Só se pode ser do… Estado!

O presidente do Conselho de Administração da empresa de construção angolana Omatapalo, Carlos Alves, negou este domingo, em declarações à Lusa, ser uma “empresa do Estado” e beneficiar de adjudicações directas, como é acusada, mas antes uma “sua parceira”. Tem razão. Todos têm razão. Desde logo porque, num país que é governado há 45 anos pelo mesmo partido, em que o Estado e o MPLA são uma e a mesma coisa, como é que se pode acusar alguma empresa de ser do… Estado? “N ão somos beneficiados em nada, somos…

Leia mais

João Melo lidera ranking
do anedotário nacional

Segundo o ministro da Comunicação Social do MPLA, João Melo, a imprensa pública, em Angola, está obrigada a continuar a desempenhar um papel preponderante durante as próximas décadas. Isto quer dizer que durante as próximas décadas (certamente, como nos últimos 43 anos, sob a égide do MPLA) Angola não será uma verdadeira democracia e um Estado de Direito. Por Orlando Castro O também “jornalista” e escritor (segundo a Angop, note-se) discursava no Encontro das Empresas Públicas de Comunicação Social da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), organizado pela Direcção…

Leia mais

Se eu privatizo, logo existo

O novo Instituto de Gestão de Activos e Participações do Estado (IGAPE) angolano, instituído este mês por decreto presidencial, vai assumir o processo de privatização das empresas estatais. O IGAPE substitui, em termos de denominação, o anterior Instituto para o Sector Empresarial Público (ISEP). O novo instituto é criado como um “órgão especializado ao qual incumbe a regulação e monitorização do Sector Empresarial Público”, bem como a “execução da política e programa de privatizações e reestruturações, a gestão e o controlo das participações financeiras do Estado”. Vai ainda assegurar o…

Leia mais

Por ser oficial, mentira
não passa a ser verdade

Ainda que a chegada ao poder do novo presidente, João Lourenço, em Setembro de 2017, tenha colocado fim a 38 anos de reinado da família Eduardo dos Santos, a quase totalidade da comunicação social angolana permanece sob controlo do governo e do partido no poder, diz a Repórteres Sem Fronteiras (RSF). Para enganar o Povo até se fazem leis sobre concorrência, abuso de posição dominante, dependência económica, competitividade e sã concorrência. A RSF afirma que “os jornalistas que criticam demais o governo ou que ousam denunciar casos de corrupção são,…

Leia mais

Falta-nos um Mandela

As comemorações do dia da independência nacional, 11 de Novembro, continuarão privatizadas pelo MPLA, que se arvora ser o único representante dos angolanos, desde 1975. Por William Tonet O percurso desta gestão teve aspectos positivos, poucos, mas honra seja feita, muitos negativos, ao longo destes 41 anos, onde nem mesmo Agostinho Neto, apresentado como fundador da nação do MPLA, teve a latitude mental de, em função das especificidades dos vários povos, que habitam o território, elaborar um “projecto – país”, capaz de reunir as várias sensibilidades culturais, tradicionais e linguísticas…

Leia mais

Está tudo nas mãos
de Isabel dos Santos

Não deve ter sido inocente o alerta que os Estados Unidos terão feito acerca do controlo exercido por políticos influentes (leia-se JES, os seus filhos e os compadres generais) nos bancos angolanos. Por Rui Verde (*) É que por estes dias está prevista a transmissão do controlo do Banco de Fomento de Angola para Isabel dos Santos. Com esta transmissão, o controlo do sistema bancário angolano pelo círculo presidencial passa a ser absoluto. Vejamos a gravidade da situação. Os cinco maiores bancos angolanos são o Banco Económico (ex-BESA), o BAI…

Leia mais