De estratégias globais de exclusão para estratégias de composição reactiva

Surpreendo-me com a comiseração de muitos com a situação, aparentemente degradante, do antigo chefe de Estado, José Eduardo dos Santos, apresentada num vídeo, acompanhado pelo nosso embaixador nos Emiratos Árabes Unidos. Por Por Marcolino Moco (*) Suspeito que muitos dos que tomam esta atitude de comiseração para com esta situação particular – componentes da elite da nossa sociedade, aquela que verdadeiramente condiciona os rumos do nosso devir – são daqueles mesmo que reagiram, tão adversamente, à minha proposta de saída do universo de 15 anos de eduardismo, pós-guerra civil, através…

Leia mais

Deus pode perdoar, os angolanos não

Este texto começa com a “explicação”, integral, de Marcolino Moco sobre a sua exoneração. Depois recordamos o texto “Moco ajoelhou e rendeu-se – Dói muito mas é verdade!”, aqui publicado em – registe-se a data – 21 de Agosto de… 2017, e assinado pelo nosso director-adjunto, Orlando Castro. Conclusões? Ter razão antes do tempo nem sempre é um motivo de orgulho. «Pousada alguma poeira, mesmo que 1001 castigos celestes imprevistos ainda se venham abater sobre a cidade, e antes que outras mil e tantas conjecturas sejam alvitradas, vou explicar, para…

Leia mais

Moco nem precisa de navegar na Oposição

O jurista e professor universitário José Marcolino Moco foi exonerado pelo Presidente da República de Angola, João Manuel Gonçalves Lourenço, do emblemático cargo de Administrador não executivo da SONANGOL. Por Ngonguela Makala Wity (*) Na realidade a tese de o colocar naquele pelouro, foi mais a de o calar, reduzir-se ao analfabetismo textual do que a aproveitar as suas valências políticas e profissionais. João Lourenço mostrou o pior lado dos ditadores dissimulados, que é dar de comer, oferecer tachos, acomodar para em troca receber o silêncio e a estupidificação intelectual…

Leia mais

(Ab)usar e deitar fora

O Presidente da República de Angola, João Lourenço, exonerou hoje três administradores executivos da petrolífera estatal Sonangol e um não-executivo, o ex-primeiro-ministro, Marcolino Moco, segundo uma nota da Casa Civil do Presidente. Além de Marcolino Moco, nomeado em Janeiro de 2018 por João Lourenço, estão de saída os administradores executivos Josina Baião, Luís Maria e Osvaldo Macaia. Serão substituídos pelos administradores executivos Olga Lukocheka da Silva Sabalo Miranda, Kátia Mariana Siliveli Epalanga Lutucuta e Osvaldo Inácio, e pela administradora não-executiva Bernarda Gonçalves Martins. A administração da Sonangol é presidida por…

Leia mais

Nacionalidade, raça, cor e…

O antigo primeiro-ministro de Angola, Marcolino Moco, manifestou-se hoje contra o que classificou como “bullying” racista e xenófobo” à volta do líder da UNITA, Adalberto da Costa Júnior, nos últimos dias no país. Marcolino Moco protestou, na sua conta do Facebook, “contra o regresso (ou nunca chegou a ir-se embora?) da política de desqualificação gratuita de ‘outras’ figuras e ou organizações políticas, pela via mais baixa possível”. Para o ex-secretário-geral do MPLA, ouvir ou insinuar-se que o líder da UNITA, maior partido da oposição que o MPLA ainda permite em…

Leia mais

As palavras voam. Os escritos são eternos

A meio do ano passado, o antigo primeiro-ministro, Marcolino Moco, manifestou-se “desiludido” com o rumo do país na governação de João Lourenço. Em entrevista ao Novo Jornal, criticou a metodologia adoptada para o funcionamento das instituições do Estado e a forma como está a ser levado a cabo o processo de combate à corrupção no país. Sobre o (suposto e fátuo) combate à corrupção, Marcolino Moco considerou que “não passa de uma decepção”, uma vez que o poder político continua a interferir nos tribunais. “Colocar esta questão do combate à…

Leia mais

(Des)iludido para sempre?

Antigo primeiro-ministro, Marcolino Moco manifesta-se “desiludido” com o rumo do país na actual governação de João Lourenço. Em exclusivo ao Novo Jornal, critica a metodologia adoptada para o funcionamento das instituições do Estado e a forma como está a ser levado a cabo o processo de combate à corrupção no país. Por Orlando Castro Sobre o (suposto e fátuo) combate à corrupção, Marcolino Moco considera que “não passa de uma decepção”, uma vez que o poder político continua a interferir nos tribunais. “Colocar esta questão do combate à corrupção no…

Leia mais

Conseguem os homens do MPLA mudar as verdades?

Mudam-se os tempos… mudam-se as vontades e os interesses. E se calhar até as verdades. O apoio de Marcolino Moco a João Lourenço e as louvaminhas a José Eduardo dos Santos foram, para muitos, um mortífero murro no estômago. Isso mesmo escrevemos aqui no dia 10 de Agosto de 2017. No dia seguinte, publicámos a reacção de Marcolino Moco, que agora reproduzimos, deixando aos leitores a oportunidade de a analisarem. Já lã vão quase dois anos. «N uma dessas manhãs, concentrado sobre as teclas do meu lap top, para escrever…

Leia mais

Bênção e excomunhão?

Luaty Beirão alerta (como se isso valesse alguma coisa de facto) o Presidente de Angola (não nominalmente eleito e também Presidente do MPLA e Titular do Poder Executivo) que o benefício da dúvida “não é um recurso inesgotável e sem contrapartidas”, exigindo (isto é como quem diz, diria certamente José Eduardo dos Santos) a João Lourenço maior “transparência” nos assuntos do Estado. Numa carta aberta dirigida a João Lourenço, publicada na sua conta no Twitter, Luaty Beirão defende que à “retórica corajosa e inspiradora” lançada pelo chefe de Estado no…

Leia mais

Rato procura-se para que
a montanha o possa parir

Cada vez são mais os que, embora caladinhos, pensam que as promessas do Presidente João Lourenço não passam de fogo-fátuo. Até mesmo o recuperado (via alto cargo na Sonangol) Marcolino Moco começa a voltar ao seu normal, sendo de recordar que em declarações à revista  Jeune Afrique, em Setembro passado, ameaçou abandonar as aulas de (re)educação patriótica caso o Presidente não cumprisse com as suas promessas. Como ainda não cumpriu… Em 2011, Marcolino Moco revelou que o seu partido, o MPLA, o ameaçou de morte. Ou, melhor, que lhe poderia…

Leia mais