“Tem cuidado! Tem muito cuidado”, foi com estas palavras que o vice-almirante Pedro Chicaia, conselheiro do comandante da Marinha de Guerra de Angola, procurou intimidar-me.

Por Rafael Marques de Morais

Otelefonema teve lugar no passado domingo, às 21h27, na sequência da investigação que tenho vindo a realizar acerca da expropriação do terreno da camponesa Helena Teka. Pedro Chicaia é um dos alvos da investigação, uma vez que é um dos ocupantes das terras de Helena.

Em ocasião anterior, o oficial da Marinha já me tinha apresentado a sua versão dos factos, referindo-se então a Helena Teka como “bandida”, e defendendo a sua suposta idoneidade pelo facto de ser um “grande soldado”. Nunca, em momento algum da sua argumentação, conseguiu explicar de que modo adquiriu o terreno, nem apresentar ou identificar quaisquer documentos que lhe garantam a posse da parcela que ocupa.

Agora, no referido telefonema, perguntei respeitosamente ao vice-almirante se estava a ameaçar-me. Respondeu que não, mas que eu devia ter muito cuidado. “Porquê?”, questionei. “Cuidado com essa mulher aí [Helena Teka]. Pode estragar a sua vida. Nos queixou no governador [de Luanda, general Higino Carneiro]. Ela agora está a ser procurada. Nós pensamos que ela estava no Congo, mas afinal está aqui. Sabemos onde está”, respondeu o oficial.

Mantendo o mesmo tom respeitoso, perguntei-lhe por que razão deveria eu ignorar a versão de Helena Teka. A resposta de Pedro Chicaia, sem nexo e sem respeito algum, foi a seguinte: “Cuidado para não se sujar, porque essa mulher já sujou muito. Ela gosta de entregar as suas mamas aos outros homens, por causa dos terrenos. Já estragou a vida do brigadeiro Afonso. Ela tentou corromper-me, mas eu sou casado e forte. Essa mulher é feiticeira.”

Nas ocasiões em que entrevistei Helena Teka, por diversas vezes ela me detalhou o modo como o vice-almirante Pedro Chicaia alegadamente a tem perseguido, assediando-a sexualmente e ameaçando-a de morte. Por não ter como as comprovar, procurei sempre ignorar essas revelações. Mas, perante a recorrência do tema, e depois de muito ouvir falar do brigadeiro Afonso, único oficial que tentou ajudá-la aparentemente de forma genuína, acabei por perguntar a Helena como os conhecera e qual era a relação que mantinha com o brigadeiro. Um tal jovem “Cobra”, identificado como sendo da Polícia Militar, apresentou-se como indivíduo que detinha contactos no exército, os quais poderiam ajudar Helena Teka, em troca de uma pequena parcela do terreno cobiçado. Foi o “Cobra” quem lhe apresentou o vice-almirante Chicaia, que, por sua vez, se fez acompanhar do brigadeiro Afonso. Este último, aparentemente, ao saber da tragédia de Helena Teka, preferiu ajudá-la em vez de a explorar.

Helena Teka assegurou-me repetidas vezes que não havia qualquer relação íntima entre si e o brigadeiro Afonso.

As autoridades assassinaram os dois filhos de Helena Teka (Hélio Sebastião Gomes, de sete anos, e Cátia Sebastião Gomes, de três anos), demolindo a sua casa enquanto eles lá dormiam. As autoridades assassinaram também o seu irmão Baptista João, quando este reagiu à demolição. O outro, José Samuel, levou um tiro na perna. Expulsaram-na do seu terreno. Como é possível que, depois de todo este martírio, Helena ainda seja acusada de se “oferecer” aos militares?

Segundo me explicou, Helena tem denunciado pessoalmente a perseguição de que tem sido alvo pelo vice-almirante Chicaia, tanto no Comando da Marinha de Guerra de Angola, como junto do comandante da Região Militar de Luanda, general Simão Carlitos “Wala”.

A única resposta directa que até agora recebeu, em Maio passado, foi de um coronel [nome propositadamente omitido pelo Maka Angola]. “O coronel disse-me, como conselho, que eu deveria deixar o vice-almirante Chicaia provar-me, pelo menos uma vez. Eu lhe disse que não sou molho, para provarem se tenho sal ou não.”

Só depois de receber o telefonema do vice-almirante Pedro Chicaia percebi plenamente a gravidade das ameaças de que Helena Teka tem sido alvo e o perigo que ela actualmente corre.

“Por último, ele [vice-almirante] veio dizer-me directamente que eu devia ficar com ele. Eu disse-lhe que mil vezes preferia meter-me com um preso condenado a 40 anos do que com esses matadores. Depois de eu perder tudo, qual é a vontade que eu tenho em ter marido ou amante? Para quê?”, interroga-se Helena Teka.

“Chamou-me de burra. Ofereceu-me 60 mil kwanzas e eu recusei. Disse-lhe que prefiro alimentar-me de farinha musseque, que eu preparo e vendo para o meu sustento”, recorda a cidadã.

Como é possível que haja generais das Forças Armadas Angolanas com tamanha insensibilidade e com total ausência de sentido ético e moral, tratando deste modo insultuoso e criminoso os cidadãos que juram defender? Como é possível que um vice-almirante – um general – seja boçal ao ponto de julgar que uma camponesa é presa fácil para os seus instintos predatórios, não se coibindo da mais rasteira aproximação?

Entretanto, alguns dos oficiais envolvidos neste caso, nomeadamente o famigerado vice-almirante Pedro Chicaia, constroem tranquilamente os seus imóveis no terreno violentamente roubado a Helena Teka.

Não contentes, e para cúmulo da crueldade e do desplante, Helena Teka será processada criminalmente por burla e difamação (de acordo com a conclusão do encontro entre os oficiais generais envolvidos e o advogado do ministro de Estado e chefe da Casa Civil do Presidente da República). Eventualmente, eu também serei processado por ter investigado o caso e por ter ouvido as enormidades da boca do vice-almirante Pedro Chicaia. Ou, como ele disse, posso estragar a minha vida, palavras que facilmente interpreto como uma ameaça à minha integridade física.
Helena Teka é uma mulher com dignidade e coragem. Apesar de todo o poderio militar e político que se abate sobre ela, não se verga e continua a clamar por justiça. Gostaria de poder fazer mais pela justiça que ela merece.

A impunidade tem os dias contados em Angola, e os dirigentes serão julgados pelo povo.

In: Maka Angola
Título e foto Folha 8

Partilhe este Artigo