RUAS PODERÃO SER O MAIOR PARTIDO DE CONTESTAÇÃO SOCIAL

A rua está aí! Aqui! Ali! Pronta para fervilhar! O Executivo prepara armas de todos os calibres, contra a alternância. Será a luta entre o sair e o ficar, continuando. Entre o bem e o mal. Entre o voto do BASTA e o voto da BATOTA. A teimosia e o instinto batoteiro, já calcorreia, antes mesmo da convocação das eleições gerais. Satânico! Por William Tonet A oposição bajuladora, como das outras vezes, vai acantonar-se no politicamente correcto, enquanto a UNITA cimenta a rejeição de um regresso às matas, para desgastar…

Leia mais

MPLA ATIRA A MATAR

O Grupo Parlamentar da UNITA condenou hoje o “assassínio” de Eugénio Pessela, de 41 anos de idade, que, “segundo testemunhas, participava pacificamente” na manifestação organizada, no sábado, pelo Secretariado Provincial do partido em Benguela. Num comunicado hoje divulgado, a UNITA fala de incidentes graves ocorridos em Benguela no dia 11 de Dezembro de 2021, “envolvendo cidadãos angolanos que exerciam o direito de manifestação e efectivos da Polícia Nacional, que culminaram na morte de um manifestante e o ferimento de outros dois”. O Secretário Provincial da UNITA em Benguela, Adriano Sapiñala,…

Leia mais

Em Portugal, manifestantes anti-vacinas culpam jornalistas

Eis o conteúdo de uma carta do Sindicato dos Jornalistas de Portugal remetida ao Ministro da Administração Interna, ao Superintendente-chefe da Polícia de Segurança Pública e ao Comandante-Geral da Guarda Nacional Republicana a propósito do crescendo de violência dos manifestantes anti-vacinas contra os jornalistas. «A Direcção do Sindicato dos Jornalistas (SJ) encara com grande preocupação o crescendo de violência dos manifestantes anti-vacinas contra os jornalistas que cobrem eventos relacionados com a vacinação para a Covid-19. Os jornalistas, e o Sindicato que os representa, respeitam e defendem o direito de todas…

Leia mais

Não basta parecerem ser sérios

A UNITA, o maior partido da oposição que o MPLA ainda permite que exista em Angola, assumiu hoje culpa no “incumprimento” das medidas de biossegurança, devido à Covid-19, em actividades políticas de massa, exortando outros partidos políticos a “darem a mão à palmatória” e a “obedeceram” às regras sanitárias. Noutro contexto, apresentou no Parlamento um projecto de lei sobre a Liberdade de Reunião e de Manifestação que visa revogar a lei vigente, “por ser inconstitucional”, e “salvaguardar a integridade” dos cidadãos. Segundo o presidente do grupo parlamentar da UNITA, Liberty…

Leia mais

Luanda está “lixada” e o Povo também

Cerca de 30 jovens participaram hoje num protesto contra a falta de soluções para o lixo na cidade de Luanda, alertando para os riscos para a saúde pública e pedindo soluções sustentáveis e de longo prazo. Há 45 anos que o MPLA mostra do que é capaz. Embora os especialistas externos lhe digam para deixar a porta aberta, o MPLA acha que a solução é deixar a Berta à porta… “Venda de lixo é bom negócio”, dizia o Jornal de Angola em 16 de Setembro de 2012. “Isto é um…

Leia mais

Petição Pública para libertação de activistas de Cabinda

«Os peticionários desta petição são membros da Sociedade Civil de Cabinda, representados por diversos segmentos da vida social da província de Cabinda entre eles destacam-se entidades Eclesiásticas, Activistas Cívicos de Direitos Humanos, Políticos, Académicos, Intelectuais, Estudantes, Operários, Jornalistas, Funcionários Públicos e Empresários que transbordam em si, sentimento de liberdade e estando perplexo com as múltiplas e graves violações dos direitos humanos dos órgãos policiais e judiciais no que concerne, as violações dos vários instrumentos jurídicos internacionais de direitos humanos. Os cidadãos abaixo-assinados vimos por intermédio desta “petitio publicus populus” (petição…

Leia mais

Só morrem os que (ainda) estão vivos

Angola registou, em 2020, progressos no respeito pelas liberdades civis, mas o país manteve o uso excessivo da força contra civis, bem como a repressão aos activistas de Cabinda, denunciou hoje a Human Rigths Watch (HRW). Que grandes progressos, reconhecemos. A procura de comida nos caixotes do lixo não está a ser reprimida. Parabéns, presidente João Lourenço. De acordo com o relatório anual da organização sobre a situação dos direitos humanos no mundo, divulgado hoje a partir dos Estados Unidos da América, as autoridades de Luanda “mostraram dificuldades” para conter…

Leia mais

Uau! Táctico-policiais…

O ministro do Interior angolano, Eugénio Laborinho, disse hoje, em Luanda, que, nos últimos dois anos, o país registou incidentes “táctico-policiais” que “lamentavelmente”, alguns terminaram em mortes de cidadãos e polícias. Não terão sido incidentes “psico-umbilicais”? Ou, quiçá, “tácticos-orgiásticos”? Eugénio Laborinho, que discursava na abertura da Conferência Científica (?) sobre o perfil do agente e o uso da força policial, promovido pelo Instituto Superior de Ciências Policiais e Criminais, não avançou números. Nem era preciso. A dialéctica do ministro saciou qualquer dúvida. O governante angolano frisou que esta constatação obriga…

Leia mais

Críticas à Polícia (do MPLA)

O investigador responsável pela África Austral na Amnistia Internacional (AI), David Matsinhe, afirmou hoje que “ninguém pode justificar” os dez homicídios documentados em Angola atribuídos às forças de segurança no âmbito da imposição de restrições contra a Covid-19. “Não há justificativa para encurtar as suas vidas. Ninguém pode justificar a morte destes jovens, em particular nas circunstâncias em que perderam as suas vidas”, afirmou David Matsinhe no seminário virtual “Violência policial em Angola”, organizado pela AI. No seminário, David Matsinhe apontou que a AI, em colaboração com a organização não-governamental…

Leia mais

Cheira a estado de guerra

O director da consultora EXX Africa disse hoje à Lusa que as reformas em Angola poderão ser adiadas devido à crise económica e aos protestos violentos das últimas semanas, o que afecta as relações com o Fundo Monetário Internacional. Juntando a isso a pandemia de Covid-19, eis que o MPLA fica com luz verde para inventar a necessidade de declarar o estado de guerra. Vejamos o que diz o Artigo 58.º da Constituição de Angola (Limitação ou suspensão dos direitos, liberdades e garantias): 1. O exercício dos direitos, liberdades e…

Leia mais