O top(ete) do Presidente

Com toda (e mais alguma) legitimidade de quem é Presidente da República apenas porque foi o cabeça-de-lista do partido mais votado, o general João Lourenço, enalteceu hoje a missão da Polícia Nacional de Angola (PNA), que cumpre o 45º aniversário (tantos quantos o MPLA tem de Poder), destacando o seu papel como garante da legalidade institucional, integridade territorial e segurança e estabilidade social. Por Orlando Castro Numa mensagem de felicitações dirigida à PNA, o general João Lourenço, também Comandante-em-Chefe das Forças Armadas (para além de ser, desde 2017, o representada…

Leia mais

Génios aMPLAmente (in)competentes

A Polícia do MPLA (eufemisticamente chamada “angolana”) impediu hoje uma manifestação de jovens activistas, em Luanda, que pretendiam “exigir alternância política” em Angola. Que melhor alternativa é que os jovens poderão querer quando o país tem o mesmo partido no governo apenas há… 45 anos? No local esteve um grande dispositivo policial com vários meios, incluindo brigada canina e cavalaria, e foram erguidas barricadas de pneus incendiados nas estradas, com os serviços de bombeiros chamados a extinguir o fogo. Os propósitos e motivações desta marcha, que devia culminar a 100…

Leia mais

Se João Lourenço (ainda) for presidente…

O Comandante-geral da Polícia (do MPLA), Paulo de Almeida, defendeu o uso de “meios desproporcionais” para responder efectivamente contra ameaças ao Estado. Para Paulo de Almeida, a resposta da polícia foi em legítima defesa. Por Orlando Castro O comandante-geral da Polícia Nacional afirma (como aliás fez o seu primeiro presidente, Agostinho Neto, ao manda massacrar milhares de angolanos em 27 de Maio de 1977), que na defesa da soberania de um Estado não pode haver proporcionalidade, como defendem os juristas. “Isso é muito bom na teoria jurídica, nós aprendemos isso…

Leia mais

Primeiro mata-se e depois logo se verá…

A Friends of Angola (FoA) exige que as autoridades angolanas abram um inquérito para levar à justiça os responsáveis pela violação dos direitos humanos e liberdade de expressão, de manifestantes na província da Lunda Norte. Em causa está a morte de um número ainda não determinado de manifestantes, que no sábado terão – segundo a versão oficial -tentado invadir uma esquadra policial em Cafunfo, município do Cuango, resultando, segundo números oficiais, em pelo menos seis mortos do autodenominado movimento do Protectorado Português Lunda Tchokwe e cinco feridos, entre os quais…

Leia mais

Presidente exonera e nomeia altos oficiais das FAA e da Polícia

O Presidente angolano, João Lourenço, remodelou hoje, entre outras, as estruturas de topo das Forças Armadas Angolanas (FAA) e da Polícia Nacional, com substituições, promoções e alterações de posto, entre as quais a do juiz presidente do Tribunal Supremo, Joel Leonardo. Dezenas de oficiais generais e almirantes das FAA, bem como dirigentes de Polícia Nacional, foram exonerados, substituídos e nomeados para novos cargos, segundo oito decretos presidenciais hoje publicados em Diário da República e seis Ordens do Comandante-em-Chefe das FAA, por inerência de funções, o próprio general João Lourenço. Entre…

Leia mais

Uau! Táctico-policiais…

O ministro do Interior angolano, Eugénio Laborinho, disse hoje, em Luanda, que, nos últimos dois anos, o país registou incidentes “táctico-policiais” que “lamentavelmente”, alguns terminaram em mortes de cidadãos e polícias. Não terão sido incidentes “psico-umbilicais”? Ou, quiçá, “tácticos-orgiásticos”? Eugénio Laborinho, que discursava na abertura da Conferência Científica (?) sobre o perfil do agente e o uso da força policial, promovido pelo Instituto Superior de Ciências Policiais e Criminais, não avançou números. Nem era preciso. A dialéctica do ministro saciou qualquer dúvida. O governante angolano frisou que esta constatação obriga…

Leia mais

Excluindo as vezes em que agride, Polícia não agride

A Polícia Nacional do MPLA diz que abriu um inquérito sobre alegadas, inverosímeis e pouco consistentes, acusações sobre agressões de agentes policiais durante um protesto que se realizou na terça-feira e adiantou que os 28 manifestantes detidos (mais exactamente convidados a tomar café nas esquadras) já foram libertados, disse hoje o porta-voz do Comando Provincial de Luanda. Segundo Hermenegildo de Brito foram ouvidos, identificados (depois, presume-se, de comerem umas bolachas tomarem um café) e posteriormente libertados “28 elementos que faziam arruaça” na zona entre o hospital do Prenda e Zamba…

Leia mais

Jovens apresentam queixa contra a Polícia (do MPLA)

Jovens activistas angolanos (que, por isso, não são da JMPLA) apresentaram hoje uma queixa-crime à Procuradoria-Geral da República do MPLA (PGR) contra o comandante provincial e o director de operações da polícia (do MPLA) de Luanda, por alegadas “agressões físicas e tortura” durante e depois de uma manifestação contra o desemprego. Os jovens activistas denunciaram “tortura física e psicológica” da polícia a sete activistas de Luanda, na apresentação do relatório nacional sobre a terceira “Marcha Contra o Elevado Índice de Desemprego em Angola”, realizada em 24 de Agosto em cinco…

Leia mais

Tráfico humano (e não só)
está por cá e ameaça ficar

A Procuradoria-Geral da República (PGR) angolana anunciou hoje que cerca de vinte casos de tráfico de seres humanos em Angola já transitaram em julgado e que este tipo de crime exige novos mecanismos de actuação. Por sua vez, a Polícia defende a aprovação de uma “lei específica” para criminalizar estes casos. “H oje o quadro do tráfico no país não podemos dizer que não é preocupante, registamos números de queixas e participações baixas, mas isso não quer dizer que a actividade não exista, portanto temos um registo baixo de casos”,…

Leia mais

Poder absoluto corrompe? MPLA “só” lá está desde 1975

O portal Swissinfo revela que a mulher do então comandante da Polícia Nacional (PN) de Angola, Ambrósio de Lemos, possuía uma conta no banco suíço Julius Bar, alegadamente usada para branqueamento de capitais. Dezenas de milhares de euros foram depositados nessa conta. As investigações das autoridades espanholas indicam que a Suíça “jogou um papel chave no sistema de branqueamento, permitindo encaminhar subornos da empresa pública espanhola de armamento com destino às autoridades angolanas”, escreve o portal. O contrato envolvia a venda de material à Polícia angolana no valor de 152,9…

Leia mais