Proteger e servir os dirigentes do MPLA

Os eufemismos da comunicação social do Estado, propriedade do MPLA, são demasiadamente hipócritas, porque não acreditamos que seja ingénua, na tentativa de lavagem da imagem da polícia nacional da Re(i)pública da Angola do MPLA. Ela diz que o dever da polícia é “proteger e servir” os cidadãos. Quererá dizer que é proteger e servir os cidadãos que são dirigente do MPLA? Por Domingos Kambunji Os sobas da polícia, que transitaram da anterior gerência do país e ocupam posições de topo na actual gerência ficaram famosos a reprimir, espancar selvaticamente, prender…

Leia mais

Nós comemos. Vocês não?
Pois é. Então… desculpem!

Carla Miguel, a jornalista angolana que acusou a escolta do governador da província do Namibe, o ex-ministro das Finanças Archer Mangueira, de a agredir decidiu retirar a queixa, que apresentou à Procuradoria-Geral da República, depois de um pedido de desculpas público do governo provincial. Diferenças entre José Eduardo dos Santos e João Lourenço? Só em algumas moscas… O incidente, que envolveu a jornalista e directora da Televisão Pública de Angola (TPA) Carla Miguel ocorreu na quinta-feira passada, quando a mesma se encontrava em serviço. Em carta, a jornalista reitera ter…

Leia mais

Se “isto” é, como afirma o
Rei, um Estado de Direito…

O jornalista angolano José Kiabolo apresentou esta quinta-feira uma queixa-crime contra agentes da Polícia devido às agressões que sofreu, na quarta-feira, quando cobria um protesto, em Luanda, contra a posse do novo presidente da Comissão Nacional Eleitoral (CNE), imposto pelo MPLA. “A credito na justiça, daí que apresentei esta queixa junto da 4.ª esquadra da Polícia, aqui em Luanda, porque fui brutalmente agredido. Aliás, continuo com as marcas da agressão da Polícia”, afirmou o jornalista da Palanca TV. José Kiabolo que, juntamente com um colega repórter de imagem, diz terem…

Leia mais

Excluindo as vezes em que agride, Polícia não agride

A Polícia Nacional do MPLA diz que abriu um inquérito sobre alegadas, inverosímeis e pouco consistentes, acusações sobre agressões de agentes policiais durante um protesto que se realizou na terça-feira e adiantou que os 28 manifestantes detidos (mais exactamente convidados a tomar café nas esquadras) já foram libertados, disse hoje o porta-voz do Comando Provincial de Luanda. Segundo Hermenegildo de Brito foram ouvidos, identificados (depois, presume-se, de comerem umas bolachas tomarem um café) e posteriormente libertados “28 elementos que faziam arruaça” na zona entre o hospital do Prenda e Zamba…

Leia mais

Deduzida acusação
no caso dos incidentes
no Bairro da Jamaica

O Ministério Público (MP) de Portugal deduziu acusação contra uma família, mãe e três filhos, e um agente da PSP, no processo relativo aos confrontos entre moradores e polícias ocorridos em Janeiro, no Bairro da Jamaica, concelho do Seixal. Segundo a acusação do MP, o polícia, de 34 anos, foi acusado de um crime de ofensas à integridade física simples, enquanto a mulher, de 53, responde por um crime de resistência e coacção. Um dos filhos, de 32 anos, responde por nove crimes (dois de resistência e coacção e sete…

Leia mais

Jovens apresentam queixa contra a Polícia (do MPLA)

Jovens activistas angolanos (que, por isso, não são da JMPLA) apresentaram hoje uma queixa-crime à Procuradoria-Geral da República do MPLA (PGR) contra o comandante provincial e o director de operações da polícia (do MPLA) de Luanda, por alegadas “agressões físicas e tortura” durante e depois de uma manifestação contra o desemprego. Os jovens activistas denunciaram “tortura física e psicológica” da polícia a sete activistas de Luanda, na apresentação do relatório nacional sobre a terceira “Marcha Contra o Elevado Índice de Desemprego em Angola”, realizada em 24 de Agosto em cinco…

Leia mais

Detenções e abusos policiais em Cabinda

Nos últimos trinta dias, as autoridades policiais angolanas em Cabinda têm procedido a dezenas de detenções de pessoas directa ou indirectamente ligadas ao MIC – Movimento Independentista de Cabinda. Por Franck Raskal As detenções parecem ter como objectivo o desmantelamento do referido MIC, considerado como associação criminosa pelas autoridades angolanas. Por vezes, as detenções têm sido acompanhadas ou seguidas de abusos (maus-tratos, espancamentos, violências) da parte dos agentes da Polícia. Tem sido referida, quase sempre, a “esquadra do Ngomá”, situada no bairro 1º de Maio. As detenções ocorreram em duas…

Leia mais

Festa do MPLA atormenta Bairro Neves Bendinha

“No dia 3 de Março de 2017, fomos surpreendidos às primeiras horas da manhã com a montagem de uma estrutura para vendas e um palco para actuação, no campo do Mané no Bairro Neves Bendinha, promovida pela Cervejaria Cuca. Devo dizer que este denominado campo, é um largo residencial. Por parte de alguns cidadãos ligados a este evento, designado como Maratona, foi-nos informado que era uma Campanha do Partido (MPLA) com a autorização da Senhora Administradora do Município do Kilamba Kiaxi. Não nos foi passado o programa, muito menos nos…

Leia mais

“Manico faz o que quer”

Agentes do Destacamento Especial dos Serviços Prisionais (DESP) queixam-se do abuso de autoridade protagonizado pelo comandante nacional do referido destacamento, identificado apenas por Manico. Com a patente de superintendente-chefe, Manico é acusado de esbofetear agentes a seu bel-prazer e ordenar que os mesmos realizem serviços sem relação com a função penitenciária. O último acto de agressão aconteceu no dia 5 de Dezembro, quando deu duas bofetadas na cara de um efectivo com a patente de agente de terceira classe. Dentre os trabalhos degradantes destaca-se as ordens para “lavar os dentes…

Leia mais

Fanfarra mediática do regime
procura esconder a repressão

No calor da realização do tão propalado VII Congresso Ordinário do MPLA, difundido exaustiva e enjoativamente pela média do regime para criar factos políticos e distrair as atenções de muitos cidadãos, o sistema não só se empenha em manobras eleitorais mas também continua a reprimir violentamente os seus críticos e opositores. Por Pedrowski Teca Enquanto a oposição se desdobra nos habituais e previsíveis queixumes de fraude eleitoral, especificamente sobre o não credenciamento dos seus fiscais ao registo eleitoral já em curso, o regime angolano continua a quebrar e desgastar silenciosamente…

Leia mais