E A CULPA SÓ PODERIA SER DA… UNITA

Oitenta e sete pessoas foram detidas durante as manifestações de sábado em Luanda e em Benguela, segundo o porta-voz da Polícia Nacional do MPLA, subcomissário Mateus Rodrigues, devendo ser julgados sumariamente por crimes de arruaça e desobediência. egundo o órgão oficial do MPLA, Jornal de Angola, que cita o porta-voz do Comando Geral da Polícia Nacional, subcomissário Mateus Rodrigues, foram detidos 32 manifestantes em Luanda e 55 em Benguela, no âmbito dos protestos contra a subida dos preços dos combustíveis, fim da venda ambulante e proposta de alteração dos estatutos…

Leia mais

A PIDE FEZ ESCOLA NO MPLA

O Movimento dos Estudantes Angolanos (MEA) anunciou hoje a detenção de alguns dos seus membros no Huambo e repudiou o que disse ser um “comportamento pidesco, rústico e canino” da polícia. Aliás, a PIDE diz muito a muitos do MPLA… um comunicado, o MEA diz ter tomado conhecimento do comportamento “criminoso” contra jovens que tentavam exercer, sábado, os seus direitos de reunião e manifestação na província do Huambo, acusando a polícia (do MPLA) de actos “vis e terroristas”. Em causa está a detenção do secretário provincial do MEA, José Sprajeu,…

Leia mais

A CRIMINOSA POLÍCIA DO MPLA

A policia do MPLA (de facto não é nacional, não é de Angola), acusou hoje a UNITA, maior partido da oposição que o próprio MPLA ainda permite a título excepcional, de estar envolvida em actos de “desordem e arruaça” durante as manifestações que se realizaram ontem a nível nacional e que as autoridades reprimiram violentamente em várias províncias. em mencionar o número de detidos, a Polícia do MPLA refere que as manifestações convocadas pela sociedade civil foram reprimidas em Luanda e Benguela porque não observaram “os pressupostos legais” (pressupostos que…

Leia mais

PEIXE PODRE E PORRADA DE CRIAR BICHO

João Lourenço, Presidente da Re(i)pública de Angola, Presidente do MPLA, Titular do Poder Executivo e Comandante-em-Chefe das Forças Armadas, diz regulamente que os angolanos (tal como todos os que não pensam como ele) são “burros, bandidos e lúmpenes”. Em nome desses angolanos agradeço a qualificação, desde logo porque ela significa que, em matéria de angolanidade, qualquer semelhança entre nós e João Lourenço é mera e ténue coincidência. Por Orlando Castro omos (des)governados há 48 anos pelo mesmo partido, o MPLA. Quererão os angolanos mais do mesmo? Não. Angola é um…

Leia mais

LEI DA FORÇA MATA A FORÇA DA LEI

A polícia (do MPLA) dispersou hoje, em Luanda, a marcha pacífica contra a subida dos combustíveis e o fim da venda ambulante, usando gás lacrimogéneo e tiros contra os manifestantes, originando pânico e desmaios, havendo relatos de alguns feridos e detidos. carga policial aconteceu pouco depois de a marcha iniciar o seu trajecto em direcção à Mutamba, a cerca de 500 metros do local da concentração, junto do cemitério de Santana. Adriano Abel Sapiñala conta que “começarem os disparos contra nós na manifestação de hoje aqui em Luanda, já não…

Leia mais

TODOS PRONTOS PARA SÁBADO

O Governo Provincial de Luanda (GPL) confirmou hoje que recebeu cartas informando sobre a realização, no sábado, de uma manifestação, em Luanda, às quais já respondeu, mas os promotores ainda não tiveram acesso ao despacho. Tudo normal no reino. gabinete de comunicação social do GPL diz que “o governo provincial de Luanda acusou, sim, nos seus registos administrativos, correspondências de entes que pretendem exercer o direito constitucional de se manifestarem”. Em causa está o anúncio de uma manifestação nacional, prevista para sábado, para protestar contra a subida dos preços do…

Leia mais

 “MÃE DELE ANDOU NA ZUNGA”

O Presidente do MPLA e da Re(i)pública de Angola, bem com Titular do Poder Executivo, general João Lourenço, aprovou um crédito adicional de 27 milhões de euros para adquirir bens alimentares e meios essenciais para assistência a famílias carenciadas em todo o país. Entretanto, no âmbito estratégico da solidificação da “democracia”, a polícia (do MPLA) dispersou hoje centenas de zungueiras que se manifestavam na baixa de Luanda, junto à sede do Governo Provincial, contra a proibição de venda ambulante. Tudo normal, portanto… egundo o decreto presidencial publicado em Diário da…

Leia mais

UNITA ACONSELHA A… FICAR EM CASA

A Direcção da UNITA, maior partido da oposição que o MPLA ainda permite em Angola, encorajou hoje os seus militantes, enquanto cidadãos, a participarem num protesto organizado por activistas que apela aos angolanos para ficarem em casa no dia 31 deste mês. um comunicado de imprensa, o secretariado-executivo do Comité Permanente da Comissão Política da UNITA manifestou-se solidário com a causa dos activistas, que visa protestar contra as dificuldades sociais que os angolanos enfrentam nos últimos anos. A UNITA diz que “tomou conhecimento, por via das redes sociais, de informações…

Leia mais

NEM O FILHO DE POLÍCIA ESCAPOU

A manifestação no bairro Uíge, no distrito Urbano do Sambizanga, em Luanda, nesta quarta-feira, seria pacífica e ordeira. De acordo com os residentes, infelizmente, terminou com detenções, gás lacrimogénio, disparos e a morte de duas pessoas e um jovem ferido. O caricato neste rol da equipa policial divididos entre “assassinos e de ordens superiores”, o jovem baleado é filho de um dos comandantes daquela operação no bairro Uíge. Enquanto ordenava a mistura de gás lacrimogéneo, disparos contra qualquer cidadão que ali passava, umas das balas das forças policiais atingiu mortalmente…

Leia mais

QUEM AGE ASSIM NÃO É POLÍCIA, É TERRORISTA

A Polícia angolana voltou violentamente a deter e reprimir uma marcha pacífica dos activistas, hoje, em Luanda. Desta vez, era para exigirem justiça, fim de perseguição às zungueiras e liberdade já para os presos políticos. Infelizmente, o itinerário da marcha com a partida do Largo das Heroínas até ao Ministério da Justiça e dos Direitos Humanos findou no mesmo lugar onde a Polícia do regime MPLA distribuiu os “rebuçados e chocolates”, aos activistas e não dando espaço aos Jornalistas. Por Elias Muhongo Polícia angolana voltou a reprimir e deter violentamente…

Leia mais