Crianças (dos outros) são gente?

As agressões sexuais a crianças têm “crescido bastante” em Angola nos últimos anos e ocorrem mais frequentemente no seio familiar, segundo a investigadora Ana Panzo, autora da obra “Agressores Sexuais de Menores”, que será lançada na próxima sexta-feira. Na verdade, tudo o que não devia crescer… está a crescer como nunca. Os pobres são cada vez mais, os desempregados também. Se o Poder corrompe, o Poder absoluto corrompe ainda mais. E por cá o Poder está há 45 anos nas mãos dos mesmos, o MPLA. Ana Isabel Marques Panzo é…

Leia mais

E os direitos humanos nas zonas diamantíferas?

A organização não-governamental angolana Associação Justiça, Paz e Democracia (AJPD) alertou hoje, em Bruxelas, para o desrespeito pelos direitos das comunidades locais em zonas de exploração de diamantes, apelando à União Europeia para que seja mais interventiva. Numa “mesa redonda” no Parlamento Europeu sobre violações dos direitos humanos no sector diamantífero em Angola, organizada pela eurodeputada socialista portuguesa Ana Gomes e pelo deputado conservador romeno Cristian Preda, a AJPD apresentou o estudo “Os Impactos da Exploração Diamantífera sobre as Comunidades Locais”, que divulgou há menos de um mês em Luanda,…

Leia mais

É preciso resgatar (pôr fim)
esta “Operação Resgate”

Pelo menos 17 elementos entre efectivos da polícia e agentes da fiscalização de Angola foram detidos e encaminhados a tribunal por “tentativa de extorsão, conduta indecorosa e descaminho de bens” no âmbito da “Operação Resgate”, foi hoje anunciado, em Luanda. Marimbondos proliferam e, ao que parece não há dinheiro para comprar… insecticidas. Por Orlando Castro (*) Numa conferência de imprensa destinada a fazer um balanço daquela operação, que decorre há mais de um mês em todo o país, o porta-voz da Polícia Nacional, comissário Orlando Bernardo, indicou que os casos…

Leia mais

Na guerra aos congoleses, ONU espera ordens do MPLA

O coordenador das Nações Unidas em Angola, Paolo Balladelli, defendeu hoje “esforços coordenados” entre as autoridades angolanas e da República Democrática do Congo (RD Congo) no processo de repatriamento de imigrantes ilegais, “receando uma crise humanitária” naquele país. “E stamos a pedir também respeito das condições dos imigrantes para evitar, sobretudo, situações de tipo humanitário, porque quando muitos regressam ao mesmo tempo, pode se dar uma situação de graves dificuldades para as pessoas”, disse hoje Pier Paolo Balladelli. Em declarações aos jornalistas, à margem de um ‘workshop’ sobre o “Estabelecimento…

Leia mais

Cumpra a Constituição,
não banalize a Justiça!

A bandalheira, a desordem e a violação das normas constitucionais e legais continuam a ser a regra, não só na política, como no sistema judicial e judiciário angolano, numa clara demonstração de apenas ter mudado a vontade de nada mudar, na lógica do “showbiz”. Por William Tonet Quando a Constituição e as leis de um Estado, numa transição, qualquer que seja, não são respeitadas pelo novo Presidente da República, visto como a esperança da mudança, a sensação geral é de o quadro continuar no mesmo lamaçal da podridão partidocrata que…

Leia mais

Humanos? Sim, somos.
Direitos? Nem vê-los…

A situação dos direitos humanos em Angola continua a registar “avanços insignificantes”, com a “denegação do exercício das liberdades fundamentais”, concluíram hoje e mais uma vez elementos da sociedade civil angolana. Por Veríssimo Kambiote (*) Essas ideias foram hoje partilhadas na abertura das terceiras Jornadas da Cidadania, organizadas para assinalar os 20 anos da organização não-governamental Mosaiko, instituição que trabalha para a promoção dos direitos humanos em Angola, violados sistemática e selvaticamente há 42 anos. O tema de estreia destas jornadas, que decorrem até sexta-feira, subordinadas ao lema “Cidadania e…

Leia mais

Em Luanda, fiscais roubam, violam e matam zungueiras

O cidadão quando ouve falar de fiscal, em Luanda (capital de Angola), associa (por longa e dolorosa experiência) sem pestanejar a actividade deste agente público, à de um reles bandido ou delinquente comum, com a diferença do primeiro portar um colete, com insígnias Fiscalização, cartão de identificação e andar numa carrinha oficial. Por Sílvio Van Dúnem e Victória Balundo Tirando estes elementos de identificação do Estado, a prática quotidiana é de autênticos bandoleiros que actual num não-Estado, como se fizessem parte de uma ampla organização mafiosa de malandros da ladroagem…

Leia mais

Um reino putrefacto

A Amnistia Internacional (AI) continua a azucrinar a honra e a integridade moral, ética, social, governativa, desportiva, cultural, industrial, económica etc. etc. de reino de sua majestade o rei de Angola. E José Eduardo dos Santos não está a achar piada pelo que, um dia destes, vai acusar a AI de mais uma tentativa de golpe de Estado, para além de se saber que é uma organização de malfeitores. Então não é que a AI tem o descaramento de dizer que o descontentamento social e os protestos decorrentes do agravamento…

Leia mais

A verdade dói, mas só ela cura!

A comunicação que José Marcos Mavungo apresentou ontem aos eurodeputados, em Bruxelas, teve como tema “Governação e dos Direitos Humanos em Angola.” Foi uma brilhante dissertação que todos os angolanos devem ler. No âmbito do serviço público que o Folha 8 presta, apresentamos aqui esse texto. Corremos, mais uma vez, o risco de sermos acusados de pôr em risco a segurança do Estado. Mesmo assim, queremos imaginar que Angola é o que não é: um Estado de Direito democrático. “P ermitam-me desde já saudar e agradecer à eurodeputada da Subcomissão…

Leia mais

O etílico Bento do MPLA

O secretário de Estado dos Direitos Humanos do MPLA, António Bento Bembe, garante que o reino de sua majestade José Eduardo dos Santos, deu passos significativos no capítulo dos direitos humanos, acrescentando – no cumprimento “de ordens superiores” – que quem ignora “os esforços” do governo do MPLA “não vê bem”. Por Óscar Cabinda “É preciso ser um individuo que não vê bem para não poder ver os esforços que o Governo angolano está a fazer. Nós sabemos que ainda temos muita coisa a fazer, porque nós quando falamos dos…

Leia mais