Prontidão combativa contra o… lixo

A mega, híper, emblemática campanha emergencial de limpeza e recolha de resíduos sólidos na província de Luanda começa hoje, com o envolvimento de 12 empresas de construção civil e de efectivos das Forças Armadas Angolanas. Está tudo em prontidão combativa elevada… Sob coordenação da Comissão Multisectorial (coisa nunca vista num país a sério mas, é claro, típica dos locais mal frequentados) criada pelo Presidente da República, com o inequívoco apoio do Presidente do MPLA e do Titular do Poder Executivo) a campanha, cujo objectivo é eliminar (ao estilo do que…

Leia mais

Para ganhar volta a valer tudo

A UNITA “repudia e deplora veementemente” as declarações do Ministro do Interior e do 1º Secretário Provincial de Luanda do MPLA, Bento Bento, segundo as quais, “a UNITA está a mobilizar elementos afectos ao Movimento Revolucionário para efectuar manifestações violentas nas ruas de Luanda contra o MPLA e o seu líder durante a realização do Congresso extraordinário desse partido”. Quando é que isto se passou? Não, não foi agora depois da cura de patriotismo e de reeducação ministrada pelo MPLA a Bento Bento. Foi exactamente em Novembro. Novembro de… 2014.…

Leia mais

Para o MPLA, governar é… destruir a UNITA

A UNITA, o maior partido da oposição que o MPLA ainda permite (não se sabe por quanto tempo) que exista em Angola, acusou hoje o Governo do MPLA (que só está no Poder há 45 anos) de ter “um plano para acomodar os que se oferecem em diabolizar” o seu líder, afirmando que combater Adalberto da Costa Júnior “é a sua única agenda de governação”. Isto, acrescente-se, para além do apoio ao mercado imobiliário já que cada sipaio da UNITA que diga mal do seu líder poderá ser gratificado com…

Leia mais

O rugir assassino da alcateia

Os lobos, naquela useira e vezeira alcateia, liderada pelo macho alfa estão a engendrar já e com toda a pujança a caça de novas vítimas mortais como mandam as regras, visando a manutenção do poder, através do sangue (e da vida) das presas. Poder que, custe o que custar, dizem ser um privilégio exclusivo da sua casta, completamente vedado a todos os outros, escravos na terminologia do MPLA. Por William Tonet Um covarde texto, escondido no anonimato e ao qual daremos proximamente o devido tratamento, está a destilar publicamente o…

Leia mais

A albicaude dos arianistas do MPLA

O secretário para a (des)informação do MPLA, Albino Carlos, acusa a UNITA e o seu líder de estarem a fazer uma “campanha de vitimização“ para “tentar distrair a comunidade nacional e internacional”. Diz a criatura que não há qualquer campanha racista e xenófoba contra Adalberto da Costa Júnior por parte do MPLA. Tem razão. Ele só conhece as raças que lhe são familiares (equídeos, símios e xenodontes). Por Orlando Castro No dia 1 de Setembro de 2020 o MPLA considerou como “gratuitas e infundadas” as acusações de Abel Chivukuvuku sobre…

Leia mais

Incitação à guerra e genocídio no pedestal institucional

A imagem do Executivo angolano, face à brutalidade e boçalidade dos corpos policial e militar, assumidamente, partidocratas, no genocídio cometido, dia 30 de Janeiro, no Cafunfo, afundou ainda mais, junto da comunidade internacional a credibilidade de João Lourenço. Por William Tonet Atentar de forma leviana contra os direitos humanos, disparando balas de guerra, contra cidadãos desarmados, no pleno uso de um direito constitucionalmente consagrado: Direito de reunião e manifestação (art.º 47.º CRA), coloca o regime angolano no patamar das mais abjectas e violentas ditaduras. Os pergaminhos da democracia foram assassinados.…

Leia mais

Falta acabar 1992. É isso, não é?

A UNITA, principal partido da oposição que o MPLA ainda (não se sabe se por muito tempo) permite em Angola, classifica de “ataques xenófobos e racistas” o conteúdo do comunicado do Bureau Político do MPLA, partido no poder há 45 anos, sobre os confrontos mortais do passado 30 de Janeiro em Cafunfo, na província da Lunda Norte. A UNITA considera de baixaria os ataques à figura do seu presidente e lembra que, devido ao conflito armado, muitos dirigentes, incluindo personalidades do partido governante, viram-se forçados a obter duas ou mais…

Leia mais

MPLA (des)caracterizado assume ditadura

As semelhanças comportamentais, separadas pelo tempo, aproximam-se, todos os dias, do espelho identitário, parido em 1964, por António Agostinho Neto e, recriado em 2017, por João Manuel Gonçalves Lourenço. Por William Tonet A natureza perversa do “MPLA/vingativo, que assassinou o MPLA/nacionalista e democrático de Viriato da Cruz, Mário Pinto de Andrade, Matias Miguéis e outros, autoritariamente imposta, em 1964, por Agostinho Neto e Lúcio Lara, a ferro, fogo e rios de sangue e, quando se pensava ter essa época dantesca ficado no passado, eis que ressuscita, no máximo esplendor, em…

Leia mais

Será “isto” um Estado de Direito?

As Forças Armadas Angolanas determinaram no dia 28 de Março que militares e polícias intensifiquem os patrulhamentos nos centros urbanos e suburbanos, “com vista à recolha do pessoal e viaturas militares e civis” que transgridam o estado de emergência. Estava aí, para o que fosse preciso, a “prontidão combativa elevada”. Recorde-se que o general Egídio de Sousa Santos não teve problemas nem hesitações em colocar em Luanda as FAA também em “prontidão combativa elevada” durante o Congresso do… MPLA, de preparação educativa-patriótica. Em despacho, o chefe do Estado-Maior General das…

Leia mais

Declaração de guerra de João Lourenço

João Lourenço, Presidente angolano, por sinal não nominalmente eleito, e também Presidente do MPLA e Titular do Poder Executivo, apelou hoje aos jovens a “não se deixarem manipular” por aqueles que não têm condição de resolver os seus problemas em educação, saúde, habitação e emprego. João Lourenço discursava, na qualidade de líder do MPLA, partido no poder há 45 anos, na abertura da IV sessão ordinária do Comité Central, que vai analisar (ou seja, estar de acordo com tudo o que o Presidente disser) além de questões internas, a situação…

Leia mais