Ainda é possível resolver
o problema de Cabinda?

A Direcção Política do MIC, Movimento Independentista de Cabinda, sob a liderança do Presidente Carlos Vemba, no dia (hoje) em que comemora o seu 2º aniversário reafirma a luta pacífica pela reconquista da independência e da soberania do Povo cabindense bem como a resistência anti ocupação de Cabinda por parte de Angola. O MIC relembra que os direitos do Povo de Cabinda foram, “ilegitimamente e “manu militari” confiscados em 1975 por Portugal e pelo Governo da República de Angola timonado pelo MPLA”. Paralelamente, a Direcção Política do MIC corroborar o…

Leia mais

Detenções e abusos policiais em Cabinda

Nos últimos trinta dias, as autoridades policiais angolanas em Cabinda têm procedido a dezenas de detenções de pessoas directa ou indirectamente ligadas ao MIC – Movimento Independentista de Cabinda. Por Franck Raskal As detenções parecem ter como objectivo o desmantelamento do referido MIC, considerado como associação criminosa pelas autoridades angolanas. Por vezes, as detenções têm sido acompanhadas ou seguidas de abusos (maus-tratos, espancamentos, violências) da parte dos agentes da Polícia. Tem sido referida, quase sempre, a “esquadra do Ngomá”, situada no bairro 1º de Maio. As detenções ocorreram em duas…

Leia mais

“Libertem os activistas de Cabinda”, exige a FLEC/FAC

A Frente de Libertação do Estado de Cabinda, FLEC, exigiu hoje a “libertação imediata dos 77 patriotas” detidos desde o início do mês em Cabinda e o fim das “detenções arbitrárias e da repressão”, com a polícia angolana a remeter-se ao silêncio. A 7 deste mês, outro grupo, o Movimento Independentista de Cabinda (MIC), indicou que a polícia angolana detém, desde 28 de Janeiro, 74 activistas, entre eles o presidente Maurício Bufita Baza Gimbi e o vice-presidente António Marcos Soqui, número que a FLEC/FAC indica hoje ser de 77. Na…

Leia mais

Portugal esfaqueou (pelas costas) o povo de Cabinda!

“A 1 de Fevereiro o povo de Cabinda comemora duas traições. A primeira foi quando os portugueses decidiram ignorar as aspirações do nosso povo oferecendo Cabinda a Angola em 1975. A segunda é a de os portugueses persistirem ainda hoje no silêncio ignorando os compromissos que assumiram com o povo de Cabinda quando assinaram o Tratado de Simulambuco”, diz a FLEC/FAC em comunicado enviado ao Folha 8. Por Orlando Castro “O Tratado de Simulambuco é e será o manifesto secular da identidade do povo de Cabinda e a afirmação da…

Leia mais

As mãos de Lourenço têm sangue do Povo de Cabinda

Considerações prévias. O discurso político tem elementos fundamentais que é preciso realçar antes de mais nada: oportunidade, interesse público, veracidade, ética, capacidade persuasiva e objectividade. Refiro-me ao discurso político dentro dos parâmetros da ciência política que não se revê com discursos politiqueiros eivados de retórica demagógica, revolucionarista ou populista. Por Raul Tati No âmbito da comunicação entre um candidato à eleição e o potencial eleitorado esta distinção é essencial. Na verdade, a comunicação política, sendo a expressão do pensamento e da alma de um candidato, pode também ser o seu…

Leia mais

8 de Novembro em… Cabinda

Por ocasião do 41º aniversário do início da resistência armada em Cabinda, a FLEC presta homenagem “à coragem de todos aqueles que se sacrificaram e sacrificaram por Cabinda”. E acrescenta que, “apesar de 41 anos de ocupação, o espírito e a identidade Cabindense permanecem intactos em Cabinda”. Eis o comunicado da FLEC assinado pelo Comandante José da Costa Nkuso: “Desde há algum tempo, estamos a notar importantes contestações pacíficas de activistas de direitos humanos através das redes sociais e não só. A maioria dos participantes são jovens nascidos depois de…

Leia mais

Cabindas apelam à luta total

A situação em Cabinda está a se deteriorar cada vez mais, sob os olhos da comunidade internacional, cúmplice. Mais uma vez, venho manifestar com gritos a dor de todo um povo, o medo, a incerteza, a angústia, a frustração, a desilusão. Por Jean Claude Nzita (*) Estamos confrontados com uma barbárie sem nome, um genocídio sem precedentes, estupros em massa e uma guerra imposta! As atrocidades que ninguém imaginaria. Horrores dignos de um outro século ou somente possíveis em outra idade estão sendo cometidos em Cabinda, sob o olhar da…

Leia mais

“Tem muito cuidado”,
ameaça Pedro Chicaia

“Tem cuidado! Tem muito cuidado”, foi com estas palavras que o vice-almirante Pedro Chicaia, conselheiro do comandante da Marinha de Guerra de Angola, procurou intimidar-me. Por Rafael Marques de Morais Otelefonema teve lugar no passado domingo, às 21h27, na sequência da investigação que tenho vindo a realizar acerca da expropriação do terreno da camponesa Helena Teka. Pedro Chicaia é um dos alvos da investigação, uma vez que é um dos ocupantes das terras de Helena. Em ocasião anterior, o oficial da Marinha já me tinha apresentado a sua versão dos…

Leia mais

FLEC/FAC condena “acções bárbaras e selváticas”

Em comunicado enviado ao Folha 8, a FLEC/FAC “condena energicamente o comportamento e os actos bárbaros do governo angolano que pratica a lei selvática da opressão contra as populações indefesas no território de Cabinda”. “M ais uma vez alertamos a comunidade internacional e especialmente os Estados Unidos da América, França, Grã-Bretanha, Alemanha, Portugal, União Europeia e União Africana, sobre o maior risco de represálias que as populações indefesas de Cabinda atravessam neste momento, depois das acções militares que tiveram lugar ultimamente no território entre as Forças Armadas agressoras angolanas e…

Leia mais