Pesadelos que (i)Nunda(m)

O regime angolano do MPLA é, de facto e de jure, um exemplo de tudo quanto contraria a democracia. Prende e mata inocentes, inventa tentativas de golpe de Estado, descalça-se para contar até 12 mas confunde os pés. Não deixa, contudo, de satisfazer as verdadeiras democracias para quem é melhor, muito melhor, negociar com ditaduras. Por Orlando Castro N unca é exagero perguntar: Em alguma democracia séria, em algum Estado de Direito, se vê o Chefe do Estado Maior das Forças Armadas dizer, em plena campanha eleitoral, que um dos…

Leia mais

Continuamos a ser Ganga

Manuel Hilberto de Carvalho, “Ganga”, angolano, jovem militante e dirigente da CASA-CE, foi assassinado. Quem disparou foi um elemento da Guarda Presidencial. No dia 12 de Dezembro de 2013 foi apresentada a respectiva queixa na DNIAP e na PGR. Hoje o julgamento foi adiado “sine dia”. É este o país que a maioria não quer mas que uma minoria mantém acorrentado dentro do cárcere do regime. Por Orlando Castro J ustiça? Possivelmente nunca. As autoridades procuram ainda o candeeiro que encandeou o autor dos tiros, originando assim que o tiro…

Leia mais

Deputados lusos bajularam, bajulam e bajularão sempre

O BE e o deputado socialista Pedro Delgado Alves ficaram hoje sozinhos, no Parlamento português, na condenação da “repressão política em Angola” e no apelo ao fim da detenção de um grupo de jovens opositores do regime. Não admira. A bajulação lusa não permite que seja diferente. Por Orlando Castro E ste voto de condenação pela “repressão em Angola” teve a oposição do PSD, PS, CDS, PCP e Partido Ecologista “Os Verdes”, o que motivou reacções de indignação por parte dos deputados bloquistas. O Bloco de Esquerda pretendeu obter uma…

Leia mais

27 de Maio/jovens activistas
ou a cobardia do Presidente

O Presidente da República, nunca nominalmente eleito e no poder desde 1979, José Eduardo dos Santos, assume o seu papel de autocrata e dá lições (aos angolanos) daquilo que desconhece: ética, democracia, verdade, moral e liberdade. Por Orlando Castro N a reunião de hoje do MPLA, Eduardo dos Santos puxou dos galões para, perante uma plateia subserviente e amorfa, dizer que os angolanos não devem ser expostos a situações dramáticas idênticas a de 27 de Maio de 1977, onde foi parte activa no assassinato de milhares e milhares de militantes…

Leia mais

Luís Neto Kiambata afirma
que somos todos matumbos

A edificação da democracia na República de Angola deveu-se à estratégia e virtude do Presidente da República, José Eduardo dos Santos, em perdoar adversários políticos, inserindo-os nos vários domínios da vida do país, afirma o nacionalista Luís Neto Kiambata. Por Orlando Castro “N acionalista”? Sim, claro. Nacionalistas são todos aqueles que – de acordo com as leis do regime (que se sobrepõem à própria Constituição) – fazem a apologia do poder divino e da sabedoria eterna do “grande líder”, do “escolhido de Deus”. Luís Neto Kiambata não sabe o que…

Leia mais

Merkel segue Hitler

Angela Dorothea Merkel sabe coisas sobre Portugal que os súbditos lusos desconhecem. É obra. E também julga saber tudo sobre a Grécia. Ou seja, sendo forte comos fracos, está a tentar fazer, agora pela via política e económica, o que Hitler tentou pela via militar. Ser dona da Europa. O próximo campo de concentração, tipo Auschwitz-Birkenau, será em Atenas. Por Orlando Castro D isse ela que apesar da sua dureza, o programa esclavagista do governo português goza de grande apoio político e social. Também disse o mesmo sobre os anteriores…

Leia mais

Farsa (des)contínua

Editora Tinta da China oferece "Diamantes de Sangue" em formato digital - Folha 8

A Amnistia Internacional (AI) pediu uma reunião com o ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal sobre a condenação do jornalista e activista Rafael Marques num processo que considera “farsa judicial”. A AI esquece-se que reunir com o sipaio para falar das decisões do chefe do posto é igualmente uma farsa. Mas… Por Orlando Castro “A organização de direitos humanos está preocupada com a condenação do jornalista de investigação e defensor de direitos humanos angolano, na sequência de acusações de denúncia caluniosa, que classifica como “farsa judicial””, refere o comunicado da…

Leia mais

É fartar vilanagem!

É fartar vilanagem! - Folha 8

Perto de 28 milhões de pessoas da CPLP são desnutridas, sendo Angola, Moçambique, Guiné-Bissau e Timor-Leste os países mais problemáticos, com 44%, 37%, 31% e 23% da taxa de desnutrição, respectivamente. E, como se sabe, com excepção de Angola, todos os outros países referidos são ricos, muito ricos… Por Orlando Castro “N ão basta aprovar leis e estratégias. É preciso ir ao cerne do problema. É preciso produzirmos comida suficiente para alimentar os nossos povos”, dizia em 2012 a directora da organização moçambicana Mulher Género e Desenvolvimento (MuGeDe), Saquina Mucavele,…

Leia mais

Até um dia destes, Presidente!

Até um dia destes, Presidente! - Folha 8

Nota prévia. O texto que se segue foi aqui publicado no passado dia 13 de Fevereiro. “Se volta a publicar algo de semelhante tiramos-lhe a tosse”, diz o mais explícito aviso anónimo recebido nas últimas duas semanas. Para que não restem dúvidas, não se publica “algo de semelhante” mas exactamente o mesmo texto. Por Orlando Castro O MPLA está no poder desde 1975 e por lá vai ficar. Com o poder absoluto que tem nas mãos (é também o presidente do MPLA e chefe do Governo), José Eduardo dos Santos…

Leia mais

Podem matar os mensageiros, mas a mensagem, essa é eterna

Podem matar os mensageiros, mas a mensagem, essa é eterna - Folha 8

A autonomia para a “província” de Cabinda é uma das teses que a UNITA defende. Seria meio caminho andado… se os donos do poder da potência ocupante, Angola, a isso estivessem receptivos. Mas não estão. O MPLA não vai nisso. Por Orlando Castro A UNITA elegeu a descentralização político-administrativa de Cabinda, por entender que é a via para a resolução da “complexidade dos problemas históricos” do que chama enclave. A UNITA refere que só essa “descentralização” permite “maior agilidade, participação democrática e eficiência” na administração territorial e “consolidação da paz…

Leia mais