Menos de fora, mais de dentro

A estrutura do consumo interno é constituída em 40 por cento por produtos nacionais e em 60 por importados, de acordo com números divulgados pelo secretário de Estado da Economia, que declarou uma contracção da aquisição de alimentos no estrangeiro em curso desde o ano de 2017. Escreve o Jornal de Angola (órgão oficial do MPLA/Governo), que Mário Caetano João disse, na 2ª Conferência sobre “Agricultura: produção nacional versus importação”, promovida pela revista Economia & Mercados, que, a partir de 2017, Angola “vivencia momentos de contracção” em relação à importação…

Leia mais

O ideal é não pagar o que se deve e continuar a receber fiado

João Lourenço, Presidente angolano, defende a continuidade das negociações ao nível bilateral e multilateral para o reescalonamento das dívidas, em função da situação específica de cada país africano, que enfrentam dificuldades na reactivação das suas economias. Já é um bom sinal o líder do partido que “comprou” o país há 45 anos (o MPLA) achar que Angola tem mesmo uma economia. João Lourenço expressou a posição angolana durante a sua intervenção na abertura do Diálogo de Alto Nível sobre “Alimentar África: Liderança para o Incremento das Inovações bem Sucedidas”, promovido…

Leia mais

Oremos irmãos, agora pelo P(e)DIA

O Governo do MPLA estima gastar cerca de 120 milhões de dólares (101,8 milhões de euros) para, nos próximos quatro anos, aumentar a produção industrial de Angola, reduzir a dependência do exterior, sobretudo dos produtos da cesta básica, e criar empregos. Traduzindo, pretende fazer agora o que não conseguiu fazer nos últimos 45 anos. Oremos irmãos! Estes objectivos constam do Plano de Desenvolvimento Industrial de Angola (PDIA) 2025, apresentado publicamente hoje, em Luanda, pelo ministro do Comércio e Indústria, Victor Fernandes, depois de um processo de auscultação iniciado em agosto…

Leia mais

Novo modelo da cesta básica

Angola gasta milhões de dólares com importações de bens da cesta básica, garantindo (segundo o Governo) um stock de produtos essenciais. Segundo o ministro da Indústria e Comércio, Victor Fernandes, estes valores representam um “esforço que o país não consegue aguentar” caso a produção nacional não seja aumentada. “Porque, continuamos ainda assim a ter muita importação vinda de outros destinos e essa importação dá-nos a tranquilidade de que os produtos existem em stock são suficientes”, garante o ministro. Isso mesmo pode (e deve) ser comprovado junto dos pontos de recolha…

Leia mais

Contentores básicos substituem cestas básicas

Angola registou uma redução de cerca de 100 milhões de dólares (81,8 milhões de euros) na importação de produtos da cesta básica e outros bens essenciais em Dezembro de 2020, face ao período homólogo. Grande parte da procura da cesta básica foi substituída pela crescente adopção, por parte dos consumidores, do novo sistema de self-service – os caixotes do lixo. A informação consta dos dados relativos à importação de produtos da cesta básica, em Dezembro de 2020, hoje apresentados na reunião do Conselho de Direcção do Ministério da Indústria e…

Leia mais

(Só) somos auto-suficientes em incompetência

Por sugestão do Presidente do MPLA e do Titular do Poder Executivo, o Presidente angolano, João Lourenço, autorizou a despesa e abertura de concurso para a aquisição de insumos agrícolas, entre os quais fertilizantes, para não comprometer o ano agrícola 2020-2021, ameaçado pela Covid-19 e pelo MPLA-45. O Decreto Presidencial nº 147/20, de 15 de Outubro refere que o ano agrícola 2020-2021 teve início no dia 9 deste mês, e por força do estado de emergência e posterior situação de calamidade que o país tem passado, bem como os constrangimentos…

Leia mais

No desvalorizar é que está o (ganho do) MPLA

A consultora Oxford Economics considera que o kwanza deverá depreciar-se mais de 50% face ao valor do ano passado, o que fez a inflação subir para o nível mais alto desde Dezembro de 2017. Como se vê, o Governo continua a melhorar o que está bem e corrigir o que está mal… “Principalmente devido à queda do preço do petróleo este ano e à liberalização cambial, o kwanza perdeu cerca de 20% do seu valor desde o início do ano, tendo passado a barreira dos 600 dólares em Junho, mas…

Leia mais

Só falta as mães terem dentes

O ministro da Economia e Planeamento, Sérgio Santos, acredita na sucesso da produção de trigo e a carne frango. Garante que a produção de trigo passou de 272 mil toneladas em 2018, para 333 mil em 2019, um aumento de 18 por cento, enquanto a importação de frango caiu de 361 mil toneladas em 2018, para perto de 253 mil toneladas em 2019, uma queda de 30 por cento. No que concerne aos “familiares” do deputado dos bifes de atum, ficamos a saber que a importação de frangos foi de…

Leia mais

Do que há… nada faltará!

Angola gastou (a fonte é o Governo) 451 milhões de dólares (414 milhões de euros) com importações de bens da cesta básica, entre Janeiro e Março, garantindo (diz a mesma fonte) um stock de produtos essenciais para os próximos seis meses. Segundo o ministro da Indústria e Comércio, Victor Fernandes, este valor representa um “esforço que o país não consegue aguentar” caso a produção nacional não seja aumentada. “P orque, continuamos ainda assim a ter muita importação vinda de outros destinos e essa importação dá-nos a tranquilidade de que os…

Leia mais

Importar roupa usada e (man)ter o Povo todo roto

Angola gasta anualmente 65 milhões de dólares (60 milhões de euros) na importação de roupa usada, actividade que beneficia de isenções aduaneiras, mas não favorece as pessoas mais carenciadas, segundo o Governo. Será que vai para os guarda-fatos dos generais e políticos milionários do MPLA? A preocupação foi hoje manifestada pelo secretário de Estado da Indústria de Angola, Ivan Prado, durante a visita que o Presidente João Lourenço realizou à fábrica Textang II, localizada no Cazenga, em Luanda. O governante referiu ainda que, no volume de importações de produtos acabados,…

Leia mais