Cibersegurança com mísseis intercontinentais?

A ministra das Finanças angolana, Vera Daves, alertou hoje para a vulnerabilidade da banca angolana a ataques cibernéticos, instando os bancos a investirem mais na segurança dos sistemas tecnológicos. Não seria de pedir a ajuda do Comandante da Polícia, Paulo de Almeida, nomeadamente com uso dos seus mundialmente famosos mísseis intercontinentais? Vera Daves, que falava hoje na abertura do XI Fórum Banca, organizado pelo jornal Expansão, assinalou que o país está a verificar gradualmente a entrada de novos operadores no sistema financeiro – as designadas ‘fintech’ – que trazem ameaças…

Leia mais

Excursões para levantar dinheiro

Vários cidadãos angolanos manifestaram-se agastados com o cenário de enormes filas nas caixas automáticas, em Luanda, situação que se verifica todos os meses, por altura do pagamento dos salários à função pública. A EMIS – Empresa Interbancária de Serviços, que gere a rede Multicaixa, diz que se trata de uma questão de logística da responsabilidade dos bancos. As pessoas ouvidas pela agência Lusa apelaram às autoridades para que resolvam a situação, que consideram “um sofrimento” para o povo angolano e “uma falta de respeito” para com os clientes dos bancos.…

Leia mais

Crédito malparado, promessas bem-paradas

A agência de notação financeira Moody’s disse hoje que a perspectiva de evolução dos bancos africanos para 2021 é negativa devido às difíceis condições operacionais, com os bancos angolanos a terem a maior percentagem de crédito malparado. “A nossa perspectiva para os bancos africanos continua negativa com o aproximar de 2021, com as difíceis condições operacionais e as fortes ligações aos países em que operam a ser as principais razões”, disse o vice-presidente da agência, Constantinos Kypreos, na nota que acompanha a divulgação do relatório. De acordo com o documento,…

Leia mais

Investigação a sucursais europeias de bancos angolanos

A Organização Não-Governamental (ONG) internacional Friends of Angola apelou ao Banco Central Europeu (BCE) e ao Banco de Portugal que avancem com uma investigação formal ou cancelem as licenças das subsidiárias portuguesas de bancos angolanos. Na carta dirigida à presidente do BCE, Christine Lagarde, e ao governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, o director executivo da Friends of Angola (FoA), Florindo Chivucute, mencionou o Banco de Negócios Internacional (BNI) e BNI Europa, o Banco Privado Atlântico (BPA) Europe e o Banco Africano de Investimentos como estando na posse de…

Leia mais

O exemplo de Cabo Verde

O Governo cabo-verdiano quer a banca comercial a emprestar dinheiro a empresas e particulares com taxas de juro inferiores a 1%, para minimizar os efeitos da crise provocada pela pandemia da Covid-19 no arquipélago. Não nos basta que o Banco Nacional de Angola tenha ordenado, através do instrutivo 04/2020, uma moratória de 60 dias na amortização de créditos em curso no sistema bancário. A banca também tem de estar na primeira linha deste combate, não só em 2020 mas também em 2021. Para o efeito, a Assembleia Nacional de Cabo…

Leia mais

Romaria financeira

O vice-presidente do Fundo de Garantia Africano disse hoje que esta instituição financeira de garantias bancárias está a preparar a entrada em Angola, juntando-se aos 40 países africanos onde o Fundo está presente. É, com certeza, uma preparação demorada já que tem sido sucessivamente anunciada e adiada. “A té ao final do ano devemos entrar em Angola. Já tentámos, mas o problema era que não tínhamos ‘rating’ atribuído, mas desde o ano passado que a Fitch nos atribui uma notação financeira de AA, por isso ainda este ano devemos entrar…

Leia mais

É impossível branquear capitais? Alguém acredita?

A chefe da divisão de Prevenção de Branqueamento de Capitais do Banco Nacional de Angola (BNA), Delmise Florentino, assumiu esta quinta-feira que algumas instituições bancárias angolanas ainda apresentam “insuficiências” na prevenção de branqueamento de capitais, nomeadamente a “inexistência da declaração de origem e destino de fundos” e “matriz de risco não implementada”. Não é caso para dizer que estamos num país de faz de conta. Mas, na verdade, qualquer crítico mais exacerbado não teria pejo em afirmar que tudo isto é um nojo, que tudo isto é nojento. “Ainda prevalecem…

Leia mais

Velha história com novos capítulos e velhos actores

Os Estados Unidos da América condicionaram hoje a retoma da relação de bancos correspondentes norte-americanos com instituições financeiras angolanas com a restauração de um clima de confiança económica, em que o combate à corrupção é prioritário. Será que Washington ainda não acredita que a corrupção foi “exonerada” ou até mesmo “detida”? A indicação foi expressa hoje, em Luanda, pelo secretário de Estado Adjunto norte-americano, John J. Sullivan, que garantiu, no entanto, o apoio dos EUA a Angola nos processos de combate à corrupção, branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo.…

Leia mais

Crédito malparado e encerramento de bancos

A percentagem de crédito malparado em Angola diminuiu 0,5 pontos, para os 28,3% no final de Dezembro de 2018 face ao homólogo de 2017, de acordo com dados do Banco Nacional de Angola. FMI pode “ordenar” o encerramento, este ano, de mais bancos. Segundo os dados das Estatísticas Monetárias, o total de empréstimos durante o ano passado chegou a 4,16 biliões de kwanzas, o que equivale a 11,7 mil milhões de euros ao câmbio do final do ano passado, dos quais 3,33 mil milhões de euros eram relativos a crédito…

Leia mais

… E esses malditos bancos querem ficar com o kumbu

O ministro da Justiça e dos Direitos Humanos de Angola, Francisco Queirós, lamentou hoje a falta de colaboração de alguns bancos onde se encontram domiciliados capitais de origem ilícita, alegando que criam “alguma resistência em largar mão desses capitais”. Justificação oriunda de “ordens superiores”? Pedido feito pelo ministro das Finanças? A posição foi expressa por Francisco Queirós ao discursar, hoje, em Luanda, na abertura da Conferência sobre a Perda e Recuperação dos Bens e Produtos Provenientes da Criminalidade Organizada, Económico-Financeira e Corrupção. Francisco Queirós considerou “incoerente” a atitude dessas instituições…

Leia mais