Futuro será futuro ou
o passado no presente?

Dezenas de pessoas reuniram-se esta quarta-feira, em Lisboa, para discutir o futuro de Angola. Vários participantes consideram que as eleições de Agosto podem ser “um momento de viragem” para o país. Por João Carlos (*) O encontro, promovido pelas associações não-governamentais Frente Cívica e Transparência e Integridade e pelo jornal angolano Folha 8, contou com a participação de Marcolino Moco, ex-primeiro-ministro de Angola, José Marcos Mavungo, economista, filósofo e activista dos Direitos Humanos, e Sedrick de Carvalho, jornalista e activista político do grupo dos 15+2. A iniciativa, que decorreu sob…

Leia mais

A luta… continua

VEJA O VÍDEO. As associações Frente Cívica e Transparência e Integridade e o jornal Folha 8 organizaram ontem, em Lisboa, o debate “Angola, Que Futuro?”. Uma sala cheia com intervenientes atentos e activos mostrou que, afinal, os angolanos querem que, ao fim de 42 anos, Angola seja aquilo que nunca foi – uma democracia e um Estado de Direito. A apresentação em Portugal, pelo presidente da Frente Cívica, Paulo Morais, do livro “Cartilha do Delegado de Lista”, de William Tonet, foi o aperitivo para que Marcolino Moco, José Marcos Mavungo…

Leia mais

A verdade dói, mas só ela cura!

A comunicação que José Marcos Mavungo apresentou ontem aos eurodeputados, em Bruxelas, teve como tema “Governação e dos Direitos Humanos em Angola.” Foi uma brilhante dissertação que todos os angolanos devem ler. No âmbito do serviço público que o Folha 8 presta, apresentamos aqui esse texto. Corremos, mais uma vez, o risco de sermos acusados de pôr em risco a segurança do Estado. Mesmo assim, queremos imaginar que Angola é o que não é: um Estado de Direito democrático. “P ermitam-me desde já saudar e agradecer à eurodeputada da Subcomissão…

Leia mais

Advogados portugueses enaltecem luta de Marcos Mavungo e Luaty Beirão

A Ordem dos Advogados de Portugal recebeu ontem, 5 de Janeiro de 2017, em Lisboa os activistas Luaty Beirão e José Marcos Mavungo, para lhes agradecer a coragem, e ofereceu apoio ao advogado de Cabinda Arão Bula Tempo, que considera alvo de “perseguição”. A bastonária da Ordem dos Advogados de Portugal, Elina Fraga, que presidiu à sessão, considerou “um privilégio encerrar o mandato” com a recepção aos activistas angolanos, que, colectivamente, a OA distinguiu com a medalha de ouro, em Abril de 2016. Eis a comunicação feita na ocasião por…

Leia mais

De joelhos só perante Deus

O activista pelos direitos humanos em Cabinda, José Marcos Mavungo, libertado em Maio depois de mais um processo ditatorial das autoridades de Angola, não acredita que o anunciado afastamento do Presidente José Eduardo dos Santos (há 37 anos no poder sem nunca ter sido nominalmente eleito) signifique uma real mudança e realça o “passivo muito forte” do regime. Em entrevista à Lusa, em Lisboa, onde se encontra por razões de saúde resultantes de sofrimento que sofreu na cadeia, Marcos Mavungo, que esteve mais de um ano preso após ter sido…

Leia mais

Cabinda – Dez anos do Memorando do Namibe

Passaram dez anos sobre o chamado Memorando de Namibe para a Paz na Província de Cabinda, assinado por Bento Bembe e o Governo de Angola. Em Agosto também se assinala os acordos de Helvoirt (Holanda) que resultaram na fusão da FLEC-FAC de Nzita Tiago e da FLEC-Renovada de António Bento Bembe. Dez anos depois, Cabinda continua a ser um assunto proibido nos órgãos de comunicação oficial. Angola varre o assunto para debaixo do tapete como se, com tal atitude, o problema deixasse de existir. Mas não deixa. Aliás, soldados angolanos…

Leia mais

Polícia tentou impedir visita de Mavungo a Benguela

Terminou hoje, 24 de Julho de 2016, a visita de José Marcos Mavungo, activista dos direitos humanos, a Benguela, enquadrada no quadro da campanha de solidariedade levada a cabo pelo Grupo de Trabalho e de Monitoria dos Direitos Humanos (GTMDH). Na agenda da visita, estava programado um encontro com os Jornalistas e um debate sobre a situação dos Direitos Humanos em Cabinda, a participação na manifestação que tinha por objectivo “exigir medidas eficazes contra a inflação e a actual carestia da vida”, entre outras actividades. Programada pelo Movimento Revolucionário de…

Leia mais

Cabinda… em Maio

A libertação, até novas ordens de sua majestade o rei José Eduardo dos Santos, de Marcos Mavungo mostra que uma nova edição, mais cuidada, do 27 de Maio de 1977 está em cima de mesa do regime. Por Orlando Castro A situação em Cabinda, território anexado em 1975 por Angola, poderá ser o rastilho que o regime quer para, reeditando ou não a tese do fraccionismo, decretar uma limpeza de todos quantos pensam de forma diferente e querem que Angola seja uma democracia e um Estado de Direito. Como os…

Leia mais

Supremo absolve Mavungo

O Tribunal Supremo ordenou a absolvição de José Marcos Mavungo, cidadão que havia sido condenado, em primeira instância, pelo Tribunal Provincial de Cabinda, a seis anos de prisão maior por suposta e nunca provada incitação à rebelião e à violência, acrescido de uma multa de 50 mil kwanzas de taxas de justiça. Após analisar o recurso interposto pela defesa, o colectivo de jurados da Câmara Criminal do Tribunal Supremo, que é liderada pelo Juiz Conselheiro Simão de Sousa Victor, concluiu que não existem factos concretos relativamente aos crimes pelos quais…

Leia mais

Detido há um ano

“Faz hoje, dia 14 de Março, um ano, em que o Activista de Direitos Humanos, e economista, José Marcos Mavungo, e o advogado e Activista de Direitos Humanos, Arão Tempo, foram detidos, em Cabinda. Mavungo depois de ter mostrado a intenção de se manifestar, pacificamente, o que não chegou a acontecer, pois além da manifestação ter sido proibida, foi detido de manhã, à saída da sua missa de sábado. Foi meses depois condenado, a 6 anos de cadeia, sem que conseguissem provar, nenhum dos actos, que lhe atribuíram. Até hoje…

Leia mais