QUANDO A MENTIRA É UMA VIDA QUE ENLUTA

No mais ou menos seu (quase) livro “Uma Vida de Luta”, Maria Luísa Abrantes juntou alguns laivos da sua memória a uns tantos “post its” rabiscados com anotações feitas à medida por fontes oportunas e, talvez inspirada por Alfred Hitchcock, dedicou algum espaço ao que chamou “O Folha 8, William Tonet e o FBI”. Ao seu estilo, Milucha (que, recorde-se, recentemente disse que em 1993 era alvo de tenaz perseguição nas redes sociais que, por sinal, nasceram dois anos depois…) escreve que “a partir do momento em que comecei a…

Leia mais

O PRIMEIRO ACORDO DE PAZ EM ANGOLA

A imprensa nacional do regime do MPLA, bem como a imprensa internacional (nomeadamente a portuguesa) submissa ao regime do MPLA, a própria Direcção do MPLA, continuam a ter memória curta e, por isso, esquecem aquele que foi o primeiro Acordo de Paz, assinado entre as tropas da UNITA e do Governo, a 19 de Maio de 1991, e pelo jornalista William Tonet que mediou as negociações. Foi no Alto Kauango e antecedeu o Acordo de Bicesse. Por Orlando Castro O Acordo do Alto Kauango foi um acordo importante entre angolanos.…

Leia mais

UM TWAPANDULA PARA O EGOSISMO

O seculo, que saiu do mato, daquele nosso mato, “purcaso” das bals desentendidas, ainda escreveu lá mais! Escreveu! Haka! Sukuiangué wee! Por William Tonet Porra, assim digo o quê? Se “você já disseste” mesmo antes do “ualalé”, que a “chuva choveu” poesias de encantar e o loengo, que “apanhaste “cu’ele” nas bandas do São João, lhes “quindaste” katé no Kanhé, onde a cruz da Missão Católica embala as estrelas e conta nas orações os conterras, que vendem na praça popular, lá, naquele longe, onde na esquina se visiona a estrada…

Leia mais

FOI NO DIA 24 DE MARÇO DE 1995

O aparecimento da imprensa em Angola data de 1845, contando-se 46 títulos na passagem do século passado. Pormenor de nota é a referência a jornais produzidos por “angolenses”, o termo usado na altura para os naturais de Angola, por oposição aos colonos provenientes de Portugal. O primeiro jornal numa língua nacional “o Kimbundu” foi feito em Nova Iorque, em Fevereiro de 1896. O aparecimento do diário A Província de Angola (PA) em 1923 é considerado como o início da imprensa comercial e de circulação regular. Em 1936 surge o Diário…

Leia mais

MEDO DE PERDER O PODER PELA VIA DO VOTO POPULAR

Sou nada! Nada sou, neste mundo satânico, que em 46 anos de independência material, vem banalizando os sonhos e a vida dos milhões de autóctones, pior do que no período colonial do fascismo português. Por William Tonet O torrão gregário vê escorrer pelas faces empobrecidas dos seus filhos, rios de sangue, consumindo-os, lentamente, até à morte. Inglória! Ontem, hoje e amanhã. É o calvário. Para desgraça colectiva, temos homens insensíveis na liderança do Estado, incompetentes na elaboração de um “projecto-país”, com todas as forças vivas do território. Aristotelicamente, enquanto homem,…

Leia mais

PRESIDENTE, PERGUNTE À PRIMEIRA-DAMA

Recordando (como se fosse preciso) os métodos de José Eduardo dos Santos durante 38 anos, hoje os “anónimos” servidores de João Lourenço voltam a pôr as garras de fora. Não gostam que os Jornalistas em geral, e os do Folha 8 em particular, se recusem a pensar (só) com a barriga (tantas vezes vazia). Por Orlando Castro Pela forma, mas também pelo conteúdo e pela escrita, percebe-se que são gente evoluída e que gravita junto de quem tem o Poder, tal a forma canina como se arrogam ter o dever…

Leia mais

OBRIGADO, CARO DIRECTOR

Em Janeiro de 2007 (sim, 2007) escrevi o texto que se segue: Perguntei hoje à minha sombra (velha companheira dos dias sem pão e dos pães sem dias) se concordava em que eu escrevesse algo a dizer que o Jornalista angolano William Tonet é o herói do verdadeiro Jornalismo em Angola. A resposta foi lapidar: “Sem dúvida” (mal fora se ela dissesse o contrário). E se estamos de acordo, é mesmo sobre isso que vou escrever. Por Orlando Castro Uma rápida consulta ao dicionário permite-me dizer que herói é “um…

Leia mais

Vitória da boçalidade

O MPLA deixou, definitivamente, de ser uma referência polida no xadrez político angolano. Será que, depois dos pais fundadores, alguma vez voltou a ser? Não! O culto de Neto assassinou a esperança e matriz de uma organização plural e democrática. Dos Santos, em 1979, tentou uma inversão, mas acabou, 38 anos no poder, refastelado no centralismo. Por William Tonet Agora, desde 2017, João Lourenço ao invés de refinar a democracia, driblou os cidadãos, impondo o mais abjecto autoritarismo, anunciando a morte, em trilhos textuais constitucionais, da democracia, implantando a “ditadura…

Leia mais

Há 30 anos fez-se História

A imprensa nacional e do regime do MPLA, bem como a imprensa internacional (nomeadamente a portuguesa) submissa ao regime do MPLA, continua a ter memória curta e, por isso, esquece aquele que foi o primeiro Acordo de Paz, assinado entre as tropas da UNITA e do Governo, a 19 de Maio de 1991, e pelo jornalista William Tonet que mediou as negociações. Foi no Alto Kauango e antecedeu o Acordo de Bicesse. Por Orlando Castro O Acordo do Alto Kauango foi um acordo importante entre angolanos. William Tonet, que estava…

Leia mais