Ele foi a óbito ou veio a óbito?

Associado a tantos outros, tenho procurado desfraldar a bandeira da Língua Portuguesa, sempre me apadrinhando com os grandes luminares. Notadamente aos que exercem o múnus do Direito, intuito é abrir-lhes a oportunidade de refletir sobre a própria atuação profissional, exercida que é por palavras. Por Prof. Germano Aleixo Filho (*) A verdade é que a língua do dia a dia não deve ser tratada a tabefes, cuspindo-lhe insultos sobre insultos. Mais seja dito: não podemos cair na esparrela de que a pressa justifica nossos deslizes na feitura de um despacho……

Leia mais

Só um Povo culto é livre

O director do Instituto Politécnico de Arte (CEARTE) defendeu hoje a necessidade de os músicos angolanos apostarem mais na formação, dotando-se de ferramentas e conhecimentos científicos que coloquem no mercado produtos com a qualidade desejável para o consumo público. Eusébio Pinto, que falava à imprensa em Luanda, no âmbito Dia Mundial da Música, afirmou que, actualmente, a qualidade melódica está a sobrepor-se ao conteúdo das letras das músicas, razão pela qual os artistas devem olhar para este segmento e apostar na sua melhoria. Felicitando os músicos pela data, o responsável…

Leia mais

Muitos milhões continuam
sem saber ler nem escrever

Mais de quatro milhões de angolanos entre os 15 e os 35 anos continuam sem saber ler nem escrever, sendo muitos os factores que justificam o elevado número, assumiu a ministra da Educação de Angola, Maria Cândida Teixeira. Se a estes se juntarem os que da leitura e da escrita apenas têm uma vaga ideia, ficamos com a perspectiva do enormíssimo analfabetismo funcional, onde se incluem os que sabem ler e escrever, mas não lêem nem escrevem. Maria Cândida Teixeira falava, em Luanda, após a assinatura de um protocolo de…

Leia mais