Tudo serve para pedir mais e mais fiado

A Agência Nacional contra as Minas disse que Angola necessita de 200 milhões de dólares (170,8 milhões de euros) para se ver livre de áreas minadas conhecidas até 2028. Um país falido nada consegue fazer sem estender a mão à ajuda estrangeira. Só tem dinheiro para os nababos dos seus dirigentes… A informação foi avançada durante o workshop sobre a Gestão de Risco Residual (desminagem) pelo responsável pela área de intercâmbio comercial da agência, Adriano Gonçalves, segundo o qual Angola ainda é considerado um dos países mais afectados por minas…

Leia mais

Excursões para levantar dinheiro

Vários cidadãos angolanos manifestaram-se agastados com o cenário de enormes filas nas caixas automáticas, em Luanda, situação que se verifica todos os meses, por altura do pagamento dos salários à função pública. A EMIS – Empresa Interbancária de Serviços, que gere a rede Multicaixa, diz que se trata de uma questão de logística da responsabilidade dos bancos. As pessoas ouvidas pela agência Lusa apelaram às autoridades para que resolvam a situação, que consideram “um sofrimento” para o povo angolano e “uma falta de respeito” para com os clientes dos bancos.…

Leia mais

Da História dos PALOP ao Angosat

O chefe da diplomacia angolana, Téte António, disse hoje, em Luanda, que o contributo que Angola (um milhão de euros) vai dar para elaborar a História sobre a Luta de Libertação dos Países Africanos de Língua Oficial portuguesa (PALOP) vai ser distribuído por três anos. Enquanto isso, o Angosat-2 deverá entrar em órbita em 2022, a tempo de (se houver eleições) anunciar a vitória do MPLA mesmo antes da votação. Téte António, que falava à margem da 4.ª sessão plenária ordinária de Conselho de Ministros, esclarecia as dúvidas e críticas…

Leia mais

Há minas e… minas

Angola registou este ano 55 acidentes com minas e explosivos não-detonados, segundo o assessor da comissão nacional de desminagem, acrescentando que o país possui ainda 613 áreas afectadas por minas. Será mesmo do interesse do Estado/MPLA acabar com este flagelo? É que as minas podem (continuar a) ser uma mina. Adriano Gonçalves informou que, segundo o registo provisório até à data, a maior parte dos acidentes deu-se com artefactos explosivos não-detonados (bomblets — munições, ‘rockets’, entre outros, lançados por via aérea ou terrestre, através de artilharia, que se espalham pelo…

Leia mais

Dinheiro é a solução?

O banco africano Ecobank anunciou hoje a contribuição de 3 milhões de dólares para a OMS e governos africanos, criando também uma plataforma com a União Africana para ajudar as pequenas e médias empresas no continente. Vamos lá continuar a pedir ajuda aos pobres dos países ricos para dar aos ricos dos países (ditos) pobres. “O Ecobank contribuiu com 3 milhões de dólares para a luta contra a Covid-19 em África; em linha com o seu empenho no continente, fez várias contribuições para os esforços dos governos, da Organização Mundial…

Leia mais

E que tal vender a CPLP?

O novo director-geral da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), Armindo Brito Fernandes, defendeu hoje, na sua tomada de posse, o empenho de todos os estados-membros para que se resolva a situação financeira da organização. “V amos trabalhar com todos os estados-membros sobre essa situação, todos têm atravessado uma conjuntura muito difícil, mas acho que havendo empenho poderemos ultrapassar as nossas dificuldades”, afirmou Armindo Brito Fernandes, na cerimónia de tomada de posse. Para tal, considerou o diplomata são-tomense, “é necessário que o Secretariado-Executivo disponha de meios e condições para…

Leia mais

Nem os sobas vão escapar

Angola gasta anualmente 9,6 mil milhões de kwanzas (18 milhões de euros) com subsídios para 40.075 autoridades tradicionais, admitiu o governo, que está a avançar com uma nova legislação que deverá “expurgar” os sobas “fantasmas”. A isso acresce que os sobas estão a perder o poder de determinar em quem é que as suas comunidades devem votar, o que é uma clara chatice para o MPLA. “O Estado gasta por mês cerca de 800 milhões de kwanzas (1,5 milhões de euros) só em subsídios com os sobas, autoridades tradicionais, e…

Leia mais

Não há dinheiro para fuba
mas há para… espionagem!

Mesmo com todo controlo da Comunicação Social pública (facto que só por si caracteriza o Estado de Direito que Angola não é), os órgãos de Defesa e Segurança, a Polícia Nacional e as Forças Armadas, o Titular do Poder Executivo, também comandante-em-chefe das Forças Armadas terá autorizado, numa altura de forte crise económico-financeira, onde 20 milhões de pobres vivem com fome e há centenas de crianças a morrer de subnutrição (fome), a compra de um sofisticado sistema de controlo das redes de WhatsApp. Por William Tonet É um escândalo, um…

Leia mais

Se o Governo não governa, investidores não investem

O Governo angolano manifestou hoje preocupação com a “fraca adesão” ao Programa de Apoio ao Crédito (PAC), que disponibiliza 2 mil milhões de dólares (1,8 mil milhões de euros) para o sector produtivo, pois foi concedido “apenas 5%”. Importa reconhecer que o Governo do MPLA ainda não começou a governar o país pois, compreensivelmente, está há 44 anos a acumular experiência para tentar começar a governar num dos próximos anos… “Temos identificado recursos no montante de 2 mil milhões de dólares a esta data temos perto de 50 mil milhões…

Leia mais

Minas (das que matam) não nos largam

Angola libertou, nos últimos cinco anos, 90% das áreas suspeitas de contaminação por minas, mas os progressos não retiraram o país da lista dos 10 estados mais contaminados, segundo um relatório hoje divulgado. Sejamos justos e não imputemos responsabilidades ao Governo de João Lourenço que, como é visível, tem outras prioridades mais importantes e que não passam por salvar angolanos de serem mortos, ou feridos, pelas minas da nossa vergonha. De acordo com o relatório anual da Campanha Internacional para a Erradicação de Minas Terrestres (ICBL, na sigla em inglês),…

Leia mais