IVA anda à deriva e nem o
pão escapa à roubalheira

A Administração Geral Tributária (AGT) angolana esclareceu hoje que apenas os grandes contribuintes, como as grandes superfícies comerciais, podem cobrar o IVA no pão, reconhecendo “cobranças ilegais, maioritariamente de agentes da periferia” que não aderiram ao imposto. E só adere quem quer? Então é assim? Segundo o director de Serviços do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) angolano, Adilson Sequeira, as isenções no domínio desse imposto, que vigora em Angola desde 1 de Outubro, não abrangem o pão, mas sim a matéria-prima como a farinha de trigo e o açúcar.…

Leia mais

Pão da discórdia ou
a discórdia do pão?

Os industriais panificadores de Angola queixaram-se hoje da especulação em torno do preço do saco da farinha de trigo, comercializado oficialmente a 8.000 kwanzas (23,5 euros), e pediram a intervenção do Estado. Em declarações à agência Lusa, o presidente da Associação das Indústrias de Panificação e Pastelarias de Angola (AIPPA), Gilberto Simão, indicou que pelo interior do país o preço do saco de 50 quilogramas atingiu já os 12.000 kwanzas (35,30 euros), “especulações” que considera “desnecessárias”, pelo que pediu o apoio estatal às cooperativas do sector. “Isto é uma falsa…

Leia mais

Padarias de angolanos
estão a passar à história

A Direcção da Associação das Indústrias de Panificação e Pastelarias de Angola (AIPPA) alertou hoje que centenas de padarias estão a fechar portas em Luanda devido à alegada concorrência desleal de empresas operadas por estrangeiros. O alerta foi feito pelo presidente da AIPPA, Gilberto Simão, que defendeu a criação de uma “cooperativa polivalente” para importação directa da matéria-prima e venda aos associados, que estão “completamente descapitalizados”. “Só em Luanda temos quase 500 panificadoras licenciadas, mas posso garantir que quase metade já não estão a funcionar e todos dias morrem panificadoras…

Leia mais

Paz das armas não
é paz dos corações

PAZ. O que és? Do latim “Pax” tem dois sentidos: um positivo e outro negativo. O primeiro é um estado de tranquilidade e bem-estar social, já o segundo é a ausência de guerra ou violência bélica generalizada ou regular. Por William Tonet Este é o estado em que melhor se enquadra a situação angolana, levando à existência de muitas perguntas sobre a grandeza hercúlea de três letras sexualizadas, numa que deve(ria) ser solene e perene, quando evocada como marco importante na vida de povos e de um país. A eficácia…

Leia mais

Até o pão, Presidente?

Os industriais de panificação e pastelaria de Angola vão propor ao Governo a atribuição de um “plafond” em divisas, para assumirem, com uma cooperativa própria, a importação de equipamentos e matéria-prima, travando a especulação no sector. Em Malanje, durante a campanha eleitoral, João Lourenço disse que aquela província podia ser o celeiro de Angola… A informação foi avançada em entrevista à agência Lusa pelo presidente da Associação das Industriais de Panificação e Pastelaria de Angola (AIPPA), Gilberto Simão, instituição que junta mais de 1.000 profissionais do sector. “Neste momento, 80%…

Leia mais

Enxadas e fome, pois claro!

O trabalho manual das terras agrícolas, com recurso a enxadas, ainda é utilizado em 98% dos terrenos em Angola, em contraponto com o reduzido recurso à mecanização nos cerca de cinco milhões de hectares de cultivo. A informação foi avançada hoje pelo ministro da Agricultura de Angola, Marcos Alexandre Nhunga, durante uma reunião com agentes económicos ligados à banca comercial, empresas do sector do agrícola, seguradoras e outros, tendo afirmado que apenas 2% dos hectares de cultivo do país são preparados com “recurso a mecanização e tracção animal”. “A actividade…

Leia mais

Um luxo chamado… pão

O Entreposto Aduaneiro de Angola E.P. começou hoje, quinta-feira, a comercializar o saco de (50 quilogramas) de farinha de trigo ao preço de sete mil kwanzas, uma medida que, segundo as autoridades, visa baixar a alta do preço do pão, garantida que está – afirmam- a chegada regular de matéria-prima. A venda é destinada inicialmente aos membros da Associação das Industrias de Panificação e Pastelaria de Angola (AIPPA), uma organização com 59 associados em Luanda e com representações nas 18 províncias do país. O pagamento a pronto não é a…

Leia mais

Pão nosso (já não é) de cada dia

Há um ano, o pão constituía-se como o elemento principal da cesta básica dos cidadãos angolanos, até que a crise económica e financeira no país, atingiu o mercado de fornecimento da farinha de trigo, que está a resultar na subida vertiginosa do preço do pão, e consequentemente a ausência deste produto inigualável ao pequeno-almoço nas mesas de milhares de famílias. Por Pedrowski Teca Ao pequeno-almoço, vulgo “mata-bicho”, o cada vez mais elevado preço do pão obrigou várias famílias a inovarem, substituindo assim o “precioso” pão com o prato de arroz…

Leia mais

Aldrabar o estômago (vazio) com arroz e chá

A crise no preço do pão em Angola, que disparou em poucas semanas, está a levar as famílias de Luanda a mudar o hábito do “mata-bicho” pelo início da manhã, agora com arroz e chá, para “aldrabar o estômago”. É que devido às alegadas dificuldades na importação de farinha de trigo, pela falta de divisas, o custo deste produto subiu em flecha, repercutindo-se nos preços do pão em pouco mais de um mês. Um pão pequeno que antes custava à volta de 20 kwanzas (10 cêntimos de euro) chega a…

Leia mais