovido pela World Compliance Association – Capítulo Angola (WCA-CA), em parceria com o Instituto Superior de Ciências Criminais e Polícias (ISCCP), surge no quadro da transição de liderança no MPLA e da…

Leia mais

CPLP? Poucos têm milhões, muitos milhões têm pouco

Decorre entre hoje e quarta-feira a XII conferência de chefes de Estado e de Governo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP). Sobre a cimeira da CPLP, que, entre outros temas, vai debater a promoção da circulação dos cidadãos lusófonos, João Lourenço disse que, durante o debate, os nove países irão procurar “as melhores soluções para facilitar a mobilidade entre os povos dos nossos países”, que “une e aproxima os povos e portanto cria outro tipo de sinergias”. Por Orlando Castro A comunidade de países lusófonos, cujo seu expoente…

Leia mais